Há cerca de uma semana que a Renault divulga em algumas de suas páginas do Facebook pelo mundo ação entitulada “Batalha dos Países Renault”. Nesta ação será possível votar até 18 de março em um dos Renault Captur personalizado com a bandeira dos 12 países participantes da promoção. A unidade mais votada será produzida e exibida este ano em diversos eventos da fabricante e um de seus será sorteado para ganhar uma viagem VIP com acompanhante para o Festival de Cinema de Cannes deste ano, na França.

A grande questão é que, em meio aos países, estão Brasil, Argentina e Índia. Nestes mercados a Renault sequer confirmou se o modelo será vendido ou faz referência dele em seu site, ao contrário do que ocorre nos outros países. Futuras intenções? É o que tentamos descobrir junto ao Departamento de Marketing da Renault.

Questionada pela reportagem se a ação envolvia o Brasil por existir alguma intenção de introduzir o modelo no Brasil, ou devido a relevância da página brasileira da Renault no Facebook, a resposta foi direta: não ainda há uma posição final da Renault sobre o assunto, da futura comercialização do Captur, seja ele produzido nacionalmente, seja importado. Bate com o que foi dito por Carlos Ghosn, presidente do conselho administrativo e CEO da Renault, à revista Carro durante o Salão de Genebra, que “primeiro ele (o Captur) precisa ser lançado nos mercados europeus, mas é preciso ter em mente que ele é um modelo mundial”.

O Renault Captur é derivado da quarta geração do Clio e está sendo apresentado ao público pela primeira vez justamente no Salão de Genebra, que acontece até o próximo domingo. No entanto, desde dezembro, antes mesmo de ele ser mostrado em fotos, nossos informantes adiantam que o Captur será sim vendido no Brasil. Fala-se que virá importado – neste caso da Espanha – em meados de 2014.