Sandero-crashApós a veiculação de uma matéria sobre a insegurança dos carros comercializados no Brasil, cuja autoria é da Associated Press (veja aqui), a Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) divulgou uma nota em defesa própria. O texto da agência de notícias expunha a inferioridade dos veículos latino-americanos em comparação a seus similares, vendidos em países desenvolvidos.

No comunicado, a Anfavea afirma que os automóveis cumprem a legislação local, embora a Associated Press não tenha contestado o cumprimento das normas brasileiras de segurança veicular, e sim a rigidez das mesmas, bem menos exigentes que as de outros países.  A entidade também afirma que os carros nacionais atendem a rigorosos padrões de segurança, que seriam os mesmo adotados mundialmente, porém não explica porque os testes realizados pelo Latin NCAP obtiveram resultados tão diferentes em relação aos promovidos pelo Euro NCAP.

Por fim, a nota ressalta que os acidentes, muitas vezes, são provocados por fatores como imprudência, consumo de álcool e más condições das vias, o que é verdade, mas não justifica os resultados inferiores de deformação dos automóveis locais quando submetidos a impactos. Confira o texto da Anfavea na íntegra:

crash-kaA indústria automobilística brasileira tem uma longa experiência na produção de veículos. São quase 60 anos no aperfeiçoamento dos sistemas de fabricação e melhoria de qualidade e segurança. Lamentável, portanto, quaisquer correlações entre o número de vitimas no trânsito com os indicadores de qualidade dos veículos produzidos no Brasil.

Existem vários fatores que influenciam nos acidentes, desde condições das estradas, inabilidade dos motoristas – provocada muitas vezes pelo consumo de álcool, psicotrópicos ou mesmo cansaço excessivo – além da precariedade do estado de conservação dos próprios veículos – pneus desgastados, falta de manutenção, iluminação deficiente, afora eventuais desrespeitos à sinalização de trânsito.

A realidade é que muitos ocupantes são salvos exatamente pela boa qualidade dos veículos produzidos no País, com a adoção de todos os quesitos de segurança passiva e ativa regulamentados pelo Contran. Mais ainda: a indústria cumpre todas as prescrições de segurança regulamentadas pelos órgãos de governo e atestadas por ensaios realizados conforme procedimentos normatizados e auditáveis.

As normas e sistemas produtivos existentes no Brasil são os mesmos adotados pelos mais avançados centros produtivos. Como a maioria das plataformas são mundiais, as especificações são idênticas e os cuidados com a produção são os mesmos. Quando existem alterações, na denominada tropicalização dos produtos, são para deixar os veículos ainda mais robustos e seguros para as respectivas aplicações.

O alto estágio da engenharia automotiva nacional tem permitido que as montadoras brasileiras hoje desenvolvam modelos para os mercados mais exigentes, como tem assegurado que a qualidade construtiva dos produtos aqui feitos sejam iguais ou até melhores do que os produzidos em qualquer outro país, ressalta Luiz Moan Yabiku Junior, presidente da Anfavea.

Fotos: Latin NCAP/Divulgação