O hatch é um dos mais vendidos no país e tem como atrativos o desempenho, baixo consumo, e nota máxima em segurança. Mas há problemas. Leia o teste do Volkswagen Polo Highline
Volkswagen Polo Highline
Foto | Marlos Ney Vidal/Autos Segredos

Paulo Eduardo

Poucos carros são tão bem acertados quanto o Volkswagen Polo Highline. Prazer de dirigir na nova geração é percebido tão logo o carro entra em movimento pela calibragem da direção. Leve em manobras e com sensibilidade suficiente em alta, transmitindo ao motorista a sensação de aderência do carro. Além da excelente posição ao volante. Coluna de direção tem regulagens de altura e distância. Volante tem espessura suficiente, mas revestimento liso provoca deslizamento acidental. E diâmetro de giro grande (11,6 metros) obriga a manobrar mais em espaço limitado.

Volkswagen Polo Highline
Foto | Marlos Ney Vidal/Autos Segredos

Com etanol

Abastecido com etanol, são 12 cv a mais de potência em relação à gasolina. O torque é igual para os dois combustíveis. E as trocas de marchas no modo esportivo (S) se dão em rotação mais alta, incrementando o desempenho, principalmente na estrada. Abastecido com etanol e dirigido somente no modo esportivo tem-se a condição ideal de melhor desempenho do Volkswagen Polo Highline. Por isso, a avaliação foi feita assim.

Motor turbo

Uma das vantagens do motor turbinado é ultrapassar em menor tempo, bem mais do que o aspirado, além do baixo consumo. Na aceleração nem tanto, mas o que importa em segurança é ultrapassar rapidamente. E com etanol, esse tempo fica menor ainda. Mas como tudo tem preço, o consumo aumenta um pouco. Com a alavanca no modo D, o consumo registrado no computador foi de 14 km/h dentro dos limites previstos em lei contra 12,5 km/l no modo esportivo. Ambos na estrada.

Volkswagen Polo Highline
Foto | Marlos Ney Vidal/Autos Segredos

Marchas

As trocas são feitas de maneira suave no câmbio automático de seis marchas, ocorrendo pequeno tranco somente entre a primeira e segunda marcha. Incomoda a saída brusca da inércia. Basta soltar o pedal do freio para o Volkswagen Polo Highline ficar arisco e entrar em movimento mesmo sem pressionar o acelerador. É preciso estar atento para não cutucar o carro da frente. Trocar as marchas manualmente por meio de aletas no volante fica melhor no modo esportivo. E o ganho de 12 cv a mais com etanol é notório. Na cidade, o modo S tem menos brilho do que na estrada, aumentando o consumo com álcool. No modo D entre 7 e 8 km/l e de 6 a 7 km/l no S. Consumo depende muito da topografia do terreno. Quanto maior a pressão sobre o acelerador, mais rápido o tanque esvazia.

Comportamento

Comportamento dinâmico exemplar é outro atributo do Volkswagen Polo Highline. Contorna curvas muito bem, com tendência a sair de frente no limite de aderência quando entram em ação os controles de estabilidade e tração. Direção com ajuste fino torna excelente a dirigibilidade. Se os pneus largos de perfil baixo (50) ajudam na estabilidade, prejudicam o conforto em piso irregular, sobretudo em calçamento. Nessa situação, ruídos internos vindos do painel central aumentam. Isso é menos percebido no sedã Virtus, derivado do Polo, pela distância entre-eixos nove centímetros maior (2,56 contra 2,65 metros). Visibilidade limitada somente a de ¾ traseira, compensada pela câmera de ré e retrovisores bem dimensionados.

Volkswagen Polo Highline
Foto | Marlos Ney Vidal/Autos Segredos

Espaço interno

No mais é o Polo de sempre, com bom espaço interno também no banco traseiro, que tem saída de ar-condicionado. Assentos traseiros mais compridos apoiariam melhor as pernas. O senão é ter que abaixar um pouco a cabeça para entrar e sair. Bem menos que no Virtus. Quadro de instrumentos digital permite três configurações e está na lista de opcionais. Acabamento interno é benfeito, mas usa-se plástico duro tanto no painel central quanto na forração de porta. Há um aplique central em tom de cinza para disfarçar a sisudez do conjunto.

Leia mais: Avaliação do Fiat Argo Precision 1.8 AT6.

Freios

Freios foram muito eficientes em situação simulada de emergência. Facho de farol baixo deveria ter um pouco mais de alcance para evitar lampejar o alto ofuscando quem vem no sentido contrário. Comandos recuados na porta dificultam acionamento. Falha em ergonomia. Porta-malas de bom tamanho pode ser aberto por comando na chave ou console central. Não há comando na tampa.

Volkswagen Polo Highline
Foto | Marlos Ney Vidal/Autos Segredos

Preço

O Volkswagen Polo Highline tem estrutura de carroceria feita com aços de alta resistência, airbags laterais de dianteiros de série e baixo custo de reparação. Sistema infotainment Discover Media tem tela de oito polegadas e espelhamento de smartphone com Apple Car Play e Android Auto, navegação, que pode ser exibida em tela 10,25 polegadas, comando de voz, Bluetooth, além das entradas USB, inclusive no banco traseiro.  A versão testada tem preço sugerido de R$ 73.250, e com todos os opcionais, R$ 80.160. Sistema de frenagem automática pós-colisão, abertura e fechamento de portas sem chave, detector de fadiga, pneus de perfil 50 e rodas aro 17, entre outros, estão na lista de opcionais.

Ficha técnica Volkswagen Polo Highline

Motor
De três cilindros em linha, 999cm³ de cilindrada, turbo, flex, de 128 cv (etanol)/116 cv (gasolina) de potências máximas a 5.500 rpm e torque máximo de 20,4 kgfm (e/g) de 2.000 a 3.500 rpm

Transmissão
Tração dianteira e câmbio automático de seis marchas

Direção
Tipo pinhão e cremalheira com assistência eletromecânica; diâmetro de giro, 11,6 metros

Freios
Disco ventilado na dianteira, e sólido na traseira

Suspensão
Dianteira, independente, do tipo McPherson, barra estabilizadora; traseira, eixo de torção

Volkswagen Polo Highline
Foto | Marlos Ney Vidal/Autos Segredos

Rodas/pneus – 6,5×17”de liga leve/205/50R17

Peso – 1.147 kg

Carga útil (passageiros+ bagagem)
433 kg

Dimensões (metro)
Comprimento, 4,05; largura, 1,75; altura, 1,47; distância entre-eixos, 2,56

Volkswagen Polo Highline
Foto | Marlos Ney Vidal/Autos Segredos

Capacidades (litro)
Porta-malas, 300; tanque, 52

Desempenho
Velocidades máximas, 192 km/h (e)/187 km/h (g); aceleração até 100 km/h, 9,6 segundos (e)/10,1 segundos (g)

Consumo (km/l)
Cidade, 11,6 (g)/8 (e); estrada, 14,1 (g)/9,8 (e)

Siga nossas redes sociais