Oficialmente, o fabricante diz que ele será lançado no primeiro semestre e será produzido em Sumaré

honda-wrv_12A Honda marcou junto a fornecedores para começar o “Start of production” (SOP) do WR-V para fevereiro. O lançamento deverá ocorrer entre março e abril. Oficialmente, a marca apenas diz que ele chegará no primeiro semestre e que sua produção será em Sumaré (SP).

honda-wrv_1Diferentemente do que Autos Segredos publicou, o WR-V não será produzido na nova fábrica da Honda em Itirapina (SP). Nossa reportagem apurou que a unidade só será inaugurada em 2018, a culpa é da crise enfrentada pelo setor automotivo. Fontes ligadas a Honda afirmam que o fabricante não quer uma unidade aberta com capacidade ociosa.

O modelo foi totalmente desenvolvido no Brasil pelo Honda Research Brasil, instalado em Sumaré (SP). Na dianteira, em relação ao Fit, mudam capô, faróis, para-choque e grades. Os refletores dos faróis serão como no HR-V e nas demais versões do Fit, com arranjo simples e monoparabólicos. O para-choque tem desenho agressivo, com uma grande grade em colmeia, e a placa de identificação está instalada no centro. A parte inferior do para-choque terá aplique plástico que simulam um extrator de ar. A grade será pintada em cinza com um aplique na cor da carroceria na parte superior, e a peça ainda terá uma pequena ponta acima dos faróis.

honda-wrv_3Nas laterais, o que muda é maior altura em relação ao solo e os apliques pretos nas caixas de rodas, que se estendem até os para-choques. Para dar uma aspecto mais alto no modelo, a Honda desenvolveu um nova suspensão para o modelo. O WR-V será equipado com rodas de liga-leve aro 16 polegadas calçadas com pneus 195/60 R16.

Já a traseira do WR-V também tem linhas mais agressivas. As lanternas tem formato diferente em relação as do Fit e invadem a tampa, como HR-V e a nova geração do Civic. A placa de identificação continua na tampa do porta-malas, mas foi deslocada para baixo por conta do novo desenho da peça. Assim como na dianteiro, o para-choque traseiro tem apliques simulando extrator de ar.

O motor é o 1.5 i-VTec FlexOne equipado com controle eletrônico variável de sincronização e abertura de válvulas. O propulsor rende 116 cv de potência a 6.000 rpm, torque de 15,3 kgf.m a 4.800 rpm quando o combustível escolhido for o etanol. Já os câmbios que equiparão o modelo aventureiro são o manual de cinco velocidades e o automático do tipo CVT.

Fotos | Marlos Ney Vidal/Autos Segredos