Câmbio CVT, controles de estabilidade e tração, e assistente de partida em rampa são as novidades do Renault Duster 1.6 CVT, que se destaca no espaço interno, mas SUV francês precisa evoluir em alguns quesitos

Renault Duster 1.6 CVT
Foto | Marlos Ney Vidal/Autos Segredos

Por Paulo Eduardo

O adesivo fixado na parte externa do parassol não deixa dúvida, o Renault Duster 1.6 CVT pode capotar se houver abuso nas curvas devido à grande altura em relação ao solo mesmo equipado com controle eletrônico de estabilidade e de tração na linha 2018. Carroceria inclina bastante nas curvas. Grande altura do solo (21 cm) e bons ângulos de ataque e saída contribuem para bom desempenho em caminhos ruins. Outra novidade é o assistente de partida em rampa, além do câmbio CVT de infinitas relações de transmissão. Motor é 1.6 da Nissan de segunda geração com comandos variáveis nas válvulas de admissão e de escape. Usa corrente em vez de correia de distribuição. Totalmente de alumínio é 30 quilos mais leve que o anterior, segundo o fabricante.

Renault Duster 1.6 CVT
Foto | Marlos Ney Vidal/Autos Segredos

Linhas

 Linhas do Renault Duster 1.6 CVT evocam robustez e o carro é parrudo, mas trata-se um projeto mais simples com fixação aparente do capô com a carroceria e folgas maiores entre as partes móveis (capô, portas, tampa traseira). Plástico duro predomina no interior com encaixes benfeitos e aparência pouco convincente. Precisa evoluir em muitos quesitos, pois o preço supera R$ 80 mil. Difícil aceitar o obsoleto tanquinho de partida a frio que exige verificação constante para não ressecar e trincar se permanecer muito tempo vazio.

Direção

Direção eletro-hidráulica tem a vantagem de não tirar potência do motor, mas exige manutenção e é pesada em manobra. Ouve-se dentro do carro o zunido constante do motor elétrico acionamento o mecanismo hidráulico. Melhor seria se a assistência fosse totalmente elétrica. Há pouca sensibilidade em alta e a regulagem da coluna é apenas em altura. Além disso, o mecanismo de acionamento não tem amortecimento e cai pesadamente até a posição mais baixa. Falta refinamento. Em compensação, o diâmetro de giro de 10,7 metros permite manobras mais fáceis em espaço reduzido. O Renault Duster 1.6 CVT tem comprimento de hatch médio, apesar do aspecto parrudo em largura e altura.

Renault Duster 1.6 CVT
Foto | Marlos Ney Vidal/Autos Segredos

Bancos

Assentos são curtos nos bancos dianteiros e traseiro, e não há apoio devido para pernas, causando desconforto em viagens longas. A forração em couro sintético bicolor, chamado de napa em outros tempos, incrementa o visual no habitáculo. Entretanto, não permite transpiração exigindo ligar o ar-condicionado em dias de calor não muito forte. É o único opcional do Renault Duster 1.6 CVTna versão Dynamique, e custa R$ 1.700.

Espaço interno

Espaço interno avantajado, com acesso fácil para entrar e sair, e porta-malas de 500 litros de capacidade são o melhor do Renault Duster 1.6 CVT. Pega central da tampa do porta-malas facilita fechamento para destros e canhotos. O estepe fica sob o porta-malas, exige esforço para ser retirado e está quase sempre sujo. Um das poucas falhas em ergonomia, que é boa, com a maioria dos comandos ao alcance do motorista. Comandos dos vidros elétricos têm um toque para abrir e fechar em todas as portas, e ficam sobre a caixa do alto-falante fixada no painel da porta. Não raramente o motorista esbarra a perna ali.

Painel

Quadro de instrumentos é legível, mas falta indicador de temperatura do motor. Tela do sistema multimídia Media Nav fica bem posicionada no centro do painel. Nele estão contidos rádio, telefone, GPS e o desempenho do motorista ao volante. Controle de velocidade é o único comando no volante, facilitando a ergonomia. Porém, revestimento liso do volante permite deslize acidental. Comandos do rádio ficam em unidade satélite de fácil acesso.

Renault Duster 1.6 CVT
Foto | Marlos Ney Vidal/Autos Segredos

Siga nossas redes sociais

Freios param em espaço razoável os 1.240 quilos dessa versão. Faróis com facho baixo de bom alcance iluminam bem. Incomodam o ruído do motor do limpador do para-brisa e as palhetas muito simples nesta faixa de preço.

Motor 1.6

Mesmo equipado com motor 1.6, o Renault Duster 1.6 CVT gosta de frequentar posto de combustíveis. Computador de bordo registrou média de 6,3 km/l com gasolina na cidade e 12 km/l na estrada. O modo de direção driving Eco acionado por meio de tecla na parte inferior do painel troca as marchas em rotações mais baixas para diminuir consumo. É desativado momentaneamente com o acelerador totalmente pressionado, voltando ao normal em seguida. O desempenho não é o melhor dos mundos, mas o Duster não faz feio. Faz-se necessário ser precavido na ultrapassagem pelo maior tempo para realizá-la.

Renault Duster 1.6 CVT
Foto | Marlos Ney Vidal/Autos Segredos

Transmissão

O câmbio CVT, de infinitas relações de transmissão, não responde imediatamente. Hesita um pouco em rotações mais altas. São seis marchas marcadas para os que gostam de trocá-las. A diferença de potência entre álcool e gasolina é de apenas dois cv. O torque declarado (16,2 kgfm) é o mesmo para álcool e gasolina.

Renault Duster 1.6 CVT
Foto | Marlos Ney Vidal/Autos Segredos

Suspensão

Calibragem da suspensão do Renault Duster 1.6 CVT estava um pouco áspera na unidade avaliada mesmo com a pressão dos pneus aferida. Interessante que o conforto do sistema de suspensão sempre foi um dos destaques do Duster que usa pneus de perfil mais alto justamente para absorver melhor as imperfeições do solo, principalmente sobre remendos e ondulações do asfalto.

Preço

Renault precisa dar atenção ao ocupante do assento central traseiro que tem disponível o cinto abdominal em vez do de três pontos. Em um carro com preço sugerido de R$ 83.190 é pura economia de palito e descaso com a segurança. Incoerência frente aos controles de tração e estabilidade. Pelo menos há apoio de cabeça para todos no banco traseiro. O Duster tem garantia total de três anos. Mesmo muito bem equipada a versão Dynamique tem preço elevado como a maioria quase absoluta dos carros vendidos no Brasil.

Ficha técnica Renault Duster1.6 CVT

Motor
De quatro cilindros em linha, 1.597 cm³ de cilindrada, 16 válvulas, de 120 cv (álcool) e 118 cv (gasolina) de potências máximas a 5.500 rpm e torque máximo de 16,2 kgfm (a/g) a 4.000 rpm

Transmissão
Tração dianteira e câmbio CVT de infinitas relações

Direção
Tipo pinhão e cremalheira com assistência eletro-hidráulica

Freios
Disco ventilado na dianteira e tambor na traseira; ESP (controle de estabilidade) e HSA (assistente de partida em rampa)

Suspensão
Dianteira, independente, do tipo McPherson; traseira, eixo de torção e barra estabilizadora

Renault Duster 1.6 CVT
Foto | Marlos Ney Vidal/Autos Segredos

Rodas/pneus
6×16” de liga leve /215/65R16

Peso
1.240 kg

Carga útil (passageiros+ bagagem)
500 kg

Dimensões (metro)
Comprimento, 4,32; largura, 1,81; altura, 1,62; distância entre-eixos, 2,67

Altura do solo
21 centímetros/ângulos de ataque/saída, 30/34,5

Renault Duster 1.6 CVT
Foto | Marlos Ney Vidal/Autos Segredos

Capacidades (litro)
Porta-malas, 475; tanque, 50

Desempenho
Velocidade máxima, não disponível; aceleração até 100 km/h, 13,2 segundos (álcool) e 13,9 segundos (gasolina)

Consumo (km/l)
Urbano, 7,1 (a) e 10,3 (g); estrada, 7,9 (a) e 10,8 (g)

Renault Duster 1.6 CVT
Foto | Marlos Ney Vidal/Autos Segredos