A história recente do automobilismo brasileiro é marcada por lastimáveis baixas. Em 2009, o Museu de Tecnologia da Ulbra (Universidade Luterana do Brasil) fechou as portas em Canoas, no Rio Grande do Sul. O precioso acervo, composto por cerca de 270 veículos, foi leiloado. Já em 2012, foi a vez do Autódromo de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, ser demolido para abrigar instalações das Olimpíadas de 2016. O circuito  sagrou-se como um dos maiores templos do automobilismo brasileiro, abrigando inclusive a Fórmula 1 durante as décadas de 1970 e 1980, mas agonizava desde a realização dos jogos Pan-Americanos de 2007, cujas obras mutilaram parte da pista. Na manhã de hoje, outro triste capítulo de descaso com a história nacional começou a ser escrito: o Museu Nacional do Automóvel, em Brasília, foi lacrado por decisão judicial.

O espaço permanecerá fechado por tempo indeterminado e corre sério risco de nunca mais ser reaberto. Se isso ocorrer, a perda será inestimável, pois além de ser um dos poucos espaços públicos destinados à história do automóvel no Brasil, o acervo do museu é composto, majoritariamente, por veículos de fabricação nacional.

O acervo de aproximadamente 40 veículos não é grande em volume, mas sim em importância: inclui vários automóveis raros, entre os quais um Landau e uma limusine Willys que serviram à presidência da república, além de um Willys Capeta, único no mundo, que foi exposto no Salão do Automóvel de São Paulo em 1964. Há também uma vasta biblioteca, com cerca de 6 mil títulos, entre livros e periódicos.  Simplesmente extinguir o museu é negligenciar a preservação da trajetória da indústria local, que foi implantada há aproximadamente 60 anos e tornou-se uma das maiores do mundo em volume de produção.

Os problemas com o Museu do Automóvel de Brasília começaram quando o Ministério dos Transportes, proprietário do imóvel, decidiu reavê-lo por meio de uma ação de reintegração de posse, há alguns anos, para utilizá-lo como arquivo morto de documentos e sede administrativa. O acervo teria que ser removido para outro local, ainda indefinido.

Ocorre que a transferência dos bens se revelou uma tarefa difícil e demorada. Como a mudança não foi realizada a tempo, o Ministério dos transportes acionou a Advocacia Geral da União. Apesar da existência de uma recomendação da Casa Civil para que o órgão procurasse uma decisão amigável, o juiz da  5ª. Vara Federal emitiu uma ordem para lacrar o museu. Enquanto o prédio permanecer fechado, é impossível realizar visitas. Além do mais, os automóveis e demais bens não receberão cuidados e ficarão sujeitos à degradação, ainda que permaneçam, de certa forma, protegidos dentro das instalações do imóvel.

O Museu do Nacional do Automóvel surgiu em 2004, por iniciativa de antigomobilistas capitaneados pelo advogado Roberto Nasser, atual curador do acervo. Diante da decisão da Advocacia Geral da União, Nasser escreveu uma carta ao blog Auto Entusiastas. A mesma página exibe uma petição pública, que reúne assinaturas da população com o objetivo de exigir que o museu permaneça em funcionamento. A ideia é unir a população para impedir que a história industrial do país simplesmente seja esquecida. O órgão também tem um site oficial e uma página no Facebook. Acima, segue um vídeo gravado pela UNB TV, que explica a situação.

Fotos |  Rui Vasconcelos/Reprodução do Facebook

Acompanhe também o Auto Segredos pelo Twitter

Curta o Autos Segredos no Facebook!