Fiat X6S já circula com camuflagem zebrada na Argentina

O Fiat X6S (Argo sedã) já circula com camuflagem zebrada na cidade de Córdoba (Argentina). O leitor Marcelo Camogli flagrou duas unidades do sedã derivado do Projeto X6S que será produzido no país vizinho no fim deste ano. Gracias pela foto Marcelo.

Tamanho

O sedã como publicamos no dia 6 de julho terá entre-eixos maior que o Argo. De resto, as medidas serão próximas, e ele deverá ter 1,75 m de largura. O sedã deverá ter cerca 4,4 metros de comprimento. Já o porta-malas terá capacidade acima de 520 litros.

Nova dianteira

O Fiat X6S também terá desenho inédito na dianteira. Na realidade, o que muda são os para-choques com desenho exclusivo. Faróis e capô serão idênticos ao do Fiat Argo.

As portas traseiras terão recorte diferente em relação ao hatch. O flagra do leitor Marcelo mostra o novo corte das portas traseiras. As laterais terão os mesmos vincos do Argo.

A traseira do X6S será bem curta como a do Chevrolet Prisma. Segundo nossas apurações, as lanternas invadem a tampa traseira.

Versões

Diferentemente do Fiat Argo, o Fiat X6S não terá opção 1.0. O sedã do Projeto X6S será comercializado nas versões 1.3 Drive, 1.3 Drive GSR, 1.8 Precision e 1.8 Precision AT6. Em termos de equipamentos de série o Fiat X6S seguirá o padrão do Argo.

Motores

As versões Drive do X6S contará com o motor o 1.3 Firefly com potência de 101 cv 6.000 rpm e torque de 13,7 kgfm a 3.250 rpm rodando com gasolina e 109 cv a 6.250 rpm e torque de 14,2 kgfm a 3.500 rpm com etanol. No caso do propulsor 1.3 os câmbios serão o manual de cinco velocidades e automatizado GSR também de cinco posições.

Já as versões Precision serão equipadas com o motor 1.8 E.torQ que rende potência de 135cv a 5.750 rpm e torque de 18,8 kgfm a 3.750 rpm com gasolina no tanque. Já com etanol a potência é de 139 cv a 5.750 rpm e torque de 19,3 kgfm a 3.750 rpm. Os câmbios podem ser o manual de cinco velocidades ou o automático de seis posições.

O sistema Start&Stop será de série em todas as versões. Já os controles de tração e estabilidade serão de série somente a partir da versão 1.3 Drive GSR.

Produção argentina

O Fiat X6S será produzido na Argentina como o Autos Segredos antecipou em dezembro de 2015. Para produzir o sedã na Argentina, a Fiat está investindo US$ 650 milhões na modernização da fábrica. O novo sedã terá versões para substituir o finado Linea e também o Grand Siena.

Foto | Marcelo Camogli

Flagrou algum carro diferente, camuflado, com placas verdes (ou tudo isso) ou ainda tem alguma informação interessante e quer contribuir com o Autos Segredos? Envie para o e-mail contato@autossegredos.com.br. Ou ainda pelo nosso WhatsApp (31) 99547-4805.

  • Pedro Mello

    Devia por controle de tração e estabilidade em todas as versões.

    • Raimundo A.

      Segundo li sobre o Polo em outros sites, o ESC só será de série no TSI. Demais, opcional. Não adianta uma matéria dizer que o item em si tem valor pequeno, se o mercado, maioria dos consumidores não se importa, e para fabricante, item que custa centavos faz questão na oferta, que dirá centenas de reais?

      • Pedro Mello

        É, você não deixa de ter razão.

      • Djalma Andretta

        Verdade, se um não coloca porque o outro vai colocar e aí quem perde é o consumidor!

  • Raimundo A.

    Poderia ser maior se fosse para substituir o Línea, mas não será porque no país vizinho a Fiat deverá vender o Tipo sedã mostrado no salão.
    O X6S, portanto, não poderia ser igual em porte ao Tipo, pois a depender do mercado, teria que ficar abaixo nas medidas.
    No conjunto mecânico, o Tipo na Argentina usará o 1.6 E torQ com AT6, que seria melhor ao meu ver que o 1.3 GSR aqui até diminuindo o degrau de preço para o 1.8 AT6, sem esquecer da maior atratividade que um conversor de torque tem sobre uma transmissão automatizada.
    Porém, o 1.6 parece que foi direcionado para exportação atendendo a outros mercados. Aqui, acima dos Firefly, o 1.8 atualização v4.

    • Tommy

      Vai ficar um posicionamento esquisito, o Tipo é maior mas não tem refinamento o suficiente pra justificar escolhe-lo no lugar do X6S, o X6S não pode ter o 1.8 EtorQ AT6 porque o Tipo usará o 1.6 por lá. Um dos dois vai acabar sendo canibalizado.

      • Raimundo A.

        Acho que não terá esse problema na Argentina. O Tipo tem mais equipamentos que a Fiat não quis por no Argo, por tabela, X6S, e chamou o hatch de premium. Perante o Polo, o Argo decepciona muito, e para outros ditos premium, ao ter seis ou sete air bags, que o Punto podia ter, por exemplo, peca.
        O Tipo deverá ter sete air bags, ACC, CMM, luz diurna halógena, farol de neblina com função curva, etc, além do motor ser maior e ter o AT6.
        O X6S, penso, só será ofertado com o 1.3 manual e GSR. Perderá em itens de segurança, porte, alguns tipos de equipamentos. Será o Cobalt aqui perante o Cruze.
        Por não ter médio dedicado aqui, a Fiat poderá usar como no Argo, o 1.8, mas não se compara a oferta de itens a médios mais modernos cujo Tipo se aproxima um pouco.

        • Fábio Peres

          Tipo é um sedan grande honesto. Não interessa ao mercado brasileiro (pena…).

    • G.Alonso

      O Argo sedan deverá ter somente opção do motor 1.3 e do câmbio GSR para os hermanos. Não faria sentido um carro menor com mais motor.

    • Matafuego

      Não esqueça que no Brasil os carros são taxados pelo tamanho do motor. Colocar o 1.6 deixaria o carro mais caro e diminuiria o lucro da Fiat.

  • HugoCT

    Acho que a placa deverá ficar na tampa, como o HB20S

    • Marco

      Bem que poderia Hugo, pois deixa o desenho bem mais harmonioso. Mas segundo já foi divulgado aqui, a placa (infelizmente) será no pára-choque. O modelo à frente do flagra principal mostra bem a placa neste local. Vamos aguardar. Abçs!

  • Filipe

    Curioso a mídia dizer que o veículo terá frente “própria”, sendo que em seguida afirma que o que muda em relação ao Argo é somente um traço aqui e outro ali do para-choque.

    • Postpone

      Esse site mal corrige o português. Quiçá esse tipo de detalhe… falam que os painéis terão “materiais sensíveis ao toque”… o que seria isso? Você toca no painel e o painel reclama por ser “sensível”… é muita tosqueira.

      • Raimundo A.

        Não adianta reclamar porque a maioria aceita. Certos termos são tradução prejudicada tal qual fazem com filmes porque ao pé da letra não teria sentido para nós.
        Material sensível ao toque é aquele que ao ser pressionado, afunda um pouco, deixa por instantes a impressão da força aplicada, ou pouco áspero, etc.
        Mas e o verdadeiro automático? Já viu o falso? Automático não é sinônimo de certa tecnologia.
        Deixar erros de português não sendo muitos até vai. Pior é não saber o significado das palavras ou o texto se contradizer, válido para qualquer um.

    • Raimundo A.

      Ao pé da letra, se muda algo, é diferente. O sedã pode não ter o grau maior de diferenciação entre o Novo Palio e o Grand Siena, mas havendo mudanças sobre o Argo, mesmo poucas, o diferencia.
      Seria similar ao Tipo sedã comparado aos hatch e SW. São poucas mudanças.

  • Diego

    Já vai nascer morto se vier depois do Virtus.

    • G.Alonso

      Deve vir antes, mas, o Polo vai nascer bom já, se tiver preço vai ser difícil para os outros. Eu mesmo teria um.

      • E.V.

        Não espere por um preço menor q do Argo 1.3.

        • G.Alonso

          Espero sim.

          • Milton-GT

            Então espere sentado, porque li em outro site que o Golf 1.0 TSI mecânico que hoje custa R$ 78 mil, vai parar de ser fabricado para abrir espaço para o Polo 1.0 TSI.

    • Duh

      Com o preço camarada da Volks duvido, outra o Polo pelo jeito não vai ser mais equipado como se esperava, ESP só terá no Tsi.

    • Hater x Haters

      Kkkkkk a VW que se cuide, pois quem nascerá morto é o Polo!
      VW: entre os últimos lugares em pós-venda pela JD Power.

    • wagner

      Tenho lá minhas dúvidas, primeiro porque acredito que haverá uma diferença de preço consideravel entre os dois e ainda temos o fato de não é um segmento que tenha vendas expressivas, vide City e Cobalt. Na faixa de preço de R$75.000,00 a consumidor vai para o carro da moda, ou seja, os SUV.
      O Polo Hatch deverá vender entre 1.500/2000 carros em uma visão otimista.
      O Sedan deverá vender algo entre 700/1000 carros em uma visão otimista.

  • Rodrigo

    Que carro é aquele sedan cinza que aparece entre os 2 sedans camuflados? As linhas da porta traseira e vidros são bem parecidas, o que muda é o X6S parecer ter uma queda mais acupezada na traseira.

  • ussantos

    O ultimo carro da Fiat que me empolgou no lançamento, foi o Punto lá em 2007. De lá pra cá, nada mais, só o 500 mesmo.

    • E.V.

      Lembro da época do Stilo SP, Marea Turbo, Punto T-Jet…nesse tempo eu era fã da Fiat, mas hj…não gosto da Toro, não faz meu estilo.

      • Paulo

        os três exemplos que vc citou são (ou foram) mico e o que você não gosta é sucesso de vendas. A era dos carros estilo esportivo já foi, basta ver o quanto vende o interessante Sandero RS, quase nada.

        • Antonio

          O Sandero RS não vende por causa do motor, o defasadíssimo F4R do antigo Megane, se fosse o do Sentra/Fluence ai iria vender melhor.

          • marc

            Não vende porque não é um carro para o dia dia, imagina fazendo 5, 6 k/l no álcool, quem pode com certeza não vai de Sandero

          • ussantos

            Olha, vejo muito RS aqui no Rio. O motor F4R não é ruim como você fala e no caso do RS ele recebeu várias modificações pelo time francês da Renault Sports, ficou muito melhor do que a versão usada no Megane, que já era boa.

            Sempre critiquei a linha Sandero e Logan, mas o Sandero RS merece todo nosso respeito! Retirei o trecho abaixo dessa matéria:

            https://www.flatout.com.br/aceleramos-o-renault-sandero-rs-no-velo-citta-muito-mais-que-um-swap-de-motor-2-0/

            “Motor: trata-se do 2.0 16V F4R, um long stroke (diâmetro x curso de 82,7 mm e 93 mm) que é conhecido entre nós por equipar a versão 2.0 do Duster e o turbinado Fluence GT – mas que também está presente nos esportivos da RenaultSport, como os Clio III RS 172, 182, 197 e 200 e o recordista de Nürburgring Mégane III RS 275 Trophy, este último na variante F4Rt. Ou seja, o Sandero RS será um verdadeiro menu de degustação para preparadores, tanto em receitas aspiradas quanto turbinadas – haters, uma dica: preocupem-se. Original, estamos falando de 150 cv a 5.750 rpm (corte de giro a 6.200 rpm), 20,9 mkgf de torque a 4.000 rpm. Com gasolina, ele perde 5 cv. Taxa de compressão de 11,22:1.

            Ele sofreu algumas alterações em relação ao conjunto do Duster. O coletor de admissão recebeu dutos 20% mais largos, o ponto de captação de ar para o air box foi reposicionado, a pressão de injeção foi ampliada para 4,2 bar, os mapas da ECU foram redesenhados pela RenaultSport e o sistema de escape foi redimensionado, ganhando 5 mm extras de diâmetro e novo abafador esportivo. Um toque secreto que a RenaultSport adicionou foi um tampão de borracha removível no air box (destaque na foto abaixo), deixando o ronco mais ardido e possivelmente aumentando os ganhos de potência. As voltas que fiz no Velo Città, foram feitas com ele aberto.”

          • Paulo Lustosa

            Nada a ver, o Sandero RS não vende é porque não serve como um bom carro diário por conta do consumo, porque em matéria de preparação mecânica, o F4R sempre foi muito superior ao MR20DE, que até hoje nunca vi prepararem ele.

        • Paulo Lustosa

          O Stilo e o Punto venderam bem, o Marea que ficou com o filme queimado por um erro do manual da Fiat e os mecânicos que nunca souberam mexer nele direito, acabando fazendo cagada.

      • Raimundo A.

        Esqueça a era dos esportivos. Hoje, aqui, estão quase extintos. Só vim um 208 GTi até agora. Antigamente, era fácil ver os citados, Kadett GSi, Escort XR3, inclusive os conversíveis.

        • E.V.

          Isso é vdd. Mas eu sou das antigas e ainda gosto de esportivos. Mas só pra te contrariar, os carros mais admirados do mundo na minha opinião é de mt gente são as Ferrari, Lamborghini, Porsche, BMWs série M e outros…

    • pedro

      Foram os dois últimos Fiat que eu tive. Punto HLX e 500C MultiAir. Dois ótimos carros. O 500C até hoje me arrependo de ter vendido.

  • Claudio Abreu

    Parabéns ao hermano pela foto mas, olha… menor interesse por isso aí…

  • Pete Alves

    O Argo é um dos poucos carros em que as projeções das revistas e da internet eram mais interessantes que o carro realmente lançado. Pareciam um Tipo mais esportivo. No final veio um Mobizão. Então nenhuma expectativa com esse Grand Siena novo

  • Luiz Antônio Vieira Souza

    ARGUma coisa sedan vem ai

  • marcos

    Outra lambança com entre eixos diferente e frente diferente que já deu errado antes com Novo Uno e Gran siena. Vender mais caro ainda???? que o Argo ??
    Tem que cativar cliente com 2 modelos iguais com chassi e frente diferentes ao invés de um ótimo hatch com opção sedã como todos os outros fabricantes fazem e até a Fiat fazia pois ela que ensinou isso, lá atras, com o Fiat 147

  • Djalma Andretta

    Olhando o perfil desse carro, confesso que vi meu Polo Sedan.

    • Fábio Peres

      Parece mesmo, um “Polo Sedan” mais quadrado.

  • Debraido

    Ao conhecer o Argo pessoalmente, tive a impressão que não passa de um “novo Palio”, muito distante da imagem que o Punto criou na época do lançamento. Acredito que a impressão vá se repetir com esse também.

    • Mardem

      Exato! Também fui na css conhecer e tive a mesma impressão. Falou-se tanto em refinamento, melhor hatch premium… não achei nada disso. É um carro que não tem qualidades para ser proclamado sucessor do Punto.
      O interior é legal, mas no carro que vi, 1.3 drive, tinha rebarba no painel na junção com a coluna A. As texturas também são bem sem graça. Os forros da porta dentro são feios, de aspecto frágil (principalmente a maçaneta).
      Por fora, a traseira, apesar de genérica, é o melhor ângulo do carro. Na lateral, as portas de “popular” anulam qualquer intenção de posicioná-lo como “premium”.
      A frente, ao vivo, é bem sem graça. A relação com o horroroso Mobi se faz notar e o aspecto sofisticado que se pretendia sobe no telhado. A grade é muito sem graça, com o plástico preto de aspecto visivelmente pobre. Os faróis, apesar de não serem tão desproporcionais como os do Mobi, também são grandes demais.
      Enfim, é um carro que nasceu velho. Tem aspecto datado, apesar do interior agradável (para um popular, longe do aspecto bem cuidado visto no Punto e Bravo). Com as informações divulgadas sobre o Polo, não é difícil inferir que o Argo é inferior ao alemão, nos mesmo moldes do embate Up x Mobi. Quem sabe venda mais que o Polo, mas será simplesmente por questão de preço, não de refinamento.
      Uma pena que a Fiat esteja com produtos tão fracos no mercado. Na linha atual, só a Toro e o renascido das cinzas 500.

      • Lauro Agrizzi

        Tem gente que ainda se ilude com a VW. Por isso, por essa percepção antecipada e desprovida de dados e fatos que a dona VW coloca produtos ruins no mercado a preços de bom. Mas a maioria dos compradores já descobriram isso a muito tempo e a queda da VW nos últimos 10 anos é patente e certa. Mas sempre tem os que não enxergam a realidade.

        • Mardem

          Me baseio no que foi divulgado pela imprensa sobre o Polo. Até o momento, ele parece melhor que o Argo, algo que deve se confirmar com o lançamento. Tome o exemplo do painel que será oferecido como opcional nas versões mais caras e veja que o VW traz algo de novo ao segmento, diferente do Argo que não inova em absolutamente nada. Por isso citei o embate entre Mobi e Up, onde ocorre algo semelhante:o alemão é um carro decisivamente melhor, mas que vende menos devido ao preço. Se o teu fanatismo pela Fiat ou mesmo se o seu ódio pela VW não o permite enxergar isso, sinto muito por você e desejo melhoras.

          • wagner

            Qual o novidade que o Polo trás? Ao meu ver tudo nele já existe no mercado.

          • Luis Carlos

            Por aí.

        • Antonio

          O Polo é infinitamente superior a esse Argo a começar pela plataforma.

          • Hater x Haters

            O Polo anterior tb era superior aos concorrentes e foi um fracasso. Aliás a versão 1.0 16V não foi um mico, e sim um king kong.
            Ser um carro bom pra imprensa e entusiastas, é uma coisa. Ser um carro bom para o consumidor, é outra coisa. Quero ver se esse Polo será bom pro consumidor, pq a VW já começou mal. Na pesquisa de ontem da JD Power a VW ficou em ante-penúltimo lugar em pós-venda.

          • wagner

            Talvez melhor, o “infinitamente” deixo exclusivamente para vc.

  • EJ

    Se o Argo Precision passa de 70 mil,tenham medo do preco do sedã.

  • Willian Silva

    Fui numa CSS aqui em curitiba e tinha um Argum e um UNO lado a lado, acho que só eu que achei esse argo pequeno, não tem aquele porte que o Punto tinha na época do lançamento.
    Agora a Fiat tem um monte de modelo, ta uma bagunça, mas nenhum que me faça sonhar em ter

  • VINÍCIUS FREITAS DE SOUZA

    Off topic: “Aparentemente” Argo e Polo compartilharão o mesmo defeito: tudo de bom e interessante será nas versões mais caras.