Teste do Volkswagen Gol Ecomotion 1.0 G4

Na onda de modelos menos poluentes e mais ecônomicos a Volkswagen lançou no começo deste o Gol Ecomotion. O modelo da geração antiga do líder de mercado passou por algumas alterações para fica mais econômico. Para isso ele traz indicador semelhante ao Econômetro da Fiat no painel, que promete poupar até 10% de combustível, além de pneus 165/70 aro 13 de menor resistência ao rolamento e relações de marchas 6,8% mais longas. De resto é o velho e bom Gol que com seus pontos negativos e positivos. Confira o teste do modelo.

VÃO DO MOTOR O acesso à manutenção é ótimo, favorecido pela ultrapassada posição longitudinal de montagem do motopropulsor. O vão é totalmente desprovido de material isolante acústico, e o resultado em insonorização é compatível para esta versão no seu segmento de mercado. O capô tem bom ângulo de abertura e os itens de verificação permanente, fácil visualização e manuseio. POSITIVO

Teste com o Volkswagen Gol Ecomotion G4

VEDAÇÃO Boa contra água e poeira. POSITIVO

ALTURA DO SOLO Não tem de série chapa protetora em aço para o cárter. Não ocorreram interferências com o solo no percurso misto de provas. POSITIVO

CLIMATIZAÇÃO O veículo em prova não estava dotado de ar-condicionado. Há ventilação interna forçada com quatro velocidades da caixa de ar com vazão satisfatória pelos difusores de ar do painel, que tem formato circular e o corpo gira 360º. A rumorosidade de funcionamento é aceitável e tem ar quente. POSITIVO

FREIOS O pedal de freio tem boa sensibilidade, sem ser imediato demais. O conjunto no eixo dianteiro e traseiro apresentou um bom comportamento dinâmico em função da massa do veículo (853kg em ordem de marcha) e rendimento do motor. As reações foram equilibradas e a desaceleração satisfaz pela manutenção da trajetória e espaço percorrido até a imobilização. Não tem ABS e o freio de estacionamento atuou normalmente. POSITIVO

Teste do Volkswagen Gol Ecomotion G4

MOTOR A sua potência e torque gerados satisfazem bem na condução do veículo no uso urbano e em rodovias. Apresentou boa aceleração e retomadas de velocidade para sua cilindrada (veículo sem ar-condicionado e direção hidráulica). O sistema flex atuou normalmente e tem mínimo ganho no rendimento com somente álcool no tanque. Mesmo com o torque máximo atuando em alta rotação (4.250rpm), apesar da arquitetura do cabeçote com 8V, a sua dirigibilidade é satisfatória a baixo regime de rotação. A rumorosidade de funcionamento é aceitável. POSITIVO

CÂMBIO A qualidade de engate é boa em precisão, maciez, curso e posicionamento da alavanca, além de boa pega no pomo. As relações de marchas/diferencial atendem bem a dirigibilidade no uso misto. É baixa a rumorosidade de funcionamento do trambulador. POSITIVO

ACABAMENTO DA CARROCERIA
A pintura tem bom acabamento. As portas estão descentralizadas em relação à carroceria, com folgas fixas diferentes entre os dois lados e desniveladas. O capô e a tampa traseira estão descentralizados. REGULAR

SUSPENSÃO A estabilidade é razoável, com boa precisão no contorno de curvas de raios variados. Numa condução esportiva o trem dianteiro tem resposta e comportamento dinâmico diferente do traseiro devido à calibragem especificada dos pneus com 39 libras na dianteira e 32 libras na traseira com somente condutor. O conforto de marcha não é bom para um hatch leve com esta motorização. As suspensões são ásperas, e é significativa a transferência das imperfeições do solo para dentro, trazendo desconforto. A pressão dos pneus especiais ecológicos homologados não contribui para o conforto. REGULAR

DIREÇÃO A coluna de direção é fixa e descentralizada para a esquerda, mas o volante tem boa pega. Não tem assistência hidráulica, mas o esforço em manobras de estacionamento tem pequeno ganho devido à alta pressão dos pneus dianteiros, além de serem novos no carro em prova. A geometria das suspensões parece que foi alterada, visando a melhorar o atrito dos pneus com o solo. O diâmetro de giro satisfaz, assim como a velocidade do efeito/retorno. Para obter o resultado dessa versão Ecomotion, os pneus de uso são especiais e não são citados no manual do proprietário para futura reposição (além de um custo mais elevado) e obrigatoriedade do seu uso, para esta versão. REGULAR

Teste com o Volkswagen Gol Ecomotion G4

ILUMINAÇÃO Não há luz de cortesia. Os faróis com refletor único têm eficiência normal no baixo e no alto, e não há auxilio de faróis de neblina nem ajuste elétrico de altura do facho em função da carga transportada. No habitáculo há uma lanterna simples na zona anterior do teto com resultado aceitável para proposta dessa versão. O quadro de instrumentos, console central e interruptores elétricos têm boa identificação noturna. O display com o econômetro instalado no centro do quadro de instrumentos dificulta a leitura. REGULAR

LIMPADOR DO PARA-BRISA Ao esguichar água no para-brisa o sistema de varredura é automático, mas as palhetas não apresentaram boa qualidade, deixando parte da área limpa frisada. No vidro traseiro o esguicho único de baixo para cima tem boa vazão e pressão, mas o perfil da palheta não consegue limpar a área logo abaixo da terceira luz de freio. É fácil a reposição d’água no reservatório instalado dentro do vão motor. REGULAR

ESTEPE/MACACO O estepe está instalado dentro do porta-malas no fundo do assoalho. A roda em aço é igual às de uso, mas os pneus, que têm as mesmas medidas, 165/70 R13, e desenho, não são do tipo “Ecopla”, contrariando a conformidade do modelo Ecomotion, no caso de uma utilização. Deve-se observar o desgaste dos pneus dianteiros, com a pressão estabelecida pela fábrica. As calotas integrais são fixadas no aro pelos próprios parafusos, o que inibe o furto. A operação de troca é normal. No manual do proprietário não é mencionada a diferença de construção e confecção do pneu reserva em relação aos de uso. REGULAR

ALARME A chave de ignição é codificada, mas não há proteção perimétrica das partes móveis, nem a volumétrica dentro do habitáculo. REGULAR

Teste do Volkswagen Gol Ecomotion G4

NÍVEL INTERNO DE RUÍDOS O efeito aerodinâmico inicia-se a 100km/h e é crescente com a velocidade. Ao trafegar sobre piso de calçamento, terra com costelas e asfalto em má conservação, surgem vários ruídos no habitáculo. NEGATIVO

VOLUME DO PORTA-MALAS O declarado pela fábrica é de 285 litros, o mesmo encontrado na nossa medição com a tampa do bagagito fechada e o banco traseiro na posição normal.

Teste do Volkswagen Gol Ecomotion 1.0 G4

(*) O autor do texto é engenheiro formado pela PUC Minas. Para contatos danielribeirofilho@hotmail.com. (veja aqui o perfil profissional do Daniel)

Fotos Ricardo Hirae/Volkswagen/Divulgação

Acompanhe também o Auto Segredos pelo Twitter

Confira todos os detalhes no site do Melhor Carro do Brasil: www.omelhorcarrodobrasil.com.br não deixe de participar, o resultado será divulgado no dia 15 de dezembro!