Chamou a atenção no Salão de Genebra a grande quantidade de peruas que foram reveladas ao público. Em alta na Europa, as stations correm risco de extinção no Brasil, em parte devido aos consumidores, que têm dado preferência aos monovolumes e principalmente aos SUVs a desde a virada do século, em parte por falta de investimentos das montadoras, que quase não têm apresentado novidades no segmento.

É pena que o segmento  esteja tão abandonado por aqui, pois as peruas unem o melhor dos dois mundos: oferecem dirigibilidade e aerodinâmica de sedã, devido ao centro de gravidade menos elevado que nos monovolumes e nos SUVs, com um interior muito versátil, graças ao porta-malas amplo com grande vão de abertura e à possibilidade de rebater totalmente o banco traseiro e retirar o bagagito.

A seguir, listamos as cinco peruas que estão estreando em Genebra. Três delas (Golf Variant, Civic Tourer e Logan MCV) são derivadas de modelos que já fazem parte do mercado nacional ou que ao menos já têm desembarque confirmado, o que poderia viabilizar a comercialização por aqui. Porém, infelizmente não há previsão sobre a chegada ao Brasil, embora sempre exista a possibilidade de algum fabricante reavaliar a possibilidade de trazê-las, dadas as facilidades técnicas para fazê-lo. Confira as stations que estarão em breve nas ruas europeias, mas que talvez nunca atravessem o Atlântico:

Dacia (Renault) Logan MCV: A Logan MCV, que já existia na Europa, alinhou-se à segunda geração do modelo e ganhou um visual mais fluido, ainda que o design continue sendo mais funcional que estético. Assim como ocorre nos irmãos, o forte da perua é o espaço interno: segundo a Renault, o porta-malas comporta 573 litros, que são ampliados para 1.518 litros com os bancos rebatidos. O fabricante anuncia que os vários porta-objetos do habitáculo somam mais 16 litros de capacidade. A station da Dacia tem 4,49 metros de comprimento.

A novidade é equipada com um motor  1.2 litro aspirado, cuja potência é de 75 cv , e um 0.9 turboalimentado de 90 cv. Há também um propulsor 1.5 a diesel, de 90 cv. Apesar a aura de carro de entrada, a MCV traz vários equipamentos de segurança, como é de praxe na Europa, como controle eletrônico de estabilidade e múltiplos airbags. As vendas serão iniciadas logo após o salão.

Honda Civic Tourer: A perua da Honda é baseada na versão hatch do Civic, que é vendido na Europa e traz diferenças em relação ao sedã comercializado nas Américas, tanto no exterior, com dianteira exclusiva, quanto no interior, que tem toques mais esportivos. Por enquanto ela ainda é um conceito, mas já traz muito do modelo definitivo, que será apresentado ainda este ano, mais precisamente em setembro, durante o Salão de Frankfurt. A expectativa é de que as vendas comecem no início de 2014.

Com linhas arrojadas na carroceria, a Civic Tourer traz interior mais amplo, principalmente para as cabeças dos passageiros de trás. O porta-malas também promete mais espaço, embora a capacidade não tenha sido revelada. Sob o capô, a perua traz um motor 1.6 a diesel, capaz de render 120 cv de potência e 30,6 kgfm de torque.

Volkswagen Golf Variant: A versão perua do Golf de sétima geração foi uma das estrelas do stand da Volkswagen. Totalmente renovada, a Variant passa a utilizar a plataforma global da marca, batizada de MQB. Assim como o irmão hatch, ela mantém vários elementos de estilo das gerações passadas, como as colunas D encorpadas, embora as lanternas pela primeira vez tenham passado a invadir a tampa traseira. O porta-malas tem capacidade para nada menos que 605 litros de bagagem, ampliáveis para 2636 litros com o banco rebatido. Entre os itens de série, o modelo oferece sistema start/stop, modo de regeneração da bateria e dispositivo de frenagem automática pós-colisão.

A Variant será comercializada com motores 1.2 e 1.4 turbo, com diferentes potências, que variam de 85 cv até 140 cv. A gama também inclui propulsores 1.6 e 2.0 a diesel, que vão de 105 cv até 150 cv. Há várias opções de câmbio, que vão de manuais de cinco ou seis velocidades, passa pelo automático de seis até chegar ao automatizado de dupla embreagem DSG, também com seis marchas. Algumas versões ainda são equipadas com tração integral. Entre as peruas citadas aqui, a da Volkswagen é provavelmente a que tem mais chances de ser vendida no Brasil . Afinal, a antiga geração já está entre nós há alguns anos, com o nome Jetta, e a marca alemã já anunciou a produção da versão hatch do Golf VII no México. Porém, há de se destacar, ainda não á indício algum sobre os planos do fabricante…

Skoda Octavia Combi: Se as chances das demais peruas citadas aqui chegarem ao Brasil são baixas, as da Octavia Combi são nulas. É que a Skoda, que pertence ao Grupo Volkswagen, não tem atividades por aqui e tampouco pretende ter. De qualquer modo, a marca de origem Tcheca é popular na Europa, principalmente nos países do leste, e o Octavia é o carro-chefe da linha, A versão sedã ganhou uma nova geração, também baseada na plataforma MQB, no fim do ano passado, mas a Station só está sendo apresentada ao público em Genebra.

A Octavia Combi acomoda 610 litros em seu porta-malas. Com o banco raseiro rebatido, a capacidade salta para 1.750 litros, segundo o fabricante. Assim como a prima Golf Variant, a perua da Skoda oferece diversas configurações de motores a gasolina e a diesel, além de tração integral em algumas versões. A comercialização terá início logo depois do salão suíço.

Qoros Estate Concept A Qoros é uma marca chinesa que tem 50% de suas ações controladas pela Chery. Ao participar do Salão de Genebra, a empresa não esconde as pretensões de penetrar no mercado europeu o quanto antes. Para cumprir o objetivo, os executivos garantem um padrão de qualidade elevado, embora existam poucas informações sobre os produtos. No stand do fabricante oriental, foi revelada a perua Estate Concept, ao lado dos irmãos 3 Sedan Concept e Cross Hybrid Concept, esse último um hatch.

A perua, ainda em forma de conceito, traz assoalho traseiro plano e motores  1.2 de três cilindros e 1.6 de quatro, ambos turboalimentados, sendo que o de maior cilindrada também terá configuração aspirada. As duas opções de câmbio, manual ou automatizado de dupla embreagem, têm seis marchas. A marca ainda não esboçou qualquer movimento em direção ao país e seus planos para a América constituem uma incógnita. Porém, alguns fabricantes chineses, inclusive a Chery, foram atraídos pelo aquecimento do mercado interno e outros deverão vir futuramente, o que aumenta as possibilidades da Qoros se animar a cruzar o planeta…

Fotos | United Pictures, Dacia/Divulgação, Qoros/Divulgação e Honda/Divulgação