Um bom exemplo de carro que demorou para chegar ao Brasil é o Toyota Prius. Não é nem porque faz 15 anos que ele foi lançado como o primeiro híbrido produzido em série no mundo, mas porque ele estava prometido desde o final de 2011 e desde dezembro 20 rodam como taxi em São Paulo. Nós até já o avaliamos… Em abril passado (veja aqui).

Há algumas semanas concessionárias Toyota começaram a receber as primeiras unidades do Prius, mas só agora ele está disponível para o consumidor, por nada modestos R$ 120.830. O que você economizará com o menor consumo – e mais um pouco – você gasta no carro.

O Toyota Prius se vale de dois motores para atingir ser eficiente. Deles, a estrela é o motor elétrico que gera até 82 cavalos e 21,1 kgfm de torque. Mas há ainda o 1.8 16v VVT-I de ciclo Atkinson (com tempo de admissão maior que o de ciclo Otto, mais comum) que gera até 99 cv e 14,5 kgfm de torque. Eles são coordenados por uma transmissão CVT e juntos geram até 134 cv, pois nenhum dos dois motores trabalham em potência máxima juntos.

O motor elétrico é alimentado por bateria, que por sua vez é recarregada pelos freios regenerativos do modelo ou por um gerador ligado ao motor à gasolina, sem depender de carga externa.

A bateria não necessita de manutenção nem de troca periódica, e sistemas como como compressor do ar-condicionado, bomba d’água e direção são elétricos, tirando do motor 1.8 a esta obrigação, trabalhando mais “leve”. Quem tira o Prius da inércia é o motor elétrico. O motor térmico só entra em operação a partir dos 40 km/h, o que também lhe garante menos desgaste.

O veículo oferece quatro modos de condução, inclusive um apenas elétrico. No normal, a fonte propulsora se alterna conforme as condições de dirigibilidade. Tem ainda o modo econômico e o Power, que prioriza ultrapassagens e retomadas. O motorista é informado o tempo todo sobre consumo e qual fonte de energia está sendo usada, entre outros itens, por meio do painel digital. Segundo os testes de eficiência do Inmetro o Prius consegue rodar 15,7 km com um litro de gasolina na cidade e 14,3 km na estrada.

Entre os equipamentos destacam-se: bancos e volante revestidos de material sintético ecológico, banco do motorista com regulagem elétrica, pilotot automático, sistema de com com MP3, WMA e Bluettoth com tela de LCD que exibe imagens da câmera de ré, travas e vidros elétricos, controle de tração (TSC), controle de estabilidade (VSC), freios ABS com EBD e sete airbags.

Veja também:

Fotos | Marlos Ney Vidal/Autos Segredos