O decreto de 15 de setembro que determinava o aumento do IPI em 30 pontos percentuais para carros com menos de 65% dos componentes nacionais livrava automóveis feitos no Brasil por empresas que cumprissem exigências como o investimento de 0,5% do faturamento líquido em pesquisa e desenvolvimento, e que ainda realizassem pelo menos seis das 11 etapas de produção em solo nacional. Hoje o governo divulgou as 18 empresas que cumprem tais exigências.

Estão isentas da alíquota diferenciada:

  • Agrale
  • Hyundai (CAOA)
  • Fiat
  • Ford
  • GM
  • Honda
  • International (caminhões)
  • Iveco (caminhões)
  • MAN (caminhões)
  • Mitsubishi
  • Mercedes-Benz (caminhões)
  • Nissan
  • Peugeot Citroën
  • Renault
  • Scania (caminhões)
  • Toyota
  • Volkswagen
  • Volvo (caminhões)

Assim, estas fabricantes pagarão alíquotas normais de IPI, entre 7% e 25%. As demais, que segundo o governo são fabricantes coreanas, chinesas e europeias de luxo, pagarão alíquotas entre 37% e 55%. Os carros importados das marcas que cumprem com os requisitos também serão taxados, com exceção aos vindos de países como México e do Mercosul. A medida dura até o final deste ano.

Foto | Volkswagen/divulgação

Acompanhe também o Auto Segredos pelo Twitter