projecao_picape_media_fiat_1Em fevereiro o Autos Segredos antecipou que a Fiat tinha planos para lançar sua picape média em outubro, caso não acontecesse mais nenhum atraso no projeto. Pelas últimas notícias que tivemos, os problemas estão sendo contornados e a marca inclusive já treina sua rede de concessionários para a chegada de seu inédito modelo. Apuramos que os concessionários que a estimativa de preços para a picape ficará na casa dos R$ 70 mil para a versão 1.8 E.torQ EVO Flex e R$ 125 mil para topo de linha equipada com o motor 2.o Turbodiesel.

projecao_picape_media_fiat_2Neste primeiro momento os colaboradores das áreas técnicas de suas revendas são treinados nas unidades do Senai. Já no mês de julho será a vez das equipes de vendas. Apesar dos treinamentos o nome do modelo ainda segue em sigilo total e a picape continua sendo chamada somente pelo codinome 226.

Além da plataforma, aa picape compartilhará toda a mecânica com o Jeep Renegade. A versão de entrada da 226 será equipada com o motor 1.8 E.torQ EVO usado pelo Renegade. Os câmbios para o E.torQ EVO serão o manual de cinco velocidades e o automático de seis, e a tração sempre será 4×2. Já as versões topo de linha ganham opção de tração 4×4 e serão equipadas com o motor 2.0 turbo diesel MultiJet II, que rende 170 cv e 35,7 kgfm de torque. Nesse caso, o câmbio será o automático de nove marchas. O motor 2.4 já usado pelo Freemont está cotado para ser usado na picape, porém, a princípio ele é destinado para outros mercados.

Nossa projeção publicada em novembro foi bastante elogiada por quem já viu o modelo final ficou impressionado com o acerto da nossa projeção publicada em novembro. O conceito exposto no Salão do Automóvel de São Paulo deu boas dicas do visual da picape, que por enquanto, é conhecida somente pelo codinome “Projeto 226”. Está na dianteira a herança do FCC4: a posição dos faróis e entradas de ar, que serão mantidas como as do conceito. Os faróis principais serão bem finos e concentram farol baixo e luzes de setas, nas extremidades. Diferentemente do conceito, a grade do modelo final será maior e contará com filetes horizontais. Os faróis auxiliares também estão nas extremidades do para-choque, ficando alinhados verticalmente com a seta e o farol principal.

Nas laterais, as linhas não estão tão ousadas como as do FCC4, mantendo a linha de cintura bem alta e os vincos bem definidos. Um deles segue por toda a lateral, começando na lanterna traseira, passando pelas maçanetas. Só que a área envidraçada será bem maior no carro definitivo, e a porta traseira, tão vertical como nas picapes maiores. Completando o visual, uma peça plástica na cor preta contornará as caixas de roda e se estenderá por toda a lateral, unindo os dois para-choques.

Na traseira, a picape contará com o mesmo sistema de abertura da tampa da caçamba. A porta se abrirá em duas partes assimétricas para os lados. A logo com tipologia da linha comercial ficará no centro da tampa e servirá como maçaneta de abertura. As lanternas não são tão futuristas, mas seguem um pouco as do fcc4. Elas invadem um pouco a tampa da caçamba e as laterais. O para-choque abrigará a placa de identificação, além das luzes de ré e de neblina.

A picape, construída em monobloco, – como a Honda Ridgeline e a futura picape Oroch, derivada do Renault Duster – terá porte das antigas Chevrolet S10 e Ford Ranger. É algo como entre-eixos de 2,80m, largura de 1,94m, altura de 1,6m e comprimento na casa dos 5m.

 Projeção | João Kleber Amaral/Especial para o Autos Segredos