Toyota RAV4 tem características típicas de carros feitos para agradar o consumidor norte-americano, mas fica devendo muitos equipamentos de série

toyotarav431Alexandre Soares
Especial para o Autos Segredos

A rivalidade é o combustível de vários projetos automobilísticos. O Focus nasceu para brigar com o Golf, o BMW Série 3 trava uma batalha de décadas com o Mercedes Classe C, o Chevrolet Camaro chegou às ruas pouco depois do lançamento do Ford Mustang… Nesse contexto pouco amistoso, é possível incluir também o Honda CR-V e o Toyota RAV-4: note que até os nomes são parecidos. Tanto o primeiro quanto o segundo foram desenvolvidos de olho no mercado norte-americano, onde alcançam ótimos números de vendas há vários anos. No Brasil, contudo, o cenário é bem diferente e o CR-V detinha ampla vantagem, pois é produzido no México e goza de benefícios fiscais para obter preços mais competitivos. O RAV4, por sua vez, é importado do Japão e nunca havia conseguido se impor por aqui. A Toyota, contudo, não escondeu durante o lançamento da atual geração de seu SUV que pretendia, ao menos, diminuir a diferença e adotou preços próximos ao do arquirrival, reduzindo parte do lucro sobre o valor final do produto. Parece ter dado certo: durante os últimos meses, o modelo vem aumentando sua participação nas vendas e emplacou 937 unidades em outubro último. O número ainda é inferior ao do opositor, mas a diferença entre os dois de fato diminuiu. Diante de um desempenho comercial tão animador, vale a pena saber se, no dia-a-dia, o veículo apresenta comportamento proporcionalmente positivo.

toyotarav427Autos Segredos avaliou a versão de entrada, equipada com motor 2.0 e tração dianteira, que é responsável pela maior parcela de vendas dentro da linha. O propulsor tem bloco e cabeçote confeccionados em alumínio, quatro cilindros e 16 válvulas com duplo comando variável e aspiração natural. Concepção atual, mas não de última geração. A potência é de 145 cv a 6.200 rpm e o torque, de 19,1 kgfm a 3.600 rpm, sempre com gasolina, pois não há sistema flex. O powertrain é comandado por um câmbio CVT, que simula sete marchas. A suspensão, independente nas quatro rodas, segue o esquema McPherson na dianteira e double wishboune na traseira, enquanto a direção tem assistência elétrica.

toyotarav418Pesado

Como o RAV4 é pesado, com 1.525 kg na balança, já era de se esperar um desempenho pouco empolgante. Mas não é que o modelo agradou em trânsito urbano? Mudanças de faixa e subidas são encaradas com muita agilidade, que até chega a surpreender tendo em vista as características do veículo. Os méritos vão para o torque bem distribuído e, principalmente, para a transmissão CVT, que deixa as respostas sempre ágeis. Sem dúvida, motor e câmbio vivem um casamento feliz. Porém, na estrada, o conjunto mecânico não consegue esconder suas dificuldades para lidar com a massa corporal tão elevada, resultando em performance bastante discreta. Melhor ter cuidado nas ultrapassagens e paciência para transpor trechos de relevo acidentado, ao menos enquanto a lei da gravidade estiver desfavorável. O motor ajuda a andar em alta rotação, pois gira suave, mesmo perto do limite de corte. Após chegar ao cume da serra e iniciar a decida, os problemas acabam: a estabilidade é boa e permite que o motorista tire um pouco do atraso nas curvas. Só não espere o mesmo equilíbrio de um hatch: como todo carro com altura elevada, o Toyota não é tolerante com abusos. O comportamento é acima da média para um crossover, mas não a ponto de fazê-lo agir como um carro de outra categoria. Ademais, o foco da calibração é o conforto ao rodar, que o modelo também entrega: a absorção das imperfeições do solo é muito boa e os ocupantes ficam longe dos solavancos, mesmo em estradas de terra, onde o bom vão em relação ao solo ajuda a transpor lombadas, embora a ausência de tração integral impeça aventuras radicais.   A direção também cumpriu bem o seu papel, oferecendo leveza em manobras e firmeza em alta velocidade.

toyotarav45Made for USA

Dentro do RAV-4, fica bastante evidente que o projeto foi feito para agradar os norte-americanos. Os bancos são bastante largos, os comandos do painel são grandes e há muitos porta-objetos, inclusive para copos e garrafas. Contudo, a faceta ianque do modelo também traz desvantagens. É que, nos EUA, ele desempenha o papel de crossover de entrada, enquanto aqui está um patamar acima. Isso fica evidente em alguns detalhes, como nos vidros elétricos, que dispõem de função um-toque e tecla iluminada apenas para o motorista. Aliás, iluminação é algo que falta também ao porta-luvas, mas ao menos o bagageiro é equipado com um spot lateral. Quando se tira a chave da ignição, a central corta imediatamente todos os comandos inclusive o aparelho de som, e por falar em chave, a do crossover não é sequer do tipo canivete.

toyotarav4Se não oferece muitos mimos, pelo menos o RAV4 brinda o motorista com um posto de comando muito bem resolvido. A  posição de dirigir, elevada como em todo crossover,  é correta e relaxada, o quadro de instrumentos proporciona ótima leitura e é completo, com conta-giros, velocímetro e marcados de combustível analógicos e termômetro do motor digitais. Há regulagem de altura para o banco e para a coluna de direção, sendo que a última pode ser ajustada também em altura. A visibilidade é boa para todos os lados, os retrovisores são corretamente dimensionados e os faróis, com facho baixo elipsoidal e alto parabólico, são ótimos, mesmo sem lâmpadas de xênon. O isolamento acústico agrada: o modelo roda silencioso e até os limpadores de para-brisa, que varrem boa área, trabalham com pouco ruído.

toyotarav412Sem aperto

O acabamento interno é correto, mas longe de ser luxuoso. Não há o que se queixar sobre os arremates, que são sempre perfeitos, e tampouco há rebarbas nas peças. A questão é que os plásticos são duros: embora tenham boa aparência e tato, sendo que alguns até imitam fibra de carbono e couro, superfícies emborrachadas cairiam melhor no painel os nas portas. Na versão avaliada, os bancos, que oferecem ótimo apoio para as pernas e a coluna, são revestidos em tecido, macio e bastante agradável ao toque. Porém, dentro da categoria,  o couro é praticamente uma obrigação. Mas o RAV4 se redime quando o assunto é espaço interno, e chega até a impressionar: atrás, o banco é largo e o assoalho é plano, permitindo que três adultos acomodem-se com conforto. Nem mesmo pessoas altas enfrentarão problemas, pois os vãos para as pernas e as cabeças são enormes. O porta-malas, com volume de 476 litros, não chega ser um latifúndio, mas é generoso. Além do mais, o vão de acesso é bem amplo e o banco traseiro, além de rebatível e bi-partido, tem ainda regulagem do encosto, que aumenta a versatilidade interna.

toyotarav47O RAV4 traz apenas o básico quando o assunto são os itens de conforto. Tem ar-condicionado manual, luzes de neblina na dianteira e na traseira, volante multifuncional revestido em couro, sistema de som com CD player, leitor MP3, entradas USB e auxiliar e conexão Bluetooth, sensores de estacionamento, computador de bordo, e rodas aro 17” em alumínio (inclusive no estepe), além de vidros, retrovisores e dos já citados vidros elétricos. Itens como teto solar, dispositivo de partida sem chave, cruise-control, câmera de ré e ajuste elétrico dos bancos são restritos às versões mais caras. Lembra-se do primeiro parágrafo, onde foi comentado que, apesar de o RAV-4 ser importado do Japão, seu preço equivale ao de veículos vindos do México? Pois é, ao que parece, a marca tentou minimizar as perdas com impostos passando a faca no conteúdo do crossover.

Só dois airbags 

Se nos itens de conforto o modelo traz o básico, nos de segurança ele deixa a desejar dentro de sua categoria. É decepcionante constatar que um carro com preço à beira dos R$ 100 mil tem apenas dois airbags frontais e não conta com controles eletrônicos de tração e estabilidade. O RAV4 só consegue somar alguns pontos nesse sentido porque possui cintos de três pontos e encostos de cabeça para todos os ocupantes (que deveriam equipar todos os veículos, mas muitas vezes são abolidos no centro do banco traseiro) e ganchos no padrão Isofix para fixação de cadeirinhas (infelizmente, ainda bastante raros no mercado nacional). Os freios a disco nas quatro rodas, com ABS, EBD e BAS, imobilizam o veículo com segurança e o pedal tem boa progressividade, mas não chegam a se destacar.

toyotarav410Consumo

Considerando que o RAV4 tem o elevado peso de 1.525 kg, as médias de consumo foram satisfatórias. Em ciclo urbano, ele cravou 8,6 km/l, mas na estrada, onde teve que andar mais acelerado para entregar melhor desempenho, as marcas foram menos entusiasmantes, em torno de 10 km/l. O crossover foi abastecido sempre com gasolina, até porque esse é o único combustível que ele aceita. Um ponto que merece correção é que o computador de bordo informa os números em litros por 100 km, e não em km por litro, como é padrão no Brasil. Vale destacar que vários fatores influenciam no consumo de combustível, como as características e o relevo das vias, as condições do trânsito e o estilo de condução do motorista, entre outros.

Quase cem mil

O RAV4 é um bom carro? Sem dúvida: é espaçoso, bem construído e tem conjunto mecânico acertado, ainda que o desempenho esteja longe de constituir um ponto forte. Mas isso justifica o preço de R$ 99.900 que a Toyota cobra por ele? Acreditamos que não: além de dispensar itens de conforto presentes em veículos bem mais baratos, como ar-condicionado digital e cruise-control, o que decepciona mesmo é a ausência de itens de segurança, como mais airbags e controles eletrônicos de assistência à direção. Ainda que o valor de tabela, as características técnicas e a cesta de equipamentos estejam próximos do Honda CR-V, seu maior concorrente e detentor de bons números de vendas, a questão é que ambos os veículos parecem bastante inflacionados em vista do que oferecem.

Desempenho(acelerações e retomadas) 6 5
Consumo(cidade e estrada) 7 6
Estabilidade 7 7
Freios 7 8
Posição de dirigir/ergonomia 9 8
Espaço interno 10 9
Porta-malas(espaço, acessibilidade e versatilidade) 9 10
Acabamento 7 7
Itens de segurança(de série e opcionais) 6 6
Itens de conveniência(de série e opcionais) 6 6
Conjunto mecânico(acerto de motor, câmbio, suspensão e direção) 8 7
Relação custo/benefício 5 5

FICHA TÉCNICA

MOTOR

Dianteiro, transversal, quatro cilindros em linha, 16 válvulas, gasolina, 1.987 cm³ de cilindrada, 145 cv de potência máxima a 6.200 rpm, 19,1 de torque máximo a 3.600 rpm

TRANSMISSÃO

Câmbio automático do tipo CVT com sete marchas virtuais, tração dianteira

ACELERAÇÃO ATÉ 100 km/h
Não informada pelo fabricante

VELOCIDADE MÁXIMA
Não informada pelo fabricante

DIREÇÃO
Pinhão e cremalheira, com assistência elétrica

FREIOS
Discos ventilados na dianteira e discos sólidos na traseira, com ABS, EBD e BAS

SUSPENSÃO
Dianteira, independente, McPherson, com barra estabilizadora; traseira, independente, double wishbone, com barra estabilizadora

RODAS E PNEUS
Rodas em liga de alumínio, 7 x 17 polegadas, pneus 225/65 R17

DIMENSÕES (metros)
Comprimento, 4,57; largura, 1,84; altura, 1,71 (com barras longitudinais no teto); distância entre-eixos, 2,66

CAPACIDADES
Tanque de combustível: 60 litros; porta malas: 476 litros; carga útil (passageiros e bagagem): 525 quilos; peso: 1.525 quilos

Fotos | Marlos Ney Vidal/Autos Segredos