O ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou na tarde de ontem a manutenção do IPI reduzido até julho de 2013. No entanto, a cada trimestre as alíquotas serão parcialmente recompostas até retornarem aos níveis normais ao fim do primeiro semestre.

No caso de carros de até mil cilindradas, cuja a alíquota normal de IPI é de 7%, a cobrança deixará de ser zero e passará para 2% entre janeiro e março, e para 3,5% de abril até junho. Para os carros com motores flex de mil a 2 mil cilindradas a alíquota passará dos atuais 5,5% para 7% no primeiro trimestre de 2013 e chegará a 9% no trimestre seguinte, e retorna aos 11% em julho. Já os automóveis com essa potência movidos a gasolina (cuja cobrança normal é de 13%), passarão de 6,5% para 8% até março e para 10% até junho.

O IPI de caminhões permanece zerado permanentemente. Segundo o ministro, a alíquota foi mantida porque esses veículos são considerados bens de capital (usados na produção) e a estratégia do governo é desonerar investimentos.

Foto | Divulgação