Nova geração do caminhão leve conviverá com a antiga linha Delivery

Por Marlos Ney Vidal (*)
De Penedo (RJ)

A Volkswagen Caminhões apresenta a nova geração do caminhão leve Delivery. O modelo chega ao mercado em seis versões composta por modelos de 3,5 a 13 toneladas. Todas as versões serão vendidas com três opções de acabamento. A antiga geração do Delivery continua em linha e ao todo serão opções disponíveis no mercado brasileiro.

Produção escalonada

Algumas versões do modelo já estão em produção e farão sua estreia em outubro logo depois da Fenatran. Inicialmente, já são produzidos as versões 9.170 e 11.180. Em dezembro, se inicia a produção do modelo 6.160. Já em 2018, a inédita versão Express começa a ser produzida em fevereiro, a 4.150 tem produção marcada para março e a 13.180 completa a gama em abril. Ainda sem preço definido, a Volkswagen Caminhões estima que a nova linha Delivery tenha preços entre 5% a 10% mais caros.

Novo segmento

Com a chegada da nova geração do Volkswagen Delivery a marca atacará em uma nova frente. O caminhão leve estreia a versão Express de 3,5 toneladas. A nova opção pode ser guiada com condutores que tem a carteira de habilitação na categoria B. O Delivery Express chega para brigar com os modelos Hyundai HR, Kia Bongo, Mercedes-Benz Sprinter, Iveco Daily, entre outros caminhões disponíveis no mercado.

Investimento

Para a nova linha Delivery, A Volkswagen Caminhões investiu mais de R$ 1 bilhão em seu desenvolvimento. Segundo a marca, o caminhão reúne os atributos de um caminhão grande num veículo pequeno, tais como espaço interno e robustez, com design moderno. Com exceção da versão Express, as demais já contam com financiamento via Finame.

Versões

O novo Volkswagen Delivery será vendido em três versões de acabamento: a City, de entrada; a Trend, sob medida para o dia a dia das mais diversas operações; e a Prime, que traz aspectos visuais e de conforto diferenciados.

Linhas

Sem perder a robustez necessária a um caminhão, o novo Delivery tem visual bem moderno e a cabine conta com vincos espalhados em suas portas e painel frontal. OS faróis tem formato retangular e contam com assinatura de LED. Dependendo da versão de acabamento, o para-choque pode ser pintado na cor da carroceria. A carroceria ainda conta com outros elementos funcionais, como defletores de ar, são naturalmente integrados às características visuais, desde a lateral da porta até a grade dianteira e os faróis.

Ergonomia

A antiga linha Delivery já era conhecida por sua boa ergonomia, partindo dessa premissa, o desenvolvimento do novo Delivery focou em melhorar o que já era positivo. A cabine do Delivery ganhou evoluções ergonômicas e de design para diminuir o desgaste do motorista e passageiros. Segundo a Volkswagen, o espaço interno foi baseado nos padrões e dimensões mais atuais.]

Interior

A Volkswagen afirma que o Delivery tem o maior espaço da categoria. A cabine tem dois metros de largura. Segundo um executivo da marca, o desenvolvimento do caminhão começou de dentro para fora: posição de dirigir, empunhadura do volante, regulagem de altura do banco, painel de instrumentos, porta-objetos e espaço suficiente para transitar no interior da cabine, indo do banco do motorista até o do passageiro de forma rápida.

Bancos

Os bancos do novo Delivery foram desenvolvidos para que condutores com estatura de 1,50 metros a 2 metros encontrem uma posição confortável de condução. Os assentos são revestidos com tecidos de alta resistência e hidro-repelentes, que não mancham.

Painel

Diferentemente da antiga geração do Delivery, a nova geração ganhou interior que remete aos carros de passeio. O painel tem linhas que lembram a da picape Amarok. O quadro de instrumentos também remete a picape. Os comandos de ar-condicionado, comandos dos vidros elétricos, interruptor de acendimento do farol e ajustes dos retrovisores são os mesmos usados em carros de passeio da marca.

Assim como nos carros de passeio, os ocupantes do Delivery contam com uma série de porta-objetos.

Economia de combustível

O Delivery conta indicador de troca de marchas no painel de instrumentos, a função ajuda a preservar componentes de desgaste e ainda potencializa a redução no consumo de combustível.

Delivery Express e 4.150

As versões Express e 4.150 são dotadas com a tecnologia EGR e são referência dos diferenciais que a linha entrega: têm a melhor potência e torque de suas categorias.

Ambas as versões são equipadas com o motor 2.8 ISF Cummins que tem potência de 150 cv e torque máximo 36,70 kgfm numa ampla faixa de rotações para garantir retomadas rápidas, agilidade e menor consumo de combustível nas entregas urbanas. O câmbio é o ESO-4106 manual de seis velocidades da Eaton.

Delivery 6.160

A versão 6.160 também vem equipada com o motor 2.8 ISF. Porém, com maior potência e torque. O propulsor tem potência de 160 cv e torque de 43,84 kgfm. Outra mudança é a solução SCR para o pós-tratamento já tradicional em sua categoria. O câmbio é o Eaton ESO-4206 manual de seis marchas.

Delivery 9.170, 11.180 e 13.180

Já as versões de 9, 11 e 13 toneladas são equipadas com o motor 3.8 ISF e tecnologia SCR. O torque de 61,18 kgfm é comum para as três versões. Já a potência é de 165 cv para a versão 9.170 e de 175 cv para as opções 11.180 e 13.180. Os caminhões de 9 e 11 toneladas contam com câmbio Eaton ESO-6106 de seis velocidades e o 13 toneladas com a transmissão Eaton ESO-6206 de seis velocidades. Futuramente, haverá opção de transmissão automatizada para os veículos de 9, 11 e 13 toneladas, baseada na versão manual.

Fotos | Volkswagen/Divulgação

(*) Jornalista viajou a convite da Volkswagen Caminhões.