Olá Galera,

Publico hoje algumas informações sobre os motores FPT Tritec da Fiat. O nome dele provavelmente será E-TorQ visto que já é chamado internamente de E-TorQ 1.6 e 1.8.

A fábrica de Campo Largo já começou a produzir motores em fevereiro, mas por enquanto tudo é estocado pois a demanda dos próximos meses será alta. Sendo que já existem algumas “pilhas” de motores destinados a Betim, pois estão sendo produzidos em torno de 90 motores por dia. E em abril finalmente os motores devem começar a serem enviados para Betim, a princípio para o Punto e depois para outros modelos. Sendo que no final de abril ou no máximo começo de maio provalvemente,  já esteja a venda o Punto com os motores E-TorQ. O motor 1.6 só não terá mais potência por causa do padrão novo de emissões que o governo lançou, aquele que classifica os motores de 1 a 5 estrelas. A ideia da FPT é ser a fabricante com maior número de motores 5 estrelas de emissões no mercado.

FORÇA Baseado na curva do motor 85% do torque estará disponível já em baixas rotações por volta de 2000 rpm, sendo que tem uma queda para uns 75% por volta dos 3500rpm e depois vai subindo novamente para o torque máximo.

MULTIAIR Ainda não foi oficializado mas o fabricante deverá liberar em breve a verba para que em 2014 o motor ganhe uma versão Multiair, sendo que o projeto avança rápido.  Sem data definida para chegar, mas, já em fase de projeto é uma versão Multiair Turbo do motor 1.6.

PRODUÇÃO Em outubro está marcada a data de ínicio para a produção do hatch médio Bravo, já o 326 (Palio) deverá ter sua produção iniciada em março de 2011, entretanto, essa data pode mudar pois o modelo não começou seus testes de rodagem. E o atual Mille deverá mesmo dar adeus ao mercado nacional no final de 2013.

CITY CAR A Fiat ainda deverá lançar seu modelo de baixo custo, chamado internamente de city car, sendo que ele usará a base do 327 (novo Uno) e fará sua estreia em 2013.

1.4 TRITEC O motor 1.4 tritec em princípio está com o projeto parado, a previsão é de que a fábrica de Campo Largo deva operar em capacidade máxima produzindo os motores 1.6 e 1.8, e quando a mesma foi comprada o projeto dos motores Fire II (1.0 LF e 1.4 EVO, que estreiam no 327) já estava bem avançados.