A folga acabou para os funcionários da fábrica da Renault em São José dos Pinhais, no Paraná. O Complexo Ayrton Senna, que estava com as atividades paralisadas desde o dia oito de dezembro, devido a obras de ampliação, voltou a operar nesta semana. Agora, as linhas de montagem conseguem fornecer 380 mil veículos por ano, enquanto antes a capacidade produtiva da planta era de 280 mil unidades.

As obras estão incluídas na quantia deR$ 1,5 bilhão que a Renault pretende investir no Brasil até 2015. Do montante total, R$ 500 milhões serão destinados ao Complexo Ayrton Senna. A empresa informa que cerca de 1.200 pessoas trabalharam na ampliação da planta paranaense.

O fornecimento de automóveis só será regularizado em março. Até lá, a Renault implantará um sistema de pré-vendas, para amortizar o efeito do fim dos estoques atuais nas concessionárias. Atualmente, o Complexo Ayrton Senna produz Duster, Sandero e Logan, sendo que os dois últimos ganharão uma nova geração, semelhante à que foi lançada na Europa, até o fim deste ano.

Foto | Renault/Divulgação