Garagem VW: De Fusca a Fox – veja os carros do acervo da marca

896

Autos Segredos faz tour pela ala onde estão alguns dos icônicos modelos da marca alemã produzidos no Brasil e também um belo esportivo importado

Durante o lançamento do Volkswagen T-Cross The Town perguntaram se eu toparia ficar mais um dia para conhecer uma das alas do Garagem VW, antes de terminarem a frase, já respondi de bate e pronto, topo!!! Afinal, o espaço não é aberto ao público e para visitar só mesmo sendo convidado pela marca alemã.

Na ala onde pudemos passar uma manhã inteira explorando os carros estão 36 Volkswagen que fizeram parte da história da marca no Brasil, do total 35 são modelos produzidos em suas fábricas de São Bernardo do Campo (SP), Taubaté (SP) e também em São José dos Pinhais (PR). O único importado exposto no local é uma unidade 2003 do Golf GTI VR6 que teve apenas 99 unidades vendidas no Brasil. 

No local, o modelo mais antigo em exposição é uma VW Kombi Corujinha 1961 que foi comprada de um colecionador, reformada e agora fica em destaque logo na entrada do museu. Mas há também modelos mais novos, a última unidade do Gol Last Edition 1.000/1.000 ano 2022 também está presente.

Cada modelo tem sua história particular, alguns foram comprados de colecionadores, outros saíram das linhas de produção, guardados e hoje, depois de recuperados ajudam a contar a história da marca. Há também carros que foram usados pela engenharia da marca para testes e homologações.

Entre os 36 carros expostos, uma VW kombi Pick Up 1999 chama a atenção. Ela atuou até 2017 na engenharia da marca transportando peças para modelos em desenvolvimento, após anos de labuta, ela foi recuperada e está lá exposta entre a última Kombi produzida no mundo e da Kombi Last Edition 56 2013.

No vídeo e nas fotos que ilustram essa matéria mostramos os VW a ar como Fusca, TL, 1600, SP1, Brasília, Variant II, Santana, Gol, Saveiro, Parati, Voyage, Kombi, Polo, Passat, modelos da Auto Latina, entre outros carros que compõem o acervo desta ala do Garagem VW. 

Garagem VW: Kombi

Ao lado do Fusca, a Kombi marcou o início das atividades da Volkswagen no País, há 60 anos. Sua montagem começou no ano de 1953, em um galpão no bairro do Ipiranga, em São Paulo.

A partir de 2 de setembro de 1957 o modelo passou a ser efetivamente produzido no Brasil, na Fábrica Anchieta, em São Bernardo do Campo, com 50% de componentes nacionais – índice que passaria a 95% em 1961. A Kombi foi o primeiro veículo fabricado pela Volkswagen do Brasil, antes mesmo do Fusca – e o primeiro feito pela empresa fora da Alemanha.

A montagem da Kombi no Brasil começou, em 1953, ao lado do Fusca num galpão no bairro do Ipiranga, em São Paulo. A partir de 2 de setembro de 1957 o modelo passou a ser efetivamente produzido no Brasil, na Fábrica Anchieta, em São Bernardo do Campo (SP), até o fim de sua produção em 2013.

Modelo mais antigo do acervo, a Kombi Corujinha 1961 ganhou destaque recentemente ao aparecer nas comemorações dos 70 anos da VW no Brasil. A unidade com pintura saia-e-blusa (cores Vermelho Calipso e Branco Lótus) foi comprada de um colecionador e totalmente reformada na Fábrica Anchieta.

Como já mencionamos acima, a VW Kombi Pick up 1999 foi usada pelo Desenvolvimento do Produto para transporte de peças e veículos, com carreta acoplada até 2017.

A VW Kombi Last Edition 2013 do acervo da marca foi retirada das linhas de produção e guardada para fazer história. A marca escolheu a unidade de número 56 por conta dos 56 anos de produção da Kombi no Brasil. 

Apesar de estar completando somente dez anos do fim de sua produção, a Kombi Standard 2013 produzida na fábrica da Anchieta é uma raridade, afinal é a última fabricada no mundo. A unidade está com menos de 100 km em seu hodômetro. 

Linha a ar da VW

Além da Kombi, outros modelos a ar são destaque no Garagem VW, entre eles está o 1600 1970 que era de um colecionador e foi um dos primeiros carros a ser comprado para o Acervo da Volkswagen do Brasil. 

O VW 1600 foi apresentado no Salão do Automóvel de 1968. Ele era um Volkswagen maior, de 4 portas, com motor de 1,6 litro e 60 cv (potência bruta) que foi desenvolvido em conjunto por engenheiros e técnicos brasileiros e alemães. O desenho da carroceria era inédito até mesmo na Volkswagen alemã.

Ele foi produzido até 1971 e sua nova base com maior bitola que a do Fusca deu origem aos modelos: Variant, 1600 TL, SP1 e Brasília. O Fusca também passou a ser produzido sobre esse chassi a partir de 1970, na versão 1500.

Outro belo modelo do acervo é o 1600 TL que foi produzido em São Bernardo do Campo (SP) que foi apresentado em 1970 e foi produzido até 1976. Lançado inicialmente com carroceria de duas portas, o modelo tinha motor 1.6 com 65 cv. Já em 1971 ele ganhou a opção de carroceria de quatro portas. 

Assim com o 1600, a unidade do 1600 TL na cor Branco-Lótus também foi comprada de um colecionador e restaurada por profissionais da Fábrica Anchieta.

Completando 50 anos em 2023, a VW Brasília tem destaque no acervo com unidade 1982 que tem pouco mais de 400 quilômetros rodados. Fabricada em 1982, ela foi retirada das linhas de produção e preservada. 

A VW Brasília foi produzida em São Bernardo do Campo (SP) de 1973 a 1982. 

A Variant foi lançada no Brasil em 1969 e passou por algumas mudanças visuais na década de 1970. Já em 1977, a marca alemã lançou a segunda geração batizada de Variant II. 

Ela recebeu algumas inovações que foram introduzidas no Brasil pelo Passat como a suspensão independente tipo McPherson com raio negativo de rolagem na dianteira, duplo circuito de freio (diagonal), pneus radiais de série e limpador do vidro traseiro. Seu motor era o de 1.600 cm³ e 67 cv (brutos), montado na traseira.

A Variant II foi fabricada de 1977 a até 1981 registrando mais de 293 mil unidades vendidas.

A unidade exposta na ala II do Garagem VW é de 1980 e foi guardada da produção na Fábrica Anchieta.

Um dos mais belos VW a ar produzidos é o SP que tinha motor 1600 e foi desenhado pelo designer automobilístico Marcio Piancastelli. A linha SP foi produzida entre 1972 e 1976. 

O SP1 teve menos de 100 unidades produzidas no Brasil. A unidade exposta é 1974 e passou por diversas áreas da Fábrica Anchieta, ele foi guardado por anos, encontrado, e depois de totalmente recuperado foi integrado para fazer parte do Acervo Volkswagen.

VW Fusca

O Volkswagen Fusca começou a ser montado no Brasil, em 1953, num galpão no bairro do Ipiranga. Seu motor tinha 1.200 cm³. Já em 1959 ele começou a ser produzido na Fábrica Anchieta até 1986 em sua primeira fase. 

A segunda fase iniciou em 1993 foi até 1996. A volta do Fusca foi um pedido do Presidente Itamar Franco, que foi atendido pela marca alemã. Na ala II do Garagem VW estão três unidades.  

O mais antigo é o modelo 1986 na cor Vermelha que saiu diretamente das linhas de produção para ser preservado. 

Chamado de Fusca Itamar, o modelo exposto é a primeira unidade produzida na segunda fase do modelo. Ela tem chassi número 9BWZZZ11ZPP000001 e o mesmo veículo apresentado a Itamar Franco.

Já o Fusca Cabriolet exposto na Ala II do Garagem VW é uma das quatro convertidas em 1996, das quais uma está no Museu Itamar Franco, em Juiz de Fora (MG) e as outras duas têm paradeiro desconhecido. 

Para marcar, a segunda aposentadoria e desta vez definitiva do Fusca, a VW criou a Série Ouro: 1.368 exemplares diferenciados dos demais Fuscas “Itamar” por faróis auxiliares, lanternas escurecidas, logotipo nas laterais e a plaqueta “Fusca”, na tampa do motor, em dourado. No interior, bancos com revestimento de Pointer GTI, volante de Gol, painel com fundo branco e vidros verdes.

Encerrada a produção do Série Ouro, outros três exemplares foram convertidos em conversíveis pela Sulam (tradicional transformadora de veículos fundada em 1973). O último desses, chassi número 9BWZZZ113TP006623, pertence ao acervo histórico da Volkswagen do Brasil.

Autolatina 

No Garagem VW três modelos representam a Autolatina, joint venture criada em 1987 pela Ford e Volkswagen que foi desfeita em 1° de janeiro de 1996.

O primeiro modelo da Autolatina pelos lados da marca alemã foi o Apollo, lançado em junho de 1990. O sedã era posicionado entre o Voyage e o Santana. 

O VW Apollo foi lançado nas versões GL e GLS com motor 1.8 nas versões etanol com 105 cv de potência e na opção a gasolina com 92 cv de potência. A unidade em exposição no Garagem VW é um Apollo 1992 retirado das linhas de produção e guardado zero quilômetro para fazer parte do acervo da marca. 

Outro exemplar da era Autolatina exposto no acervo da Volkswagen do Brasil é o Logus que foi lançado no Brasil em 1993. Ele era construído a partir da plataforma da quarta geração do Ford Escort. Ele era vendido nas versões CL 1.6, CL 1.8, GL 1.8 e GLS 1.8. 

A unidade preservada no Garagem VW é um modelo 1995 que GL 1.8 que rodou apenas três mil quilômetros em testes pela engenharia da VW. A produção do Logus foi encerrada em dezembro de 1996. 

O terceiro exemplar da era Autolatina é um VW Pointer que foi construído a partir do Logus. Ele foi lançado em dezembro de 1993 e produzido até dezembro de 1996. 

A unidade exposta no acervo da marca alemã é um Pointer GTi com motor AP-200 que rende 115,5 cv de potência. A unidade 1995 é pintada na cor Verde Tati e saiu das linhas de produção para ser preservada para ficar na história. 

Garagem VW: Passat GTS Pointer

O Volkswagen Passat foi o primeiro modelo da marca produzido no Brasil com motor refrigerado a água. Ele foi lançado em 1974 com motor 1.500 que rende 78 cv de potência. O modelo foi criado pelo designer italiano Giorgetto Giugiaro. 

Ao longo dos anos em que foi produzido, o Passat passou por alterações mecânicas e visuais. Entre as versões estão a Surf, TS, LSE (o famoso “Passat Iraque”, criado para exportação ao país do Oriente Médio e que passou a ser também vendido no Brasil), Village; também recebeu recursos como câmbio de cinco marchas e teto solar.

Já o Passat GTS Pointer foi lançado em agosto de 1993 e tinha suspensão recalibrada, acabamento diferenciado, rodas de liga-leve e bancos dianteiros Recaro, entre outros itens. A partir de 1984 passou a trazer o mesmo motor 1.8 utilizado também no Santana, que gerava 85 cv na versão a gasolina e 92 cv na a etanol.

A unidade exposta no Garagem VW é uma unidade 1988 que saiu das linhas de produção e foi preservada para ser incluída no acervo da marca. 

Garagem VW: Gol

Lançado em maio de 1980, o Volkswagen Gol foi produzido em Taubaté (SP) até dezembro de 2022. Ele estreou no Brasil nas versões Básica e L equipadas com o motor 1.3 de 42 cv de potência. No acervo da Volkswagen do Brasil há sete unidades representando suas fases no Brasil, incluindo o Mini Gol que apareceu numa edição do Salão do Automóvel de SP.

A unidade 1300 L 1980 exposta no acervo da Volkswagen foi comprada de um colecionador e foi o primeiro Gol Placa Preta do Brasil. 

Outro belo exemplar do Garagem é um Gol GTi 1993 na cor Vinho que tem 26 mil quilômetros rodados. Ela pertenceu à frota de testes da engenharia.

Lançado em setembro de 1994, o Gol GII ou bolinha como ficou conhecido também marca presença no acervo VW. 

A linha é representada por um Gol CL 1.6 1999 na cor Azul Cancun que tem cerca de 400 quilômetros rodados. Ela foi transferida da linha para fazer parte do acervo da marca no Brasil. 

A linha G III lançada em 1999 está representada por uma unidade 2001 equipada com o motor 1.0 16V na versão Plus. 

Já a chamada linha G IV do Gol está no acervo em uma unidade na cor Prata 2006 equipada com motor 1.6. 

Em 2008 chegou ao mercado o Gol G V que era construído a partir da plataforma PQ25 do Polo. Ela passou por algumas mudanças visuais ao longo dos anos e teve sua produção encerrada em dezembro de 2022. 

A linha está representada no acervo com a unidade 1.000/1.000 da edição de despedida Last Edition. 

Volkswagen Polo

O VW Polo foi apresentado no Brasil em abril de 2002. O modelo também recebeu, no fim do mesmo ano, a carroceria sedã. A primeira reestilização ocorreu em 2007. A produção da primeira geração produzida no Brasil foi encerrada em dezembro de 2014. 

A unidade do acervo da marca é uma 1.6 ano 2002. Lá também tem um Polo Sedan na cor Preta ano 2005 que rodou cerca de 80 mil quilômetros em testes pela engenharia da VW. 

Volkswagen Santana

O Volkswagen Santana estreou no Brasil em junho de 1984 nas versões CS, CG e CD com opções de duas e quatro portas. Nestas versões, o motor era 1.8 que fornecia 92 cv na versão a etanol e 85 cv na opção a gasolina. 

Já em 1989, o sedã médio passou a contar com o motor AP-2000.

Em 1991, o sedã recebeu a segunda geração, ele foi o primeiro modelo nacional a oferecer freios com assistência ABS, como opcional. Ainda em 1991, a linha também recebeu os motores 1.8 e 2.0 com injeção eletrônica. 

A segunda geração passou por um retoque visual em 1996 e permaneceu assim até ter sua produção encerrada em 2006.

Na Ala II do Garagem, três exemplares representam o Santana. Uma versão EX 1991 na cor vinho que foi a frota de engenharia passou por restauração para fazer parte do acervo da VW.

A perua do Santana que foi produzida entre 1985 e 2003 também é representada no acervo. A unidade da Santana Quantum 2001 na cor prata rodou por 97 mil quilômetros na frota da engenharia da marca alemã.

Um Santana Comfortline na cor Preta com apenas 2.000 quilômetros rodados faz parte do acervo da VW. A unidade era da frota de testes de engenharia da marca sendo uma das últimas que foram produzidas. 

VW Fox

No acervo da Ala II está um VW Fox na carroceria sedan que na prática era o nosso Voyage que recebeu 2 mil alterações para ser vendidos nos mercados do Estado Unidos e Canadá.

Entre eles, para-choques de impacto, catalisador, aviso de cinto de segurança desafivelado e cinto traseiro de três pontos, entre outros que posteriormente foram implementados no Voyage nacional, como painel com comandos-satélite e injeção eletrônica.

A unidade exposta, uma das cerca de 202 mil fabricadas até 1993, foi produzida em 1988, rodou aproximadamente 10.000 quilômetros e pertenceu à frota de testes da Engenharia.

Já o nosso VW Fox lançado por aqui em 2003 é representado pela versão Xtreme na cor vermelha que é o último hatch produzido em São José dos Pinhais (PR). Ele deixou de ser produzido em 2021 e a unidade do acervo VW tem chassi de número 9BWAB45Z5N4011367.

Ao longo de 18 anos de produção, o Fox teve cerca de 1,3 milhão de unidades destinadas ao mercado interno e 500 mil para exportação, o Fox exibiu sua jovialidade e sua versatilidade através de inúmeras séries especiais – Connect, Rock in Rio, Run, Pepper, Prime, Extreme, Route, Sunrise, BlackFox, SilverFox e Seleção, entre outras.

Fique por dentro das novidades.

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade para mais informações.