Enfim chegaram ao Brasil as três unidades do Audi R8 GT. A série especial que se baseia no emprego de materiais mais leves e motor mais potente terá apenas 333 unidades produzidas, e todas as destinadas para o Brasil já foram vendidas por R$ 1 milhão, sendo o modelo mais caro que a Audi já vendeu por aqui.

Nesta série o bloco V10 5.2 litros teve sua potência aumentada de 525cv para 560cv (e 55,1 kgfm de torque máximo). A transmissão R-Tronic de seis velocidades  além de componentes mais leves recebeu modificações para melhorar o desempenho do superesportivo, que agora acelerando de 0 a 100 km/h em apenas 3,6 segundos, com máxima de 320 km/h.

Essa melhoria também se deu ao alívio de 100 kg, fruto do emprego de paineis de alumínio na carroceria, freios em cerâmica, bancos em fibra de vidro e carbono e para-brisa mais fino o modelo ficou 100 kg mais lev, acelerando de 0 a 100 km/h em apenas 3,6 segundos e com máxima de 320 km/h.

O design passou por várias modificações na parte externa, a maioria delas para redução de peso e produção de mais pressão aerodinâmica, sem piorar seu coeficiente de penetração ou ampliar a sua área frontal. Na traseira há aerofólio fixo em fibra de carbono, saídas de escape do motor redesenhadas, bem como o para-choque que integra maiores saídas de ar de escapamento e das rodas e dos freios traseiros. O difusor também é feito em fibra de carbono.  O interior é preto e traz detalhes nas cores cinza titânio e vermelho. O revestimento de Alcântara está nos bancos, no volante e também nas colunas do para-brisa. A Audi oferece também revestimento de couro de altíssimo padrão, além de instrumentos com fundo branco e o logotipo GT na cor vermelha. Uma estrutura reforçada de fibra de carbono também está disponível.

Fonte | Audi

Acompanhe também o Auto Segredos pelo Twitter