Recém-lançado no mercado brasileiro, o Ford Fusion 2013 é mais um modelo a aderir aos materiais sustentáveis, usados no acabamento. A Ford aproveita a chegada do sedã para anunciar a aplicação de processos mais eficientes na produção de peças da cabine, responsáveis pela economia de 2.700 litros de diesel no processo produtivo, quantidade que permite reduzir em mais de 27.000 kg as emissões de dióxido de carbono.

Tradicionalmente, as peças em plástico moldado usadas no interior dos veículos têm acabamento com tinta de alto brilho. Com o uso de um material avançado desenvolvido pela Basf, a Ford foi capaz de pular essa etapa, reduzindo custos e o impacto ambiental do processo de pintura no Novo Fusion. A economia é calculada não só pela eliminação da necessidade de aplicação do material, mas também por dispensar o transporte de peças entre os fornecedores e a fábrica, já que não é necessário utilizar uma frota de caminhões, responsável pela emissão de toneladas de dióxido de carbono.

A Ford não é a única a aderir aos materiais verdes. O Volkswagen Voyage que avaliamos recentemente (veja aqui) exibia tecido confeccionado a partir de garrafas PET recicladas. Fibras vegetais também já estão sendo usadas em alguns veículos ao redor do mundo.

Foto | Ford/Divulgação