O IVECO BUS Daily Life é um conceito que permite ao motorista embarcar e desembarcar sentado no seu assento. Segundo a marca, o modelo abre um mercado de trabalho até então inatingível para pessoas com deficiência física ou limitação de movimentos.

IVECO BUS Daily Life

O conceito usa a base da linha Daily Minibus e incorpora um dispositivo de poltrona móvel, desenvolvido pela empresa Elevittá. A tecnologia projeta a poltrona do motorista do lado de fora do veículo e retorna para a posição em frente à direção. O projeto ainda contou com a participação da empresa Kivi Brasil.

IVECO

O IVECO Daily Life é produzido no complexo industrial da IVECO em Sete Lagoas (MG). O modelo tem capacidade para 18 lugares incluindo até três passageiros com mobilidade reduzida, além do motorista que também pode ser cadeirante.

“Esse é um veículo que realmente qualquer um pode dirigir. Um conjunto confiável, que proporciona rentabilidade ao operador, e componentes que promovem inclusão de passageiros e motoristas, essa é a receita para nos posicionarmos entre os principais players do setor no país”, afirma Gustavo Serizawa, gerente de Marketing da IVECO BUS.

Motor

O IVECO Daily Life é equipado com o motor F1C da FPT Industrial. O propulsor 3.0 16V tem quatro cilindros em linha, turbo de duplo estágio, injeção eletrônica do tipo Common Rail e desenvolve 170 cv de potência máxima a 3.500 rpm e está disponível com duas variações de torque máximo: 40,78 kgfm a 1.250 rpm e 45,88 kgfm a 1.400 rpm, este último nos micro-ônibus.

Fotos | IVECO BUS/Divulgação

  • Maycon Farias

    Muito bom. Quanto mais acessibilidade para todos Melhor!

  • Ilbirs

    Por ora a Iveco Bus nem de longe tem a relevância que tem na Europa, mas são desafios normais para um fabricante que por ora tenta se estabelecer em um segmento. A saída de apelar para o transporte de deficientes é uma das beiradas pela qual o fabricante vem comendo, a outra sendo os chassis de micro-ônibus e o 170S28 servindo para o resto, havendo inclusive ações de marketing esportivo.
    Ainda vai ser necessário que a Iveco desenvolva chassis com motor central ou traseiro, pois isso daria acesso ao maior mercado municipal de ônibus do planeta, a cidade de São Paulo (maior frota de ônibus do mundo segundo o Guinness). Aqui o problema é justamente desenvolver um chassi encarroçável, pois na Europa existem esses produtos, mas têm carrocerias próprias da Iveco Bus, pelo que sei monoblocos:

    http://www.iveco.com/common/publishingimages/iveco-bus-update/canvas/iveco_bus_diesel.jpg

    http://www.iveco.com/ivecobus/en-us/publishingimages/bus/canvas/urbani_crealis.jpg

    Como aqui no Brasil até a Mercedes já viu que a indústria encarroçadora chegou a um ponto em que faz coisa melhor do que seria feita pelo fabricante, o desafio seria desenvolver um chassi que atendesse àquilo que o brasileiro quer, ainda mais que por aqui também os coletivos levam mais gente do que na Europa. Algumas coisas boas do ônibus europeu poderiam ser aproveitadas por aqui, como o piso ultrabaixo e os elementos mecânicos móveis para facilitação de serviços mecânicos, enquanto outras teriam de ser projetadas aqui. Talvez a forma mais simples fosse fazer o chassi de tipo buggy justamente por esse permitir transplantar muita coisa já desenvolvida na Europa e apenas aplicá-las a um tipo de construção que na prática são dois subchassis agregados a uma estrutura posterior que precisa ser forte o suficiente para segurar o alongamento inevitável:

    http://www.lexicarbrasil.com.br/wp-content/uploads/2015/10/volksc17.jpg

    http://www.divena.com.br/images/galeria/c282eb08bcaa921c01457b3541e3e80f.jpg

    http://www.lexicarbrasil.com.br/wp-content/uploads/2015/08/tutto9.jpg

  • Daniel

    Esse Iveco tem cambio automático?
    Pois, se tem uma coisa que faz falta é van automatica!