vw_fusca_78_32Às vezes nem tudo sai como planejamos… Em 27 de maio de 2013, publicamos o último post do Refazendo a máquina que relata a história de recuperação de um VW Fusca 1978. Nossa ideia era publicar o fim da saga em janeiro, mas, infelizmente não deu. Peço desculpas pelo atraso. Agora um ano depois, mostramos o resultado desta jornada, que apesar de todos os problemas teve um final feliz. O Fusca 78 foi aprovado com 93% de originalidade e recebeu a sonhada placa preta. Mas, para tal feito tivemos que superar uma série de problemas.

vw_fusca_78_24Há um ano relatamos que o 78 já estava na oficina para eventuais consertos na parte mecânica. Vimos na prática o que os donos de carros antigos estão passando para ter seus possantes de novo nas ruas. Atualmente, quase nenhum mecânico quer trabalhar com carros do tipo. No meu caso, um mecânico amigo topou fazer os reparos. Entretanto, disse que não teria como se dedicar direto ao Fusca 78 e perguntou se eu toparia esperar. Topei. Resultado:  O Fusca ficou quase cinco meses na oficina.

A suspensão teve que ser toda refeita com troca de amortecedores e afins. No caso dos freios, optamos por deixar a lona nas quatro rodas, pois ficamos com medo dele não passar na vistoria do Veteran Car Clube.

vw_fusca_78_27Já o motor estava bem a primeira vista e optamos por não abrir, já que não apresentava folga nenhuma. Por isso, trocamos o volante do motor, embreagem, tampa de válvulas, todas as mangueiras, capas dos tuchos, carburador e cabos de embreagem e acelerador. As latas do motor foram recuperadas e pintadas. Feito isso o 78 saiu da oficina e começamos a rodar para trocar o restante para a vistoria do Veteran.  Porém, no dia que estávamos indo atrás do papelão do porta-malas, o 78 resolveu cuspir a vela para fora. Apesar de ter dado aperto no dia da montagem. Assim, duas semanas depois de ter saído da oficina, o 78 estava de volta. Desta vez, sua segunda estada na oficina durou apenas 15 dias.

Mandamos então o cabeçote para a retífica e notícia não foi boa: ele estava trincando e não dava recuperação. Tentamos comprar um novo, e vimos que isso é praticamente impossível de achar. Só encontra-se para o motor 1600. Partimos então para comprar um cabeçote retificado de uma recuperadora de renome em Belo Horizonte.

vw_fusca_78_1O 78 originalmente era um 1300, mas, para passar para 1500 o custo final teria o aumento somente no valor do kit. Assim, o Fusca 78 agora é um 1500 de coração.

A vistoria do 78 foi realizada em dezembro. Neste dia outros Fuscas, uma Yamaha TT 180, um Chevette 78 e uma picape GM também aguardavam para  a sonhada aprovação. Confesso que mesmo tendo feito o possível para deixar tudo em ordem, o medo dele não ser aprovado era grande.

vw_fusca_78_6A vistoria não é demorada e o responsável tem uma tabela para marcar a pontuação final. No caso do 78, o vistoriador perguntou se tínhamos refeito os forros e bancos. Respondi que sim e isso não foi nota negativa para o Fusca. Só tomamos um “puxão” de orelha por conta dos parafusos das rodas que não foram trocados. “Vocês tiveram o trabalho de reformar tudo e deixam esses parafusos feios”. De resto o Fusca 78 só perdeu pontuação por conta da instalação da ignição eletrônica.

Quem quiser conferir a saga do Refazendo a Máquina é só clicar nos links abaixo:

Refazendo a máquina – Volkswagen Fusca 1978 #parte1

Refazendo a máquina – Volkswagen Fusca 1978 #parte2

Refazendo a máquina – Volkswagen Fusca 1978 #parte3

Refazendo a máquina – Volkswagen Fusca 1978 #parte4

Refazendo a máquina – Volkswagen Fusca 1978 #parte5

[photomosaic]

Fotos | Marlos Ney Vidal/Autos Segredos