A subsidiária argentina da Chevrolet enviou um comunicado à imprensa local confirmando a chegada do jipinho conhecido mundialmente como Trax. A marca aproveitou para oficializar que, por lá, ele se chamará Tracker, mesmo nome a ser adotado no Brasil, conforme o Autos Segredos antecipou com exclusividade (veja aqui).

O fabricante não informou se as unidades comercializadas na Argentina serão importadas da Coreia do Sul ou do México. Também não há detalhes sobre equipamentos ou motorização, embora o motor mais cotado para impulsionar o Tracker na América do Sul seja o Ecotec 1.8 16V do Cruze.

A Chevrolet ainda não se manifestou sobre a chegada do Tracker às terras tupiniquins. Porém, nossos amigos sempre afirmaram que o jipinho chegaria, posição que começa a ser sustentada por alguns indícios. O primeiro deles é o própria troca de identidade: segundo o Argentina Autoblog, foi a subsidiária Brasileira pediu a mudança do nome Trax, que por aqui lembraria T-Rax, uma droga alucinógena. Medida semelhante foi tomada na Rússia, devido à semelhança da palavra Trax com trakh, um termo de conotação sexual.

Outro forte indício sobre a vinda do Tracker ocorreu no Salão de Detroit. Durante a mostra, a Chevrolet montou um painel que indicava a comercialização do Tracker em alguns países, incluindo Brasil e Argentina (veja aqui). Quando a peça virou notícia, a empresa optou por retirá-la, alegando que se tratava de um engano (veja aqui). Agora, com a confirmação do modelo para o mercado hermano, o erro do evento norte-americano parece estar se acertando.

Foto | Chevrolet/Divulgação