A mesma plataforma originou três picapes e a primeira delas que chegou no mercado brasileiro foi a Nissan Frontier. As outras duas que estão a caminho são a Renault Alaskan e a Mercedes-Benz Classe X. A Nissan Frontier vem importada do México e depois passará a ser produzida na fábrica Argentina da Nissan. É bem diferente da antiga Frontier, que era fabricada no Brasil. As mudanças vão desde o desenho da carroceria, passam pelo aumento da chassi, incluem modificações na suspensão traseira e chegam no interior, com mais espaço e capricho. O motor também mudou. Saiu o 2.5  e entrou um com 2.3, ambos diesel. Porém a potência de 190 cv segue inalterada. O destaque são os dois turbos: um de baixa pressão para respostas mais rápidas e que mantém velocidades de cruzeiro com economia, e outro, de alta para quando precisa de potência e pisa fundo. O que ficou feio e vale destaque é a mentira que a Nissan tentou emplacar ao anunciar a suspensão traseira como Multlink.  Ela sequer é independente: um rígido eixo liga as rodas traseiras. Porém, a suspensão, agora com molas helicoidais na traseira, melhorou em relação ao modelo anterior. Mas em terrenos irregulares as rodas ainda pulam muito. Assista ao vídeo!