Olá amigos publico um texto do blogueiro Henrique Rodriguez do Novidades Automotivas. Ele esteve numa revenda Chery e fez uma observação detalhada do modelo. Confiram o texto e comentem respondendo a pergunta do título da matéria.

Henrique Rodriguez/Especial para o Autos Segredos

Carros chineses estão entre nós faz pelo menos 3 anos, e cada vez suas representantes no Brasil querem uma lasquinha maior do promissor mercado brasileiro, uma delas é a Chery que desembarcou por aqui na segunda metade de 2009 com o crossover Tiggo. Custando pouco mais de 50 mil reais, ele aposta nos equipamentos para conquistar vendas.

A mesma tática de conquista será usada pelo Cielo. Com sobrenome de medalhista olímpico, ele será vendido no Brasil nas versões hatch e sedã com preços iguais para as duas versões, R$ 43.500 com pintura e frete inclusos. Ele sequer tem data definida para ser lançado, mas a maioria das 30 concessionárias da Marca no Brasil já tem o modelo em seu showroom. Em uma delas tive a oportunidade de conhecê-lo no último sábado.

Não posso negar que é um carro muito bonito, aliás, seu design é assinado pelo renomado estúdio Pininfarina. Esteticamente é um carro muito original para os padrões chineses, semelhanças existem, mas não são gritantes. Na estética, acho que o único detalhe que não combinou com o carro foram as rodas de liga-leve de 16″ com desenho um tanto simplório.O interior do Cielo é amplo e aconchegante, e se destaca pelo bom espaço para 5 passageiros e pelo console que avança em direção aos assentos traseiros como em sedãs médios. O painel com detalhes claros passa ares de requinte, mas só isso. Os plásticos são rígidos e parecem um pouco frágeis e algumas partes, embora não haja problemas nos encaixes.

Conheci a versão hatch e a sedã. No hatch que estava no showroom a manopla do câmbio estava com o acabamento rachando. Espero que um cliente que fechou a compra de um idêntico a este no qual eu estava não receba seu carro com esse problema, afinal, isso seria imperdoável para uma marca que quer se estabelecer por aqui, e até montar carros no Brasil com fábrica própria.

Na parte mecânica o Cielo parece estar bem servido. Será apenas uma motorização, o 1.6 16v à gasolina da família Acteco. Ele gera 119cv de potência e pouco menos que 15kgfm de torque. O desempenho dele é semelhante ao motor 1.6 16v da Peugeot, que tem 110cv na gasolina. Ele atinge 100km/h após 14 segundos acelerando e a velocidade máxima é 170km/h. No material que me foi repassado pela concessionária, os números são os mesmos para as duas carrocerias. O consumo médio é de 13,5 km/l.

Talvez tenha sido preguiça dos chineses medir o desempenho dos dois, afinal a diferença nas dimensões não é grande. O Cielo sedã é apenas 7,2cm maior que o hatch, que tem 4,28m, e 45kg mais pesado, com 1.375kg. Peso de sedã médio.

A lista de equipamentos de série é extensa, até porque não há opcionais. Dentre a lista de 42 itens de série, alguns são óbvios e outros fúteis, mas há os relevantes, como: Airbag duplo, freios a disco nas 4 rodas com ABS e EBD, rodas de liga leve de 16″, coluna de direção ajustável, sensor de ré, Cd player com MP3 e USB, faróis de neblina, trio elétrico, ar condicionado e até retrovisores elétricos com anti-embaçamento.Olha, se o Chery Cielo fosse de uma marca já conhecida dos brasileiros, certamente seria uma das melhores compras do segmento de sedãs compactos, ainda que a garantia oferecida pela Chery seja de 3 anos. O medo não está em ser chinês – isso é puro preconceito, pois tem muita coisa boa que vem da China – , o medo está na disponibilidade nas peças de reposição no futuro. Ainda que seja necessário ficar dependente das concessionárias, não é legal esperar dias por um filtro, por exemplo.

Fotos Henrique Rodriguez/Novidades Automotivas