Linhas agradáveis e harmônicas, porta-malas amplo, bom espaço interno e baixo consumo são ingredientes da receita familiar do Fiat Cronos 1.3 Drive, que tem seus problemas. Leia o teste
Fiat Cronos 1.3 Drive
Foto | Marlos Ney Vidal/Autos Segredos

Por Paulo Eduardo

O Fiat Cronos 1.3 Drive  pode não ser referência de beleza, mas as linhas da carroceria se harmonizam e agradam. Não há nada desproporcional. Desde a frente com capô chanfrado nas laterais, faróis grandes espichados até a traseira com lanternas horizontais e porta-malas curto. A parte inferior do para-choque tem a cor preta para poder levantar a traseira, como se fosse um salto alto. O restante tem a cor da carroceria. O Cronos mede 4,36 metros de comprimento, o mesmo do Ford Focus hatch. Sucessor do Siena leva quatro adultos com conforto. Passageiro do assento central fica um pouco apertado. Deve ser evitado por adulto em percurso longo. No banco traseiro, há cintos de três pontos retráteis e apoios de cabeça para todos. Entretanto, é preciso abaixar para entrar no banco traseiro sem bater a cabeça. Essa falha em ergonomia se deve à caída brusca do teto para dar estilo jovial ao sedã.

Fiat Cronos 1.3 Drive
Foto | Marlos Ney Vidal/Autos Segredos

Acabamento interno

Se o Fiat Cronos 1.3 Drive agrada por fora, não decepciona por dentro. Acabamento com arremates e encaixes das peças benfeitos. Plástico duro predomina no interior e passa sensação de qualidade. Ruídos internos são abafados e nem deixam ocupantes lembrar carros que parecem escola de samba fora de compasso. Evolução inegável. O senão são as pontas de parafusos aparentes na dobradiça central das portas. Coluna de direção tem somente regulagem de altura, falta a de distância. Banco do motorista tem regulagem de altura. Quadro de instrumentos de leitura imediata com grafismo grande traz o importante indicador de temperatura do motor, muitas vezes substituído por luz espia. Essa quando acende o motor já foi para o beleléu.

Fiat Cronos 1.3 Drive
Foto | Marlos Ney Vidal/Autos Segredos

Plataforma

Cronos usa plataforma 80% nova. A parte antiga é a do compartimento do motor. A posição ideal de dirigir não é plenamente satisfatória porque ou o volante fica perto demais e os pedais afastados, ou ocorre o inverso. Falha em ergonomia assim como comandos de vidros recuados na porta. O câmbio é antigo, com curso longo da alavanca e engates nem sempre precisos, sendo algumas vezes muxibentos. Volante tem boa pega e agrupa poucos comandos. Na parte central superior do painel está a tela de sete polegadas do sistema multimídia, que não tem navegação. Retrovisores enormes permitem boa visibilidade. Câmera de ré tem boa definição e ajuda muito nas manobras. Diâmetro de giro de 10,5 metros facilita manobrar menos em espaço diminuto. Porta-malas de 525 litros de capacidade pode ser aberto por meio de comando na chave ou na tampa. A tampa tem aquelas alças e junto delas mola a gás que evita o retorno na abertura. Se retornar, pode bater na cabeça ou no braço de quem abre. Não há mais aberturas internas de porta-malas e tanque de combustível, que é aberto por meio de toque na portinhola.

Andando

Bancos usam espuma macia demais que provoca fadiga em percurso longo, além dos assentos serem curtos tanto dianteiros quanto traseiro. Suspensão privilegia conforto e inclina bastante nas curvas, mas o carro é estável. Freios bons e eficientes. Farol tem facho curto, tornando obrigatório lampejar o alto. Motor 1.3 é todo de alumínio, tem apenas duas válvulas por cilindro. Funciona redondo e sem aspereza. Proporciona bom desempenho ao Fiat Cronos 1.3 Drive, exigindo reduções para ultrapassar mais rápido. Acima da faixa máxima de torque (4.500 rpm), sente-se a falta de fôlego para deslanchar. Motor aspirado de baixa cilindrada e cabeçote simples é assim. Direção leve em manobra, com peso em alta. Falta sensibilidade para o motorista sentir o carro. Porém, atinge médias incríveis de consumo: entre 7 e 10km/l na cidade e de 14 a 17 km/l com gasolina. Com carga máxima e ar-condicionado ligado, é preciso elevar a rotação do motor para o desempenho ficar dentro do razoável. Esse motor privilegia o consumo e, na tocada familiar dentro dos limites previstos por lei, o desempenho é bom.

Fiat Cronos 1.3 Drive
Foto | Marlos Ney Vidal/Autos Segredos

De série

A versão Drive traz muitos itens de série, como ar-condicionado, direção elétrica, central multimídia, entre outros. Entre os opcionais, estão rodas de liga leve, farol de neblina e banco traseiro bipartido (Kit Stile, R$ 3.090); câmera de ré e sensor traseiro (Kit Parking, R$ 1.690); alarme (R$ 650) e retrovisor elétrico com Tilt down, e vidros traseiros elétricos um toque (Kit Conveniência, R$ 2.090). O Fiat Cronos 1.3 Drive tem preço sugerido de R$ 57.490 e completa, R$ 65.010. Cronos ainda não passou pelo teste de impacto do Latin NCap. Portanto, é desconhecida ainda a capacidade de absorver impactos.

Ficha técnica Fiat Cronos 1.3 Drive

Motor
De quatro cilindros em linha, oito válvulas, flex, 1.332 cm³ de cilindrada, com potências de 109 cv (álcool) a 6.250 rpm e 101 cv (gasolina) a 6.000 rpm e torques máximos de 14,2 kgfm (álcool) e 13,7 kgfm (gasolina) a 3.500 rpm

Transmissão
Tração dianteira e câmbio manual de cinco marchas

Direção
Tipo pinhão e cremalheira, com assistência elétrica; diâmetro de giro, 10,5 metros

Freios
Disco ventilado na dianteira e a tambor na traseira

Suspensão
Dianteira, McPherson, e barra estabilizadora; traseira, eixo de torção

Rodas/pneus
6×15”de liga leve (opcional) /185/60R15

Peso
1.139 kg

Carga útil (passageiros+ bagagem)
400 kg

Capacidades (litro)
Tanque, 48; porta-malas, 525; altura do solo, 15,8 centímetros

Dimensões (metro)
Comprimento, 4,36; largura, 1,73; altura, 1,51; distância entre-eixos, 2,52

Desempenho – velocidades máximas, 183 km/h (álcool) e 178,1 km/h (gasolina); aceleração até 100 km/h, 11,8 (álcool) e 12,3 (gasolina)

Consumo (km/l)
Urbano, 8,5 (a) e 12,4 (g); estrada, 10,3 (a) e 14,8 (g)

Siga nossas redes sociais