10822117_1541340059443282_1918923732_o

Enquanto o mercado de carros novos esfria, o mercado de usados recuperou o fôlego perdido com as sucessivas reduções do IPI a cada mês que passa. Tanto, que abriu precedentes para acontecimentos curiosos como o de José Silvério, 40, químico industrial. Ele simplesmente vendeu seu carro e em menos de um mês o recomprou… Mais barato!

Morador de Caetité, na Bahia, Silvério vivia um relacionamento estável com seu Volkswagen Jetta Comfortline 11/12 automático, comprado há alguns poucos meses, até que precisou se desfazer dele para dar entrada em um imóvel. Anunciou em quatro sites e até proposta de troca em materiais comprados em leilão recebeu. Mas foi de uma revenda da cidade vizinha de Guanambi a melhor oferta: R$ 50 mil no carro com apenas 26.500 km rodados. Um bom preço amparado por alguma certeza de que haveria algum interessado. O negócio foi fechado em 5 de novembro.

Seu filho de 12 anos o ignorou por dois dias, mas José já estava conformado em passar alguns meses usando um Palio ano 1999 velho de guerra. Mas a realidade é mais dura: “O Palio estava há quase 15 dias na oficina – e ainda está lá – e vou sair de férias no inicio de dezembro, então queria um carro com ar”, conta já confessando que, mal acostumado, passava as noites procurando carros novos e usados, em especial os automáticos.

Desta busca surgiram carros como Fiat Linea, Ford Fiesta Rocam, Peugeot 307 e Kia Soul, mas foi um Volkswagen Polo sugerido por um amigo que o levou à loja onde agora estava seu antigo Jetta, que já havia retornado a Caetité. Balançado, Silvério titubeou ao cogitar financiar o carro, mas o incentivo do amigo pesou.

O filho pródigo voltou

A compra foi realizada na terça-feira, 25. Em 20 dias o Jetta colecionou mais 800km rodados e algumas máculas: um risco pequeno e profundo na lateral do para-choque traseiro, barulho metálico chato vindo da traseira – que era causado por ferramentas fora do lugar – , manual sujo e o chaveiro se foi.

Mas Silvério se sente confortável com a situação. “Conheço o carro, sei dos seus defeitos e dos seus méritos. Poderia ter comprado outro carro bem mais barato, como o Polo por exemplo, mas não saberia nada disso”, se defende ao mesmo tempo que transforma o fato do carro ser conhecido em argumento de venda.

Isso é curioso, sim, mas não mais do que o fato de que o Jetta foi recomprado por menos. R$ 48 mil reais foi o preço. Sim, R$ 2 mil mais barato! Enquanto isso, o valor de tabela ronda os R$ 52.800.

Chocado? O pior é que a única pessoa que pode sair no prejuízo nesta negociação é o próprio José Silvério. O lojista recebeu o carro numa troca que envolveu outros carros, e estes podem dar lucro muito maior, vai saber… Enquanto isso Silvério tem nas mãos um financiamento que planeja quitar o quanto antes, mas até lá correm os juros.

Foto | Arquivo pessoal

Por Henrique Rodriguez