Marlos Ney Vidal (*)
Bento Gonçalves (RS) 

Depois de renovar sua linha nos segmentos superiores (Cruze, Cobalt, S10, Sonic, Spin) a Chevrolet guardou para o fim do ano sua cartada para movimentar a categoria mais representativa no mercado brasileiro. Com o Onix a marca conta com um produto que tem tudo para não ser um mero coadjuvante no segmento de modelos compactos (entrada). O hatch será comercializado nas versões LS e LT 1.0 e LT e LTZ 1.4 com opção de câmbio manual de cinco marchas, já o câmbio automático estará disponível para motor 1.4 no segundo trimestre de 2013.

Para fabricar o modelo a marca modernizou a planta gaúcha de Gravataí e estima vender 12 mil unidades mensais do Onix, que divide a planta com a produção do veterano Celta (2P e 4P) e, a partir de janeiro, com o novo Prisma que nada mais é que a versão sedã do novo hatch compacto.

O Onix chega com preços agressivos, que vão de R$ 29.990 para a versão LS 1.0 e chegam a R$ 41.990 para a topa de linha LTZ 1.4. A garantia total de três anos é outro ponto positivo.

O Onix tem desenho bem esportivo e agressivo, com linhas que causam grande impacto a primeira vista. A frente mantém a grade bipartida, já os faróis não seguem o desenho dos últimos lançamentos da marca o que é um ponto positivo para o hatch. Os faróis são faróis afilados e acompanham o contorno da lateral.

O capô é bem curto, e isso deixa o vidro dianteiro com um ângulo mais agudo, proporcionando mais espaço interno para os ocupantes da frente.

O Onix tem linha de cintura alta e suas laterais são marcadas por fortes vincos, sendo que um acompanha toda a lateral ligando os faróis às lanternas.

Já a traseira tem a tampa levemente arqueada e arredondada. Apesar de o vidro traseiro ser pequeno a visibilidade traseira não é ruim. A tampa tem ainda aerofólio integrado.

INTERIOR  O acabamento interno do Onix está na média dos concorrentes atuais. As linhas seguem o desenho de duplo Cockpit. Os materiais usados são de boa qualidade e são poucos os pontos que as rebarbas de plástico aparecem. O quadro de instrumentos que mescla mostradores analógico e digital é de fácil visualização. A iluminação é de LEDs na configuração Ice Blue. O volante conta com regulagem de altura, porém, mesmo sendo o mesmo do Cruze e já usado em outros modelos, a marca pecou no detalhe de não oferecer os comandos para controle de som, computador de bordo, telefone. Questionada a marca diz que futuramente os comando possam ser oferecidos.

Os forros das portas tem desenho jovial e seguem o padrão de acabamento do painel. Mas, o puxador as portas dianteiras está mal posicionado forçando certo contorcionismo dos braços para se abrir e fechar as portas.

Os bancos dianteiros tratam bem seus ocupantes e tem abas laterais que seguram o corpo dos passageiros. O do motorista ainda tem regulagem de altura manual. No banco traseiro o assento poderia apoiar mais as pernas, mas, nada que comprometa o conforto. Os ocupantes das extremidades contam com cintos de segurança de três pontos e apoios de cabeça, já o passageiro do meio fica desprovido de segurança, já que o cinto é abdominal e não há o apoio de cabeça.

O Onix tem 2.53m de entre-eixos e mesmo não tendo as medidas avantajadas dos irmãos Cobalt e Spin os ocupantes do banco traseiro ainda viajam com conforto.

MY LINK Uma das grandes sacadas para atingir o público jovem é o sistema multimídia MyLink. O equipamento permite ao cliente trazer suas músicas, fotos, vídeos e aplicativos do celular para dentro do veículo, além de fazer ligações telefônicas via Bluetooth por meio da tecnologia HFT (Hands Free Telephone), e permitir ao usuário configurar algumas funções do veículo de acordo com as suas preferências.

A tela de 7 polegadas de LCD touch screen permite fácil acesso ao sistema que tem navegação bem intuitiva. Através do sistema o usuário pode controlar algumas configurações funcionais do carro, como avisos sonoros de faróis ligados, acionamento do limpador traseiro, travamento automático das portas, entre outros. O cliente ainda pode distribuir o som ambiente do rádio de forma independente em cada uma das caixas de som das quatro portas, além da importação de demais informações tradicionais do celular como, agenda de contatos e histórico de chamadas. À parte de todas estas funcionalidades, o sistema executa funções tradicionais de rádio AM/FM com leitor de áudio para arquivos MP3/WMA.

O MyLink é oferecido de série na versão LTZ e como opcional na LT e inicialmente estará disponível com o aplicativo Stitcher. Futuramente outros aplicativos serão disponibilizados para o sistema.

MOTORES O Onix também marca a estreia dos motores SPE/4 (Smart Performance Economy 4 cylinders) que conta com versões 1.0 e 1.4 Flex Fuel. O novo propulsor funciona por meio de um sistema de injeção sequencial com ignição independente por cilindro. São quatro no total, cada qual alimentado por uma bobina individual da mesma classe das utilizadas no Chevrolet Camaro, o que resulta em menos trabalho ao motor e redução no desperdício da energia por ele gerado. E os números comprovam isso.

O motor 1.0 do Onix rende 80 cavalos quando abastecido a etanol e 78 cavalos com gasolina, ambas a 6.400 rpm. O torque máximo, com etanol, é de 9.8kgfm a partir de 5.200 rpm, e 9.5kgfm quando alimentado a gasolina, na mesma faixa de rotação. O Onix vai de 0 a 100km/h em 13,3s (etanol) e 13,7s (gasolina), atingindo a velocidade máxima de 167km/h e 162km/h, respectivamente.

Já o 1.4 entrega 106 cavalos quando abastecido a etanol e 98 cavalos a gasolina, ambas a 6000 rpm. O torque máximo, com etanol, é de 13.9 kgfm a partir de 4800 rpm e 12.9 quando alimentado a gasolina, com mesma rotação. Abastecido com etanol, o Onix vai de 0 a 100km/h 10,1s podendo atingir até 180km/h. Com gasolina, o desempenho é de 10.6s entre 0 e 100km/h e velocidade máxima também de 180km/h.

ANDANDO No primeiro trecho do teste drive seguimos de Porto Alegre a cidade de Bento Gonçalves. Nesse percurso dividi a direção com mais dois colegas a bordo de um Onix LTZ 1.4. O percurso era muito travado e na maior parte do tempo éramos obrigados a conduzir a 80km/h. Assim na parte que dirigi o hatch o motor não pode ser muito exigido. Mesmo assim percebe-se que o motor SPE/4 tem bom fôlego para empurrar o modelo. O câmbio  tem relações longas para privilegiar o consumo, particularmente prefiro câmbios de relações mais curtas que deixam a condução mais ágil.

No trajeto de volta optamos por guiar o Onix LT 1.0 e assim como o 1.4 o motor 1.0 SPE/4 surpreende positivamente. É claro que não há mágica, nas subidas e em ultrapassagens falta torque. Um ponto positivo para o hatch são as relações de marcha mais curtas que deixam o hatch mais esperto.

Uma mudança significativa são que ambos os motores estão bem mais silenciosos que os atuais 1.0 VHCE e 1.4 EconoFlex.

Vale lembrar que a marca encerra o ano de 2012  com a apresentação da TrailBlazer e abrirá o ano de 2013 com o lançamento do novo Prisma ou Onix Sedan fechando assim uma das maiores renovações de produtos jamais vista no país.

Ficha técnica
Chevrolet Onix
  • Motor 1.0: Flex, dianteiro, transversal, 999 cm³, quatro cilindros em linha, duas válvulas por cilindro e comando simples no cabeçote. Injeção multiponto sequencial e acelerador eletrônico.
  • Potência máxima: 80 e 78 cv a 6.400 rpm com etanol e gasolina.
  • Torque máximo: 9,8 e 9,5 kgfm a 5.200 rpm com etanol e gasolina.
  • Aceleração de 0 a 100 km/h: 13,3 e 13,7 segundos com etanol e gasolina.
  • Velocidade máxima: 167 e 162 km/h com etanol e gasolina.
  • Diâmetro e curso: 71,1 mm X 62,9 mm. Taxa de compressão: 12,6:1.
  • Pneus: 175/70 R14 (LS) e 185/70 R14 (LT).
  • Peso: 1.012 kg.
  • Motor 1.4: Flex, dianteiro, transversal, 1.389 cm³, quatro cilindros em linha, duas válvulas por cilindro e comando simples no cabeçote. Injeção multiponto sequencial e acelerador eletrônico.
  • Potência máxima: 106 e 98 cv a 6 mil rpm com etanol e gasolina.
  • Torque máximo: 13,9 e 12,9 kgfm a 4.800 rpm com etanol e gasolina.
  • Aceleração de 0 a 100 km/h: 10,0 e 10,6 segundos com etanol e gasolina.
  • Velocidade máxima: 180 km/h com etanol e gasolina.
  • Diâmetro e curso: 77,6 mm X 73,4 mm. Taxa de compressão: 12,4:1.
  • Pneus: 185/65 R15 (LT e LTZ).
  • Peso: 1.018 kg.
  • Transmissão: Câmbio manual com cinco marchas à frente e uma a ré. Tração dianteira.
  • Suspensão: Dianteira independente do tipo McPherson, com molas helicoidais com carga lateral, amortecedores telescópicos e barra estabilizadora. Traseira semi-independente com eixo de torção, molas helicoidais e amortecedores telescópicos hidráulicos.
  • Freios: Discos na frente e tambor atrás. ABS de série.
  • Carroceria: Hatch em monobloco com quatro portas e cinco lugares. Com 3,93 metros de comprimento, 1,70 m de largura, 1,48 m de altura e 2,52 m de distância entre-eixos. Oferece airbag duplo de série.
  • Capacidade do porta-malas: 280 litros.
  • Tanque de combustível: 54 litros.
  • Produção: Gravataí, Rio Grande do Sul.

PREÇOS
Chevrolet Onix 2013

LS 1.0

  • Duplo Airbags, freios ABS, direção hidráulica, banco do motorista com ajuste de altura, rodas de aço aro 14 polegadas e coluna de direção com ajuste de altura. R$ 29.990


LT

  • 1.0R7F => LS + Alarme, travas e vidros elétricos e chave canivete – R$ 31.690
  • R7G 1.0 => LT + Sistema multimídia com navegador MyLink – R$ 32.890
  • R7H 1.0 => LT + Ar condicionado – R$ 33.790
  • R7I 1.0 => R7G + Ar condicionado – R$ 34.990

LT 1.4

  • R7K => R7F + Rodas de aro 15 polegadas, faróis com máscara negra e adesivo preto na coluna B – R$ 35.290
  • R7L => R7K + MyLink – R$ 36.490
  • R7M => R7K + Ar-condicionado – R$ 37.290
  • R7N => R7K + MyLink, Ar condicionado – R$ 38.490

LTZ 1.4

  • => Todos os itens anteriores + faróis de neblina, retrovisores elétricos e computador de bordo – R$ 41.990

(*) Jornalista viajou à convite da Chevrolet

Fotos | Marlos Ney Vidal/Autos Segredos e Fábio Gonzalez/Chevrolet/divulgação (unidade vermelha)
Vídeo | Chevrolet/divulgação

Acompanhe também o Auto Segredos pelo Twitter

Curta o Autos Segredos no Facebook!