Desde de a apresentação do Dodge Dart em janeiro no salão de Detroit estou apurando sobre a possibilidade de o belo sedã ser comercializado ou fabricado no Brasil. Na época, a posição oficial da Chrysler era negar a chegada do modelo. Mas, como no meio automotivo uma verdade não dura 24 horas, a posição da Chrysler mudou e a marca já admite que estuda a comercialização no mercado nacional.  A vinda do Dart é sonho do diretor geral da Chrysler do Brasil, Sérgio Ferreira. Em conversa nos bastidores com os “amigos” a cada dia surgem novas informações, às vezes desencontradas. Abaixo relato um pouco do que sei sobre a “novela” Dart.

Que o modelo chegará ao Brasil pelas mãos da Chrysler não restam duvidas. Ontem, a matéria do Uol Carros deixou isso bem claro. Porém, o Dart não chegará tão rápido assim. Ele tem que ser homologado para ser vendido no Brasil e o processo ainda nem começou. Se tudo der certo, o  sedã poderá dar as caras por aqui no Salão do Automóvel de São Paulo. Nem mesmo no mercado americano o  Dart chega de imediato, já que seu lançamento está marcado para o segundo trimestre.

Ontem, também o site Carsale publicou que a Fiat estuda produzir em Pernambuco um sedã médio em vez do City Car (Projeto 344), o que não é verdade. Na realidade, a planta da Fiat no Nordeste será uma das modernas do país e lá poderão ser fabricados diversos modelos da gama Fiat, como o Autos Segredos antecipou em junho de 2011 (veja aqui). Realmente, há estudos para a produção de um sedã na nova planta, mas isso seria para 2014 e o Dart é a bola da vez. Se os estudos se confirmarem, de Pernambuco sairão o Dart como logo Dodge e também sua versão Fiat, além do City Car e outros modelos.

A Chrysler planeja aumentar sua participação no mercado nacional, e nada melhor que um produto de volume com produção local. Para isso também a marca planeja aumentar sua rede autorizada; este ano serão abertos mais 15 concessionários e os planos são dobrar a rede até 2014. Podemos esperar o que já acontece hoje com a dupla Freemont/Journey, ou seja, um modelo mais manso italiano e um nervoso pelo lado americano.

Pelos lados da Fiat alguns “amigos” dizem que já chegou uma unidade do Dart para testes e que o motor para fazer a estreia do Dart Fiat será o 1.4 16V Multiair turbo. E a chegada de uma unidade foi confirmada pelo blog Motorgerais. Já estava de olho e agora com essa novidade ficarei na cola para conseguir uma imagem e confirmar a veracidade dos fatos.

A versão Fiat do Dart teria poucas mudanças, no visual externo serão pouquíssimas mudanças e no interior alguns pequenos detalhes. Com a marca Fiat o modelo terá outro nome e não será Linea com foi especulado. Com o sedã pode-se dizer que a Fiat terá um concorrente de fato para brigar de igual para igual com os recentes lançamentos.

 

DART A dianteira conta com ampla iluminação e a agressividade se destaca. O capô desce em direção à grade, marcados por vincos, os faróis têm a parte externa ascendente. Nas laterais, junto com o para-choque, este elemento ajuda a dar “corpo” para o Dart. A coluna A segue a linha do teto com um arco e termina na curta tampa do porta-malas, dando aquela “pinta” de cupê ao sedã de cinco lugares. A linha de cintura ascendente “morre” apenas no spoiler.

Na traseira o destaque para o par de lanternas emolduradas por LEDs. O para-choque é corpulento e de sua base projetam-se dois escapes, um em cada extremidade. O Dart é a primeira cria da parceria entre a Fiat e a Chrysler. O modelo usa a plataforma alongada do Alfa Romeo Giulietta. Apesar de ter cara de Dodge, o tempero italiano acrescentou sensualidade e aerodinâmica ao compacto. O espaço interno é bom, afinal de contas é um compacto com de 4,67cm de comprimento e 2,7 de entre-eixos.

Resultado dessa parceria, o interior do modelo é sofisticado, apresenta materiais de boa qualidade e arremates bem executados, como a costuma dos bancos em couro. O painel de instrumentos fica numa tela de 7 polegadas configurável pelo usuário do carro. Então o motorista escolhe se quer os instrumentos em formato analógico ou digital. Em outros campos ele pode escolher que informação incluir, como navegação, áudio, telefone e consumo. Outra tela de 8.4 polegadas sensível ao toque, instalada no painel central, concentra os comandos de som, climatização, telefonia e navegação, que inclui informações sobre clima, preço dos combustíveis e resultados da rodada esportiva de varias modalidades.

São 3 opções de motor, todos de 4 cilindros e 16 válvulas: começando por um 2.0 com 162cv de potência e 20 kgfm de torque, outro 1.4 turbo de 162cv e 25.3kgfm; e um 2.4 com 186cv e 23.6kgfm. A transmissão também pode ser escolhida pelo comprador, que deve optar entre a manual de 6 marchas, a automatizada de dupla embreagem (disponível apenas com o motor 1.4 turbo) ou a automática de 6 velocidades.

Outro aspecto importante sobre o lançamento do Dart é que a Dodge estava fora do mercado dos compactos há 7 anos. De acordo com a marca, os compactos somaram 1,2 milhão de unidades vendidas nos Estados Unidos em 2011, nada menos que 15% do mercado. Enquanto no último ano as vendas no país cresceram 11%, o segmento dos compactos registrou aumento de 16%. Para não fazer feio, eles apostam num produto recheado de itens de Itens conforto, como direção elétrica, volante com aquecimento, sistema de áudio premium, travas da porta e ignição com o uso presencial da chave, ar-condicionado de dupla zona.

No quesito segurança, o Dart traz, não necessariamente de série, 10 airnags, câmera de ré, sensor de estacionamento, monitoramento de ponto cego, controle de tração, rolagem e estabilidade, três pontos para fixar assentos infantis, freios ABS, frenagem de emergência, zonas de deformação programadas, sistema que não deixa o carro voltar ao arrancar numa subida, sistema de monitoramento da pressão dos pneus e comando de voz para várias funções, mantendo as mão do motorista no volante.

Galeria


Fotos | Dodge/divulgação

Acompanhe também o Auto Segredos pelo Twitter