O Renault Kwid 2018 deverá começar a ser vendido em agosto. Com preços entre R$ 29.990 e R$ 39.990, o hatch francês sacudirá o segmento de carros compactos. Apesar de ainda ser comercializado em sistema de pré-venda, a chegada do modelo francês deverá em tese, fazer com que a Fiat repense preços e itens de série do Mobi, assim como a Volkswagen terá que fazer com o up!.

Versão de entrada

A versão de entrada do Kwid já oferece itens de série que Mobi e up! não contam nem em suas versões topo de linha, como os airbags laterais. O sistema Isofix de fixação de cadeirinha infantil é ofertado no modelo francês desde a versão de entrada Life. Item que também é oferecido no Volkswagen up! e inexistente no Fiat Mobi. Com preço inicial de R$ 29.990, o Kwid é R$ 3.710 mais barato que a opção de entrada do Mobi e R$ 8 mil mais em conta que a primeira opção do up!

Versão intermediária

Com preço sugerido de R$ 34.990, a versão Zen do Kwid vem de série com direção elétrica, ar-condicionado, travas e vidros dianteiros elétricos. O Fiat Mobi oferece basicamente os mesmo itens, porém, o compacto italiano no catálogo intermediário tem direção hidráulica em vez da assistida eletricamente e é equipada com motor 1.0 de quatro cilindros. Comparado ao Mobi Like que tem preço sugerido de R$ 39.190, o Kwid Zen é R$ 4.200 mais em conta. Já quando se compara o Kwid Zen com o up! move, o modelo alemão oferta mais itens de série como sensor de estacionamento, rodas de liga leve, volante multifuncional e sistema de rádio. Porém, a maior oferta de itens deixa o up! R$ 13.300 mais caro que o Kwid.

Versão topo de linha

A versão topo de linha do Kwid é chamado de Intense. Com preço sugerido de R$ 39.990, ela agrega a Zen retrovisores elétricos, faróis de neblina cromados, Media Nav 2.0, câmera de ré, abertura elétrica do porta-malas, rodas Flexwheel e chave dobrável. Aliás, o Kwid é o único dos três que vem equipado de fábrica com sistema multimídia.

Kwid versus Mobi

Na versão topo de linha, a diferença para o Mobi Drive é pequena e fica em R$ 660. Vale ressaltar que nessa versão o modelo italiano fica páreo ao hatch francês no quesito motor de três cilindros e direção elétrica. Porém, o Mobi Drive não conta com ajuste elétrico dos retrovisores externos, rodas de liga leve e sistema de som que são ofertados como itens opcionais.

Kwid versus up!

Como a versão topo de linha high do up! conta como motor 1.0 turbo, não seria correto comparar com o Kwid que tem motor aspirado. Neste caso, o embate do Kwid Intense seria novamente com o up! move. Assim, o hatch francês ainda é R$ 8.300 mais em conta que o modelo alemão.

Tamanho

O Renault Kwid tem 3,68 m de comprimento. Já o entre-eixos é de 2,42 m. O porta-malas tem capacidade de carga para 290 litros. Em termos de tamanho o Kwid é 12 cm maior que o Mobi e tem 11,5 cm a mais de entre-eixos. O porta-malas também é 75 litros maior que o do hatch italiano, que tem capacidade para apenas 215 litros. Já quando comparado ao up! as medidas de comprimento e entre-eixos empatam e o modelo alemão tem porta-malas 5 litros menor que a do compacto francês.

Motor

O motor do Kwid tem menor potência que a dos irmãos Sandero e Logan. O propulsor 1.0 SCe de três cilindros rende 70 cv de potência com etanol e 66 cv com gasolina e torque de 9,8 kgfm (etanol) e 9,4 kgfm (gasolina), o Kwid é o carro mais econômico da categoria. Na cidade, o compacto faz 15,2 km/l com gasolina e 10,5 km/l com etanol.

Já no quesito motorização, o Kwid perde em termos de potência para os motores 1.0 EVO que tem 75cv e 1.0 Firefly com 77cv que equipam o Fiat Mobi. O hatch francês também perde para o up! cuja potência é de 82 cv. No quesito torque o Kwid também perde para seus concorrentes.

Pré-venda

Os interessados em comprar o modelo francês podem fazer a reserva em uma concessionária da marca ou pela internet no site www.renault.com.br ou no hot site www.kwid.com.br. Para reservar o carro, é necessário fazer o pagamento na concessionária ou online de R$ 1.000,00, no cartão de crédito, podendo parcelar em até três vezes.

Cores

O Renault Kwid será comercializado nas cores: Orange Ocre, Vermelho Fogo, Branco Marfim, Branco Neige, Prata Étoile e Preto Nacré.

Fotos | Renault/Divulgação

  • Atillio XVII

    Tem potencial pra vender bem, mas o importante mesmo é saber a segurança dele em relação a versão indiana.

  • Fabio Correa

    Motor fraco e não tem opção de câmbio automático ou automatizado.
    No geral é o mais bonito e de melhor porta-malas.
    Falta a versão offroad com câmbio automático/automatizado.

  • Júnior Nascimento

    Vai vender muito bem, obrigado.

    • Milton-GT

      Num país que o carro que mais vende é o Onix, com segurança zero e motor ultrapassado, eu não duvido nada.

  • Eu sei que a Renault está C&#¨@%! para mim, mas eu só considero esse carro, se ele foi para parede e empatar com o Up! em segurança. Daí eu ajudo a VW jogando uma pá de cal em cima do up!.

  • Lauro Agrizzi

    Sei não . Não vejo firmeza nesse peso. Além do mais com os problemas apresentados pela versão Indiana.

    • Milton-GT

      O Mobi pesa 945 Kg, o Up! pesa 920 Kg, Se o Kwid pesa menos de 900 Kg, ele não é um carro seguro, é uma lata de sardinha.

      • Luciano Lopes

        O q tem haver peso com estrutura ? Um opala é mais seguro q um civic ?

        • Milton-GT

          Veja que o Up!, que tem cinco estrelas e usa aços especiais, mais leves pesa 920 Kg o Mobi pesa mais porque talvez fizeram economia de aços leves porque são mais caros, assim penso que um carro com 800 Kg, ou é todo feito de aços especiais o que aumentaria muito seu preço ou no caso do Kwid, o peso dele é incompatível com seu preço. Ou seja nessa faixa de preço, para ele ter segurança, sua carroceria deveria ser bem mais pesada.

  • Diego

    Faltou o peso do carro! Como esquecem isso.

    • Diego Lip

      O que se sabe é que ele é bem mais pesado que o modelo indiano.

    • Wellington Myph13

      790kg

      • Diego

        Só isso será?? Esse peso é o da Índia não é!?

        • Wellington Myph13

          Não, da índia é 600kg.
          Já tem ficha com o peso dele. É 790kg msm.

      • Djalma Andretta

        Já ouvi desde 780 até 840 kilos.

        • Luciano Lopes

          Se eu entrar vai pra uns 1000kg

  • Luis Carlos K.

    O motor é mais fraco, porém o carro pesa menos de 800 kg, no fim das contas vai ter desempenho no nível dos concorrentes. Resta saber o nível de segurança estrutural.

    • Milton-GT

      Não acho, com um motor menos eficiente que o Fire 1.0 vai perder feio para 1.0 Firefly e o 1.0 da VW, não importando que peso tenha.

      • Hugo Leonardo Dos Santos

        Não é menos eficiente que o Mobi fire. Talvez seja um pouco mais lento que Up, Gol e Mobi drive, mas não acho que será tão grande a diferença.

        • Milton-GT

          As medidas a seguir são com Gasolina.
          O motor do Kwid tem 66 CV a 5.500 rpm. O motor Fire do Mobi tem 73 CV a 6.250 rpm. Ponto para o Fire.
          O torque do Kwid é de 9,4 Kgfm a 4.250 rpm, o torque do Mobi Fire é de 9,5 Kgfm a 3.850 rpm Outro ponto para o Fire.
          Resultado: Motor Fire 2 X Motor SCe Kwid 0.

          • Hugo Leonardo Dos Santos

            quero ver na prática, muita teoria

          • Hugo Leonardo Dos Santos

            Muita teoria e pouca prática. Não esqueça que em testes foi provado que o motor 1.0 3 cilindros de 68 cv a gasolina do new QQ importado já era mais eficiente que esse 1.0 fire no Mobi, olhando a ficha técnica dos dois nunca falariam que Mobi era pior que o QQ em desempenho. Outra coisa, o motor de 3 cilindros do Kwid é mais leve, junto com todo o resto do carro, com certeza essa eficiência será provada assim como foi com o QQ em cima do Mobi, agora contra o MPI do UP e GOL e FIREFLY do Mobi aí sim pode ser que tenha menos desempenho, mas não muito. faça um print desse texto e depois que sair testes lembre-se de minhas palavras.

          • Milton-GT

            Prefiro a teoria, pois toda teoria tem que ser comprovada na prática. Então é melhor mesmo esperar os testes. Mas não qualquer teste, pois na Internet existe muita coisa falsa. Um exemplo é o QQ Em teste da Quatro Rodas ele foi de 0 a 100 Km/h em 16,3 s e acusou máxima de 165 Km/h, e ele pesa 940 Kg. O Mobi Fire pesa 945 Kg e foi de 0 a 100 Km/h em 14,6 s com velocidade máxima de 164 Km/h. Pode ver que o motor Fire é mais eficiente que o motor do QQ. Um detalhe que você precisa saber ao examinar o resultado de testes na Internet, é qual foi o combustível utilizado, as medidas informadas pela fábrica são bem corretas pois todas fazem as medidas utilizando Etanol. Agora existem muitos na Internet que quando querem favorecer um carro fazem os testes com o combustível que favoreça o carro escolhido e com outro usam o combustível que deu o pior resultado.

          • Hugo Leonardo Dos Santos

            ok ok

    • kravmaga

      Um carro nem sempre vai vazio. É um carro leve sempre sente mais o peso de cada pessoa extra além do motorista.

      • Ducar Carros

        Subcompacto é para motorista e, no máximo, mais um. Mais que isso, ou é eventual, ou a pessoa comprou o carro do segmento errado.

        • Luciano Lopes

          Comprou o q pode. Tem família q tem um Mille na garagem …Ou um Fusca .

    • Alguém sabe o 0 a 100km/h e retomada (80 a 120km/h) do Kwid?

      • souza89

        ta loco? esse carro não é para estrada.

        • Wellington Myph13

          Como não? Ele é do tamanho do up e Mobi. Mille era do mesmo tamanho, peso, tinha 65cv e era uma cadeira elétrica sem airbags ainda.

          • ADAM ROCKERFELT

            É bem provável que o Kwid não tenha nem barra estabilizadora para reduzir custos, espero que eu esteja enganado, mas em todo caso, este carrinho vai sofrer horrores com ventos laterais e em passagem por carretas na estrada.

            Não é um carro para colocar a família, a farofa e pegar 1.000 km de estrada.

          • Wellington Myph13

            O problema é que não da pra controlar o publico que compra, mas pelo espaço adequado que ele tem, certamente teremos vários Kwid como carro de família. Só temos que rezar pra que estes sejam prudentes com seus carros e saibam a hora de não ultrapassar… Tem muita gente com Millezinho por ai ainda que anda carregado até o talo e faz viagens o tempo todo… Ao menos o Kwid tem os obrigatórios Airbag e ABS e ainda oferece airbags laterais…

            Outra coisa que queria citar é o fato de que já teve 2 noticias em locais totalmente diferentes um do outro, onde conseguiram capotar o Mobi… Isso porque ele tem entre-eixos mais curto e tem barra estabilizadora…

          • Então não é um carro para brasileiro, pois teria que ser pai para toda a obra.

            Por isso mesmo subcompactos não se criam por aqui.

          • Luciano Lopes

            Realmente. A Renault não sabe projetar um carro. E diz isso pras famílias que viajam em seus Milles de 50cv. Ou Fusca .

          • Luciano Lopes

            Mille voava … quem teve um e pegava estrada sabe .. 140km/h , subida e descida , só encostando o pé depois do embalo . Detalhe : o meu era o de 55cv

        • Hugo Leonardo Dos Santos

          Como não, ando de Celta na estrada todo dia, e é bem pior que esse Kwid, te garanto. A diferença é que a pessoa tem que saber o seu limite, não querer dar uma de Hamilton por aí e andar a 120 km/h ultrapassando todo mundo.

          • Portuga Goleta

            Na internet só tem piloto.

  • Milton-GT

    Pode ser que ele venda bem, afinal se o brasileiro compra aquele lixo do Onix, por que não compraria o Kwid? Mas para aquelas pessoas que tem o mínimo conhecimento de automóveis, veria que ele é inferior tanto ao Mobi quanto ao Up! sendo a escolha opção de cada um. Eu por exemplo penso assim:
    Se eu não tivesse muito dinheiro, preferiria o Kwid ao QQ.
    Se eu tivesse um pouco mais de dinheiro preferiria o Mobi Drive ao Kwid.
    Se eu tivesse bastante dinheiro para jogar fora, eu preferiria o Up! TSI ao Kwid.
    Se eu tivesse bastante dinheiro, mas não para jogar fora, eu compraria outro carro do segmento superior.

    • Luciano Lopes

      Vai vir sim. A Outsider. Foi anunciada no Salão de Buenos Aires, com 2 comandos , na Argentina, no caso só gasolina , com 79cv.

  • Marco A

    Desculpa quem fala mal deste carro, mas nessa faixa de preço, não tem nada melhor hein…

    • Milton-GT

      Você compra carro pelo preço? Eu compro carro pelo custo-benefício.

      • Wellington Myph13

        Quem compra Mobi compra o carro pelo preço. É esse o mercado do Kwid. Quem quer custo beneficio pega o Sandero 1.0 (Falando dentro da Renault), com mais potência, espaço e etc…

        • Milton-GT

          Discordo, quem compra Mobi é porque gostou dele, não é pelo preço, pois se fosse, porque não comprar o Chery QQ que é bem mais barato? Assim quem vai comprar o Kwid é porque gostou dele também. A conclusão é a de que as pessoas procuram o melhor custo beneficio pessoal. Se você gosta do Sandero é porque ele é o melhor custo beneficio na sua opinião (dentro da Renault). A qual devo salientar, é a minha também. Mas acontece que existem muitos modelos no mercado e a escolha entre eles depende do custo-beneficio pessoal de cada um, assim você pode não gostar de determinado modelo simplesmente porque ele vende mais que o carro que você gosta, mas é assim mesmo, você não manda nas pessoas, procure ser mais aberto e aceite o mercado como ele é, e não como você quer que ele seja. Se Kwid vai vender eu não sei, não “torço” para ninguém, mas se ele emplacar e vender muito não vou me surpreender, pois afinal o carro mais vendido no Brasil não é aquele que tem o motor jurássico e zero estrela em segurança?

          • Wellington Myph13

            Não compram QQ porque é chines, Simples assim.
            Em Sorocaba que tem 600mil habitantes não tem uma CSS da Chery (tinha, e fecharam, só ficou uma oficina credenciada pra fazer as revisões)…
            Esse mercado do Mobi é de carros mais baratos. A FIAT sabe fazer seu trabalho de marketing, tem outdoor e propaganda pra tudo que é lugar do Mobi por 30k, então as pessoas vão pra conhecer, confiam na marca que foi líder por mais de 10 anos, a pessoa certamente já teve um Mille ou Palio, nem que fosse usado, e coloca suas fichas pra tirar um carro barato e zero km, mesmo que sacrifique um pouco espaço e porta-malas…
            Chery pode anunciar o carro por 19.999,99 que ainda assim não vai vender mais de 1k por mês.
            A Renault precisa fazer o mesmo tratamento com o Kwid em marketing e certamente atrairá os mesmos clientes e no minimo os clientes vão comparar, e com mais espaço e porta-malas, certamente vai conquistar bastante… E certamente, com mais clientes dentro da CSS, ajuda a vender os demais modelos… Se ele emplacar, pode esperar um aumento nos demais também…

          • Milton-GT

            Não acho isso não pois minha visão é diferente da sua. O preconceito chinês realmente existe, mas o Francês também existe, PSA sofre com vendas ruins a melhorzinha é a Renault, mais por causa do Sandero. então volto a dizer que o Kwid vai vender bem se apresentar um bom custo beneficio a seus compradores. O que eu mais discordo de você é que o Mobi só vende por causa do preço. Não é verdade, o produto é bom, pode ter pouco espaço, mas é carrinho para a cidade muito bem feito, eu não gosto dele, mas tem quem gosta, pois vende bem, dizer que vende por causa do preço é ridículo porque o QQ pode não ter revenda em Sorocaba, mas em São Paulo tem e mesmo assim vende pouco e desculpe, mas você não vai querer comparar 600 mil habitantes com 20 Milhões ou vai?

          • Wellington Myph13

            Você sabe que não é só a cidade de SP que manda no resultado né?
            Se uma cidade de interior como Sorocaba com 600mil habitantes não é aceitável ter uma CSS da Chery, onde é?
            Eu tenho certeza que o Mobi só vende pelo preço, assim como Palio e Gol reinaram nas suas versões peladas por muito tempo.
            Sabe porque também é certeza que é o preço? Porque na própria CSS FIAT tem o Uno com motor melhor, MESMO painel (tão bem acabado como você mesmo diz no Mobi), MAIS espaço interno e de Mala, por coisa de 2-3k e não vende, porque os 2-3k fazem a diferença pro cliente.
            E convenhamos, o Uno é menos monstrinho que o Mobi…

            Hoje os carros antigos subiram e custam 40k (Ka, Onix que substituiu o Corsa, Palio, Uno, Gol, Sandero), e ficamos órfãos de carros abaixo desse valor das marcas mais badaladas do mercado.
            Mobi entrou nesse valor e tem mostrado que era o que faltava.
            A Renault vai fazer o mesmo com o Kwid…

          • Milton-GT

            Só que o que você não está vendo é que os compradores tem seu próprio custo beneficio. O Mobi aumentou muito suas vendas com o lançamento da versão Drive, e sabe quanto custa um Mobi Drive completo? mais de 50 Mil. Então não diga que o Mobi vende por causa do preço. O preço de entrada de um modelo tem sim a ver com que ele oferece, ou seja custo beneficio. O Uno vende menos que o Mobi, sim, mas é porque na faixa de preço dele existem mais opções, talvez algumas até melhores. o que prova minha tese de custo beneficio. Quanto a Sorocaba, não ter revendas de determinada marca, não se preocupe, outras cidades maiores também ficaram sem, pois isto é devido a crise que atravessamos. Minha sobrinha mora na Praia Grande e ela tem um Ford Ka+, ela tinha que vir fazer as revisões em São Paulo, pois a concessionária Ford fechou em 2014 isto em toda a Baixada Santista somente em meados de 2015 voltou a ter concessionária Ford (CAOA). A Baixada Santista tem 1.765.277 habitantes.

          • Luciano Lopes

            O Mobi é muito bom de dirigir , já aluguei um , bem melhor q o Uno , achei mais sólido até , é melhor d curva…Projeto bem feito , mas mal pensado … tinha q ter porta malas sim ! (10cm a mais e tava resolvido )

          • Marciofilho Santos

            com 10 cm a mais vc ja tem é o Uno kkkkkkkkkkkkkk

          • Milton-GT

            Mas o Mobi tem o banco traseiro bipartido, para um casal com duas crianças ou uma pessoa solteira, aumenta bastante o porta-malas. Nem o Up! e nem o Kwid tem banco traseiro bipartido. O que me incomoda no Mobi é o reduzido espaço traseiro, o porta-malas eu resolvo deitando 40% do banco traseiro e ainda fico com 60% do banco para um eventual passageiro. O porta-malas do Mobi tem 215 litros, mas deitando 40% do banco ele ganha mais uns 120 litros o que dá um total de 335 Litros, o maior porta-malas da categoria.

      • Marco A

        Nessa faixa do mercado? Sim, é um fator muito importante. A questão aqui não é se compro um HRV top ou um Compass, estamos falando dos carros da base.

        • Milton-GT

          Sim, mas é justamente nos carros de entrada que o custo benefício influi mais. Quem compra um HRV top ou um Compass, o dinheiro não é um problema, portanto o sujeito não liga para o custo beneficio, mas sim para o seu gosto pessoal. Você diria que o Toyota Corolla tem excelente custo beneficio? Eu diria que não pois se fosse comprar um sedã, estou mais inclinado a comprar um Civic do que um Corola, simplesmente por questão de gosto. Mas quando o dinheiro é contado, o sujeito desconfia quando o carro custa muito barato, não fosse assim o Chery QQ seria campeão de vendas. Entenda as pessoas se perguntam porque um carro tão barato pode ser melhor do que um mais caro. Ou seja porque o outro custa mais caro? A conclusão é de que ele oferece algo a mais. Assim a pessoa que quer comprar um carro de entrada, ela conversa com amigos, ele se informa e vai conhecer os carros, só depois disso ela toma uma decisão. Eu orientei várias pessoas a comprar seu primeiro carro e elas confiam em mim porque eu não induzo a comprar esta ou aquela marca, eu simplesmente dou conselhos para que ela siga o gosto pessoal, então eu deixo a decisão de compra a critério dela, apenas explico o que cada um dos modelos finalistas tem de prós e contras. Finalizando o que eu quero dizer é que ninguém compra carro nenhum somente pelo preço, essa ideia é absurda, ninguém compra um carro ruim só porque ele é barato, mas sim a pessoa compra um o carro que vai de encontro as suas necessidades, ou seja o de menor custo beneficio para ela.

          • Marco A

            Voce esta certo, nos carros de entrada, preço realmente não quer dizer absolutamente nada, o que vale mesmo e o custo beneficio, Ok!

          • Luciano Lopes

            Mercado de carros de 100mil é concorridíssimo…Ligam pra custo beneficio sim

      • Pedro Mello

        Depende do quanto de grana você tem, né?

        • Milton-GT

          Concordo, mas não é por causa disso que você vai comprar o que não lhe agrada, afinal o sujeito pode comprar um carro usado, ou financiar um valor maior ou num prazo maior.

      • Luciano Lopes

        E a Renault fazendo Sandero RS 2.0 por 59mil… Custo beneficio é isso !

        • Milton-GT

          Não é assim não, vou explicar. Imagine uma pessoa que queira comprar um Hatch esportivo, ela vai olhar os modelos existentes no mercado, que são poucos, temos o Peugeot 208 GT com motor 1.6 THP que custa R$ 83.990,00. e temos o Renault Sandero RS com motor 2.0 que custa R$ 59.000,00. Então, como ambos tem cambio de 6 marchas, freios a disco nas 4 rodas e bom desempenho. O comprador vai escolher o de melhor custo-beneficio segundo os seus (dele) próprios critérios. Ele pode até preferir o 208 GT, se ele tiver como bancar um carro mais luxuoso e preferir um motor turbo.

          • Luciano Lopes

            Sim , tudo tem seu público . Os dois estão no mercado . Por ex, Tô achando o Jetta TSI por 79mil o melhor negócio da categoria , não vejo o porque pagar 100mil no Corolla XEi , líder disparado .Coisas d mercado …

          • Milton-GT

            Eu sei porque, pois andei nos dois carros. O Jetta TSI é bem esportivo mas ele não é muito confortável, tem suspensão meio dura ele empolga o motorista, mas não os passageiros e o Corolla é macio, confortável e silencioso, os passageiros nem sentem o mundo lá fora, para o motorista e um carro meio anestesiado, mas é fácil e tranquilo de conduzir.Então o Corolla agrada tanto o motorista quanto os passageiros. É como comparar um Audi A3 sedã com a Mercedes Benz C180, o Audi é mais na mão, mais rápido, melhor em curvas, mas o C180 agrada mais pois ele é estável o suficiente, anda o suficiente e é bem confortável. Eu gosto de carros tipo Jetta TSI e Audi A3, mas a minha mulher não me deixa comprá-los, ela diz que eles são duros e que eu fico correndo demais, o modelo que ela adorou foi o Mercedes Benz C180 (preço R$ 147 mil – fora do meu orçamento portanto), ela gostaria do Corolla mas eu o detestaria porque não gosto nada de cambio CVT.

    • invalid_pilot

      Na faixa de Preço do Kwid (30-39k) ele praticamente está sozinho, tem o QQ e versões capadas de Mobi e Up!

      • Ducar Carros

        Tem o Celer também, 1.5, bem mais espaçoso, a 38.990.

        • Luciano Lopes

          Quem ? Aquele q vende 50 carros mês ? Não dá coragem …

    • ADAM ROCKERFELT

      Acho que preferiria arriscar em um usado mesmo. Tipo um ETIOS 1.3 ou até 1.5 usado com até 30.000 km é muito mais negócio que estes KWID e MOBI.

      • Serkot

        Ou uma Tucson 2011..
        Ou um Onibus Escolar 1982 é mt mais esquema pelo mesmo preço..
        Ou uma ferrari 1975 é muito mais negocio que esse Etios…
        Ou um Barco 1962…
        Ou até um Edífcio 1935 em bom estado!

        • ADAM ROCKERFELT

          Sua análise é muito equivocada e infantil. Vende-se 13 milhões de veículos usados por ano no Brasil.

          Prestou atenção?

          13 MILHÕES, o veículo usado ou semi-novo, que seja, é sim, concorrente do veículo zero km.

          E o exemplo que citei é fortíssimo concorrente ao Kwid, queira você ou não.

  • marc

    Só para a alegria não ser plena o motor perdeu cavalos, 66, 70? parece até mentira

  • X1301120415

    Parece ser unânime que os dados do motor são decepcionantes. Pelo menos na versão outsider seria legal ver o motor do Sandero, com variador de fase e motor mais forte. A dona Renault deveria ter alguém pra ler comentários e sugestões.

    • Luciano Lopes

      Sim , a Outsider do Salão de BAires tinha o 2 comando .

      • X1301120415

        bom saber disso! Mas onde viu a informação?

  • Brasil_MG

    Em breve, teremos MOBI com AR+DIR na promoção, por R$ 33.990

    (acho que esta é a única saída para a FIAT tentar reverter o jogo e evitar uma queda brusca nas vendas do Mobi)

    • 500X

      Mobi só vale a pena, se custar uns R$2000,00 menos que o Kwid

      • Bernardo Gaetani

        Mobi têm 10,9kgfm em rotações bem mais baixas que os 9 e pouco do kwid… Mobi nem vai enxergar Kwid no retrovisor

        • Vin_T

          Kwid é mais leve. Nao acho que o desempenho dele vai decepcionar frente à concorrência. Pode até de fato ser pior, mas desempenho não é razão de compra do consumidor tradicional desse tipo de carro. Claro q ngm quer passar raiva com isso, mas pelos números de peso, potência e torque do Kwid, creio que terá performance compatível com o segmento, com o bônus de ser mais espaçoso, equipado, bonito (na minha opinião), econômico e barato. Ponto pra Renault.

        • Wellington Myph13

          Claro, que é pra isso que as pessoas compram carros… Ou melhor, pra isso que compram esse tipo de carro…
          Ele é muito mais leve que o Mobi, não vai fazer feio… Não vai andar igual, obviamente. O foco dele é consumo por conta do tanque pequeno…

        • Mario Souza

          kkkk, disputa de city car no trânsito das cidades, um esticando mais que o outro para ver quem anda menos ruim. Cada um que aparece nos comentários.

        • Eduardo

          Não é carro para viajar! É para andar no arranca e para da cidade. Anda até 60 – 80 km/h no máximo! Tanto faz se por um pouquinho pior ou melhor que a concorrencia, ou que vai contar será a economia.

      • ADAM ROCKERFELT

        E o Kwid só vale a pena se custar 2.000 a menos que o Chery QQ.

    • souza89

      Mobi é tipo umas 10x mais bem acabado com esse lixo da reno.. ta loco, jesus, não sei como brasileiro tem coragem de comemorar um carro desse.

      • Vin_T

        Legal que o carro nem chegou na loja e vc já dizendo que ele eh 10x pior que o Mobi em termos de acabamento… e mais, pergunte pra 4 Rodas o que ela tá achando do acabamento do Mobi no teste de longa duração…
        Então, depois de coisas como Mobi, Up e cia., comemorar o lançamento do Kwid é completamente justificável. Ou seja, coitados de nós, brasileiros…

        • ViniciusVS

          Souza parece até dono de Mobi…

      • jeep compass

        brasileiro e incluindo você nessa é fogo viu, se algo não vem pra tentar mudar reclama agora se vem pra mudar tbm reclama

        • souza89

          O que a RENO mudou cara?… O SANDERO, já é um projeto de baixo custo para países emergentes, a estrutura do Kwid já é feita para isso, reforços estruturais é bem vindo… mas a propiá montadora afirma que a plataforma por padrão já é insegura, e esse carro não começa em 29mil, essa versão é para marketing os preços são reajustados já no começo do segundo semestre.

          • Luciano Lopes

            Falam q Sandero é baixo custo , mas o carro é um tanque , não quebra e nem faz ruído interno ( tive 2 )

          • souza89

            não conheço esse logan que vc fala.. na minha empresa tinha uma frota de sandero e logan.. barulhentos ao extremo, isso ai qualquer forum na internet…. estabilidade zero.

          • Vin_T

            “Essa versão é para MKT, os preços são reajustados já no começo do segundo semestre”. OK, e qual montadora não faz isso? Lembra quanto custava o Compass no lançamento, e quanto custa hj? Toro, Renegade?

            “A própria montadora afirma que a plataforma por padrão é insegura…” . Onde vc leu isso?? Só se a Renault fosse suicida de afirmar algo assim. Aliás, a plataforma CMF-A, que serve o Kwid, é usada em vários modelos da Renault e Nissan na Europa. O resultado do crash test do Kwid na Índia não é resultado necessariamente da plataforma ruim, mas sim dos requisitos daquele mercado. Lembre-se que lá as montadoras brigam para fazer os indianos desistirem de comprar as motos e os tuk-tuks, e aí a guerra pelo baixo custo é avassaladora. Inclusive, nem airbag lá é obrigatório. Enfim, dentro dessa grande m… que é o nosso mercado, vejo o Kwid como a melhor opção no segmento dele. 4 airbags, maior espaço da categoria, 5 anos de garantia, mais econômico da categoria, um visual interessante e o mais barato do segmento. Tudo isso ofertado por uma marca que ainda não é uma Brastemp, mas já evoluiu bastante nos últimos anos e vem conquistando a confiança do consumidor. Enfim, dentre algumas bolas fora da Renault, esse é, talvez, um dos maiores gols da marca desde sua chegada.

          • Eduardo

            Não esquece do Picanto. Para mim o melhor subcompacto disparado. Mas o preço é do UP!, porém com acabamento arrabatador. Já tive um e é ótimo carro. Saudade dele até hoje.

          • jeep compass

            A reno que vc cita trouxe o sandero/ logan, depois que eles dois vieram abriram mais opções pra fugir das 4 grandes e também a dupla sandero/logan são as melhores escolhas atualmente pelo custo/benefício.

            Em relação ao kwid, o mercado dita as regras o kwid vai vender bem nessa faixa de preço sugerida. Agora se aumentar da noite pro dia vai ser mico assim como a caixinha de leite gourmet da vw

          • jeep compass

            E também você já tá com o pré conceito do que o kwid é, mas não se esqueça que ele vai vir com reforço estrutural e vai mostrar pra concorrência como fazer um carro barato e com 4 airbags e também não custa esperar pra ver como o kwid vai se comportar

          • souza89

            mas você consegue ver que isso é marketing né? Transforma a fama de bateu morreu, em um carro seguro por conta de umas bolsas.
            Eu já venho infelizmente, porque convenhamos Sandero e Logan são carros meia boca, até mesmo com o motor Sce.
            Nem por conta desse Dacia, mas pelo fato da Reno sempre priorizar a economia ao extremo, ela chegou onde está hoje através da sua linha principal de carros e não da Dacia.

          • jeep compass

            no início das importações em 1994 a renault trouxe carro alinhado com o primeiro mundo, mas o brasileiro não comprou. Agora a renault aprendeu a fazer carro pra brasileiro e por isso que tá se dando bem no brasil e a linha principal de carro da renault tá lá na FRANÇA e não mais no braziu

      • Luciano Lopes

        O Mobi é aquela moto de 4 rodas ?

      • Marciofilho Santos

        o Mobi é mesmo uma belezura!!!!! tem muito espaço e um porta malas excelente, alem de um motor bem moderno para a versão de entrada. Sem falar que não bateram ele para avaliar o desastre que seria, sorte nao ter estrelas negativas!

    • Luciano Lopes

      Enterrou o Mobi a 7 palmos … Por essa a Fiat não esperava ! P.S,: A Renault tá vendendo o Sandero RS 2.0 por 58mil , preço de Argo 1.3 GSR dualogic disfarçado

      • Eduardo

        Sandero RS, o melhor custo x benefício do Brasil. Idem o Jetta na promoção.

        • Brasil_MG

          Entre os sedans médios, o Jetta está com excelente CxB

  • Ilbirs

    Vamos fazer um pequeno placar dos detalhes deste carro:

    1) Porta-malas acarpetado: parece que o pessoal da Renault se ligou de que as pessoas aqui não gostam de ver o compartimento de carga de seus veículos cheio de arranhões, não sendo à toa que protetores de caçamba também sejam comuns por aqui. É daqueles pontos em que o pessoal da marca do losango notou que brasileiros têm, por incrível que pareça, um gosto bem mais sofisticado que o dos indianos. Comparem as duas especificações do Kwid:

    http://www.autossegredos.com.br/wp-content/uploads/2017/06/renault-kwid-2018-19.jpg

    http://cdni.autocarindia.com/Galleries/20160823042649_PPC_6896.jpg

    Só ficou faltando mesmo aquele plástico no batente da tampa, mas tudo bem.

    Placar: 1 ponto positivo, 0 negativo;

    2) Cofre pintado na cor do veículo: é mais uma daquelas coisas em que vale a pena deixar lado a lado a especificação daqui e a da Índia:

    http://www.autossegredos.com.br/wp-content/uploads/2017/06/renault-kwid-2018-3-1.jpg

    http://indianautosblog.com/wp-content/uploads/2016/08/Renault-Kwid-1.0-MT-engine-bay-First-Drive-Review.jpg

    É daquelas coisas simples que por si só não só dão uma grande impressão de cuidado como também já nos faz saber que o cofre tem a mesma camada a mais de produto sobre a lataria que o resto da carroceria e mostra que os robôs de pintura da fábrica de São José dos Pinhais estão preparados para o natural monte de reentrâncias que há em uma carroceria de carro. Pena que o mesmo não se pode falar dos robôs conversa de malandro (não fazem curva) da fábrica da Nissan em Resende, e isso porque estamos tratando de marcas de um mesmo grupo.

    Placar: 2 pontos positivos, 0 negativo;

    3) Airbags laterais: são daquela coisa que não queremos usar, mas que é bom ter. Espero eu que não sejam apenas sacos que se inflam dentro de uma estrutura que colapsa:

    https://i.ytimg.com/vi/qi1LgUrd5fI/maxresdefault.jpg

    https://abrilquatrorodas.files.wordpress.com/2016/11/573b30620e2163457503c7cfkwid-globalncap.jpeg?quality=70&strip=all&strip=info

    Que os tais 20% a mais de peso que o Kwid daqui tem em comparação ao de lá de fato se revertam em uma estrutura cujo teto não entorte nem a roda dianteira seja capaz de deformar o assoalho de um modo a dificultar a retirada de um acidentado de dentro do veículo. Que seja como é o Etios brasileiro, que sabemos ficar com o habitáculo intacto após tomar uma porrada, cumprindo à risca o conceito de célula de sobrevivência. Por ora, fica o ponto positivo pela preocupação da Renault e o ineditismo de termos airbags laterais em um carro de entrada.

    Placar: 3 pontos positivos, 0 negativo;

    4) Ausência de vidros elétricos atrás: aqui fica patente que a Renault desperdiçou tempo e deu de ombros para o fato de os brasileiros quererem quatro janelas eletricamente comandadas. Virão os metidos a engenheiro com papinho falacioso de que pode não ter quatro vidros elétricos mas tem airbag lateral, fazendo aquela falsa dicotomia que tão bem conhecemos, mas qualquer ser racional e que odeia falácia sabe que airbags laterais e quatro vidros elétricos não são mutuamente excludentes.

    http://www.autossegredos.com.br/wp-content/uploads/2017/06/renault-kwid-2018-12.jpg

    Olhando para a foto acima, fica parecendo que a Renault brasileira entrou em uma mentalidade de cartel, especialmente considerando que up! e Mobi, que eram os carros com os quais ela deveria ter aprendido sobre o gosto do brasileiro, também têm indisponíveis vidros elétricos traseiros, e isso porque existe no mercado de acessórios kits de vidro elétrico traseiro para o up! que por si só jogam por terra a alegação da VW de que não haveria no mercado de fornecedores um motor elétrico que coubesse nas portas traseiras de seu subcompacto.

    Placar: 3 pontos positivos, 1 negativo;

    5) Ergonomia falha: na alínea anterior vimos que o Kwid nacional segue dentro da modinha dos subcompactos sem vidro elétrico traseiro. Neste quesito veremos que os comandos dos vidros elétricos dianteiros estão no painel:

    http://www.autossegredos.com.br/wp-content/uploads/2017/06/renault-kwid-2018-2-1.jpg

    http://www.autossegredos.com.br/wp-content/uploads/2017/06/renault-kwid-2018-15.jpg

    Virão metidos a engenheiro dizer que isso corta custos de produção do veículo, mas lembrarei que só corta custos para o fabricante e aumenta os custos para o consumidor final. Se um vidro elétrico com botões no painel der algum problema, o eletricista precisa desmontar bem mais peças do que desmontaria se o comando fosse na porta, significando aí mais hora de mão de obra para o dono de um Kwid. Aqui é mais um momento em que a Renault brasileira não aprendeu com VW e Fiat:

    http://cdn-motorshow.terra.com.br/wp-content/uploads/sites/2/2017/04/novo-up-6_1600x1074.jpg

    https://1.bp.blogspot.com/-RIBRoIkfZws/Vw8HhIohYWI/AAAAAAACWRM/HEDSAbqOR4Ek3ilLuQ5AOsgRaalZmk7FQCLcB/s1600/FIAT_MOBI_LIKEON_ESTUDIO_013.jpg

    E isso porque a Renault brasileira já tinha de mudar o painel do Kwid e fez algo além de simplesmente uma versão espelhada do indiano:

    http://www.autodevot.com/wp-content/uploads/2017/03/Renault-Kwid-Climber-interior.jpg

    http://www.autossegredos.com.br/wp-content/uploads/2017/06/renault-kwid-2018-14.jpg

    Placar: 3 pontos positivos, 2 negativos;

    6) 1.0 SCe em versão capada: a Renault brasileira perdeu a suprema oportunidade de ter o primeiro 1.0 aspirado nacional com relação peso-potência na casa de 10 kg/cv, que era o que ocorreria se fosse usada especificação de Logan e Sandero, além do óbvio benefício do variador de fase também planificando mais essa curva de torque. Seria um seguro daqueles contra o veículo se arrastar nas ruas. Também pouparia os concessionários de ter inventário a mais para ter de se preocupar.

    Placar: 3 pontos positivos, 3 negativos;

    7) 40% de componentes indianos: além de termos brasileiros ficando sem emprego, não sabemos quais são esses componentes na prática. Por ora só sei que as armações dos bancos e o tecido deles são de lá, mas isso nem de longe completa tão alto número de componentes feitos lá fora. Além disso, bancos são daquela coisa que tende a ficar no carro por toda a vida útil e que se der o problema mais comum (jogo no banco do motorista), qualquer tapeceiro repara em dois tempos, incluindo aí adaptações que na prática fazem com que nunca mais tenha de se pensar em bancos, como usar buchas de trambulador em vez das originais dos bancos (estas últimas com metal bem mais frágil que o de uma bucha metálica que se mexe o tempo todo).
    Tenho cá minhas suspeitas de que estamparias verticais não estruturais (portas, para-lamas e tampa traseira também venham de lá) e aqui fica o receio, pois sabemos que os primeiros Dusters vendidos na Inglaterra vieram da Índia e demonstraram por lá sua baixa qualidade construtiva ao terem corrosão com poucos milhares de quilômetros rodados, o que rendeu ao modelo o infame apelido de Ruster e obrigou o grupo a ter de modificar a fábrica romena da Dacia para que também fornecesse modelos com volante à direita. Sabemos que chapa com tratamento deficiente é daquelas coisas em que não há pintura e fundo de pintura capaz de esconder uma verdade que brota na forma de pequenas bolhas que rompem a pintura.

    Também fica o receio sobre reposição dessas peças. Imagine se por algum motivo os navios que saem do porto de Chennai (onde fica a fábrica indiana da Renault) não chegarem a Paranaguá com a regularidade necessária para que evitar que um dono de Kwid fique p da vida por não ter peça pronta para ser montada no carro. Estamos falando de 40% de peças em um segmento em que ter alto grau de nacionalização é inclusive uma garantia de que o veículo vai ter uma carreira longa inclusive quando sair de linha.

    Placar: 3 pontos positivos, 4 negativos;

    8) Ausência de banco bipartido: aqui novamente a Renault não aprendeu com a Fiat, que já havia demonstrado com o Mobi ter aprendido com os erros da VW e dotado o veículo com banco bipartido até mesmo na versão mais simples.

    http://www.autossegredos.com.br/wp-content/uploads/2017/06/renault-kwid-2018-16.jpg

    http://www.autossegredos.com.br/wp-content/uploads/2017/06/renault-kwid-2018-12.jpg

    Por mais que falem dos 290 l de porta-malas (5 a mais que o de um up! também desprovido de banco bipartido), subentende-se que carros subcompactos terão o banco traseiro rebatido mais vezes do que em um compacto ou médio-pequeno justamente pelas muitas necessidades. É daquelas coisas em que seria boa a conta de 60-40 justamente por permitir que um ou dois passageiros fiquem no banco traseiro do veículo. O pior de tudo é que a Renault já havia mudado o banco traseiro do Kwid daqui ao dotá-lo de três encostos “lingueta” e de Isofix. Comparem com o indiano:

    http://indianautosblog.com/wp-content/uploads/2015/11/Renault-Kwid-rear-seat-review.jpg

    Novamente lembro aos metidos a engenheiro ou “contadores de feijão” de plantão que ter encosto “lingueta” e Isofix não é mutualmente excludente em relação ao banco bipartido.

    Placar: 3 pontos positivos, 5 negativos;

    9) Rodas de três furos: no dia a dia não fede nem cheira, mas na prática nos faz perguntar se também estamos tendo cubos de roda e freios importados da Índia em vez de aqui fabricados e podendo compartilhar peças de Logan e Sandero (4X100). Vai dificultar a vida do modelo no mercado de acessórios e o ponto negativo aqui vai mesmo pela falta de visão da Renault brasileira.

    Placar: 3 pontos positivos, 6 negativos;

    Comentários do resultado final: aqui é para refletir o grau de decepção que o Kwid brasileiro gerou em quem esperava que a Renault brasileira, que chega depois de VW e Fiat ao segmento dos subcompactos, tivesse aprendido com os erros destas. Infelizmente demonstrou-se que não e novamente o mercado brasileiro fica no aguardo de um subcompacto que seja matador. A receita é simples:

    1) Forros de porta integrais sempre (ausentes no up! mas presentes em Mobi e Kwid);
    2) Banco traseiro bipartido (ausente em up! e Kwid, presente no Mobi);
    3) Vidros traseiros elétricos (ausentes nos três concorrentes);
    4) Isofix sempre (presente em up! e Kwid, ausente no Mobi);
    5) Alto grau de nacionalização de componentes (presente em up! e Mobi, Kwid padecendo com seus 40% de componentes indianos).

    Esse segmento tem potencial no Brasil, especialmente considerando a alta urbanização de nossa população e o fato de termos algumas das maiores cidades do planeta, vide São Paulo e Rio de Janeiro. Em São Paulo vê-se um bom número de exemplares do up! e é perfeitamente compreensível quando levamos em conta estarmos em uma cidade com urbanização no mínimo sofrível e que na prática favorece os menores veículos. Outros lugares podem também ter vantagens para veículos de tal segmento, mas aqui também ajuda que os fabricantes se deem conta de que as pessoas não querem que se associe o fato de um carro ser menor ao de ele também falhar em aspectos que seriam facilmente solucionáveis.

    • Luconces

      Na receita eu adicionaria mais um item:

      06 – Motorização decente
      (item presente no Mobi e Up)

    • Braulio Jorge

      Melhor que a própria matéria [palmas]

    • ViniciusVS

      Só não concordo sobre os botões do vidros… Não vejo problema nenhum na posição do botão, ainda mais em um carro de entrada…

      O carro é pequeno e o botão fica perto do motorista, abrir ou fechar o vidro é tão fácil quanto regular o ar condicionado ou utilizar os comandos de áudio.

      Acho que reclamar do botão é procurar pelo em ovo.

      • Ilbirs

        Se você não vê problema de os botões do vidro elétrico estarem no painel em vez de nas portas, só posso torcer para que esses vidros não tenham problemas, pois se tiverem vai ser necessário desmontar um número de componentes bem maior do que aquele que seria desmontado com os botões na porta.
        Como disse anteriormente e repito agora, vidro elétrico com botão na porta só é mesmo mais econômico para o fabricante, pois gera mais gastos ao consumidor quando ocorrem problemas. Caso haja uma fuga de corrente qualquer, o cara vai ter de desmontar partes do painel para achar o problema, enquanto a maioria dos reparos em vidro elétrico com botão na porta resume-se a desmontar a forração daquela porta. Se você quer que a Renault lucre mais um pouquinho em cima do consumidor brasileiro ao não fazer as coisas como devem ser feitas e chama isso de procurar pelo em ovo, a marca do losango te agradece por ter tal opinião e quer que muitos outros tenham exatamente esse mesmo posicionamento.

        • ViniciusVS

          O mecanismo do vidro não fica atrás do painel e sim na própria porta, a única coisa que muda é que o chicote do botão é mais longo e no caso de veículos que tem somente vidro elétricos dianteiros a economia é somente em UM BOTÃO ( 3 se forem localizados nas portas contra 2 no caso da localização ser no painel).

          Você fala como se o sistema de vidro elétrico nas portas fosse independente da parte elétrica do carro, o que na prática não é. Se der problema no motorzinho independente da localização dos botões basta remover o painel de porta, se der problema na parte elétrica independente da localização dos botões vai precisar desmontar vários componentes inclusive relês e caixa de fusíveis…

          Realmente é procurar pelo em Ovo.

          • Ilbirs

            Vamos lá, novamente:

            1) Se o botão do vidro elétrico se encontra no painel, isso significa que há um fio que vai daquela localização no painel até o motor do vidro, que obviamente se encontra na porta;

            2) É verdade que é mais barato para o fabricante montar os botões no painel, pois a fiação fica mais curta e menos botões fazem a função. Porém, só é mais barato para o fabricante, pois para o consumidor a manutenção fica mais cara e, como sabemos, problemas em vidros elétricos vão para além de um motorzinho que queima, podendo envolver fuga de corrente, que é problema bem mais comum do que um motorzinho queimar (grifo e negrito propositais);

            3) Caso haja fuga de corrente em um vidro elétrico com botões no painel, vai ser preciso desmontar bem mais do que um forro de porta, envolvendo aí retirar peças do painel, incluindo aquelas que nada têm a ver com o vidro elétrico, tais como comandos de ventilação, aparelho de som e outras, de modo a ter acesso ao ponto em que está havendo a tal fuga de corrente. Como em um caso desses envolve desmontagem de mais peças do que remover uma forração, isso significa que vai haver mais trabalho, aumentando aí o preço da mão de obra e, por conseguinte, os custos do dono do carro. Quando os comandos do vidro elétrico são nas portas, os pontos de fuga de corrente estão mais concentrados em áreas mais fáceis de serem desmontadas que um painel, no caso as forrações de porta (novamente grifo e negrito propositais para que se entenda de que estamos falando);

            4) Assim sendo, o vidro elétrico com comando no painel é mais barato para o fabricante por este ter um processo industrial menos complexo, mas mais caro para o consumidor justamente pelo maior trabalho que dá ao eletricista para a solução de problemas bem mais comuns do que a queima de um motor que ergue ou desce o vidro, significando aí economia porca. O fabricante só fica com o carro pelo tempo em que ele é fabricado, enquanto o consumidor fica com esse mesmo veículo por anos e, em alguns casos, até por uma década ou mais.

            Espero ter sido entendido agora quando digo que vidro com comando no painel é economia javalinesca de tão porca e que, portanto, reclamar dessa solução é sim válido e nada tem de procurar pelo em ovo.

          • ViniciusVS

            1-Sim esse “fio” é o chicote e ele tem duas conexões uma na maquina do vidro e outra no botão/régua.

            2-Novamente se o problema não for no motorzinho será na parte elétrica e ai terá que desmontar o painel também, independente de onde fica o botão, até mesmo para acessar caixa de fusível por exemplo… Já viu onde ficam os fusíveis do Toyota Etios por exemplo? e por curiosidade é um carro que tem os botões na porta.

            3-Fuga de corrente será um problema elétrico no chicote do carro e ai terá que desmontar independente do local do botão afinal o sistema é o mesmo o que muda é o tamanho do chicote do botão, em alguns casos é o próprio chicote do carro.

            4-É uma economia grande para o fabricante porém não é um problema e nem um aumento de custos para o consumidor, não é um sistema mais complexo. Até mesmo a Mão de Obra, em 1 minuto no máximo você desmonta a porta, em 5 minutos você desmonta a régua no painel… não tem nada complexo nisso.

            Ahhh e gostei do termo “Javalinesco” kkkkk

          • Hugo Leonardo Dos Santos

            Se estiver na garantia, a Renault que resolva o problema, consumidor não tem nada que gastar com conserto

          • Ilbirs

            Isso se ela não vier com explicação de que aquilo foi causado por “mau uso” e não será coberto pela garantia. Já fora da garantia, o consumidor que entenda na prática o quanto que aumenta de preço de mão de obra a decisão que economiza umas patacas para o fabricante na linha de montagem.

        • Luciano Lopes

          Mas isso é muito remoto de acontecer nos dias de hj . Tb não me incomoda a posição do vidro, vc estica o dedo na alavanca de câmbio e chega no botão

    • Milton-GT

      Ibiris, como sempre você resumiu tudo o que se pode dizer sobre o Kwid, todas as ideias bem embasadas e claras, só faltou falar sobre o motor 1.0 SCE que foi capado pela Renault, sem explicação convincente, afinal, colocar comando simples no motor não traria tanta economia assim. Infelizmente acho que o carro pode vender muito bem, pois o brasileiro se liga em outras coisas e não em tecnologia. Eu participei de uma pesquisa da Renault sobre o Kwid, não posso revelar nada, mas o comercial de estreia será impactante. Confira na TV.

      • celso

        Mas ele falou do motor, parágrafo 6.

        • Milton-GT

          Sim ele falou, mas sem aprofundar a significativa perda de potencia e torque.

      • Luciano Lopes

        Mas vc viu a relação peso/potência ? Melhor q o Gol , por ex, que tenho um MPI em casa , e anda muito bem …Aliás , pelos números de consumo, 15,2km/l na cidade , penso q a Renault sabe o q está fazendo .

        • Milton-GT

          A potência não é tão relevante assim quando comparada ao torque, se você tem um Gol com o motor 1.0 MPI tem 9,7 mkgf de torque a 3.000 rpm, isto com Gasolina e seu carro tem 998 Kg. só como comparação o Mobi tem 945 Kg e o Up! tem 920 Kg, Pode notar que um motor de 3 cilindros moderno não sente tanto assim andar num carro maior. Pode-se ver isso claramente comparando o Mobi com motor 1.0 Fire EVO com a versão Drive 1.0 Firefly, que anda muito mais. No caso do Kwid ele pesa (dizem) 800 Kg, mas seu motor tem 9,4 Kgfm de torque mas a altos 4.250 rpm, na Gsolina, só para comparar o Mobi Drive tem torque de 10,4 kgfm a 3.250 rpm, na gasolina e o motor Fiat Fire Evo tem torque de 9,5 Kgfm.a 3.850 rpm. Assim percebe-se que se o motor Fire mesmo sendo um 4 cilindros e mesmo tendo mais torque que o motor SCE do Kwid tem no Mobi um desempenho modesto, então concluo que o menor peso do Kwid não vai resolver, por si só, a falta de torque do motor SCE em baixas rotações, principalmente porque é um motor com 12V com comando simples.

          • Luciano Lopes

            Vc tem razão . Mas vamos esperar os testes . Tem curva d torque , escalonamento d câmbio , acerto d embreagem, etc, eu aposto q vai dar certo sim .Em tempo : Eu tive Mille de 55cv e todos sabem , na pratica , que ele andava mais q os números sugeriam … Tem carro q é assim.Ja tive um Nissan Versa 1.6. Eu tenho um Sandero 1.6 16v SCe,que é o mesmo motor ,e os dois tem peso parecido . O Sandero anda muito mais . Não é pouco a mais . E não tá amaciado . Virou um foguetinho .A diferença é notória ! Tem um acerto geral por trás . Se olhar a ficha técnica , o torque está em alta rotações, mas na pratica , no trânsito vc anda em 3 o tempo todo . E essa 3 vai até 120km/h. Torque ótimo ! E gosto muito do desempenho tb do meu outro carro,Gol G7 1.0 , parece 1.4, além de 14km/l da cidade

          • Milton-GT

            Concordo, só com os testes é que poderemos saber o quanto anda o Kwid.
            Eu também tive um Mille Smart com o motor 1.0 Fiasa, ele andava muito mesmo, eu fiz uma viagem de São Paulo a São José do Rio Preto, com 4 pessoas a bordo, ar condicionado ligado o tempo todo e ele andava a 120/130 Km/h numa boa, só nas subidas mais fortes que ele diminuía um pouco para uns 110 Km/h.
            Quanto ao motor SCe da Renault, me disseram que ele não é o mesmo da Nissan, foi desenvolvido pela Renault do Brasil, pode ser que tenham usado o 1.6 da Nissan, mas não sei se foi isso mesmo.

          • X1301120415

            o grande erro no kwid foi manter 12 válvulas sem comando variável. Mobi Firefly consegue ser bom em torque justamente por ter 6 válvulas. Não fica econômico em altas rotações, ao contrário do Kwid. Kwid, no entanto, fica fraco e gastador em baixas rotações. Espero que a versão Outsider venha com o motor do Sandero, com o comando variável. Vai unir potência e economia na dose certa.

          • Comentarista

            Quem disse que ele tem 4 válvulas por cilindro com comando simples? Ele terá 2 comandos com 4 válvulas ou, que não acredito, 1 comando com 2 válvulas. Como disse acima, a potência foi reduzida pela eliminação do variador e não pela retirada de comandos.

          • Milton-GT

            Tem 12 válvulas segundo a Ficha Técnica do Kwid fornecida pela Renault divulgada no Site Motor1. Veja no link: https://br.motor1.com/news/147891/novo-renault-kwid-veja-versoes-itens-de-serie-e-ficha-tecnica/
            Melhor esperar o lançamento para conferirmos.

      • Comentarista

        Não acredito que terá apenas 1 comando. Será 12 válvulas sem variação. Não faz nenhum sentido terem 2 motores 1.0 diferentes para fabricar.

        • Milton-GT

          Não é uma questão de acreditar ou não pois foi a própria Renault que divulgou isso. Mas pode ser que o Kwid seja bem leve e que tenha bom desempenho. Penso isso porque o Kwid indiano pesa 600 Kg e o nacional não se sabe ao certo, uns dizem 800 Kg então só esperando o lançamento para sabermos. No Mobi Drive a relação peso potencia (medidas com gasolina) é de 13,13 Kg por CV, no Up é de 12,27 Kg por CV Se o Kwid pesar 800 Kg, a relação peso potencia dele seria de 12,12 Kg por CV o que seria a melhor de todos. Mas o problema que eu vejo é no torque, (com gasolina) o torque do Mobi Drive é 10,4 Kgfm a 3.250 rpm, no Up! é 9,7 Kgfm a 3.000 rpm e no Kwid é de 9,4 Kgfm a altos 4.250 rpm. Assim o motor do Kwid tem pouco torque em baixa rotação o que o torna um motor fraco.

    • Ducar Carros

      Só discordo da questão do vidro elétrico traseiro. Como esses carros são para serem usados, na maior parte do tempo, por uma pessoa ou duas (subcompacto não é carro familiar), entendo que os vidros elétricos traseiros possam ser ofertados como opcional, pois serão usados só eventualmente.

      O absurdo são os vidros dianteiros manuais na versão de entrada. Provavelmente as concessionárias vão oferecer como opcional os elétricos.

      Concordo também que, nas demais versões, os botões serem no painel dificulta a manutenção, ou seja, uma economia desnecessária.

      • Ilbirs

        Sobre vidros elétricos nas quatro portas, vamos aqui sempre lembrar de que tal solução permite que o motorista feche as quatro janelas de seu posto de comando ou acionando um alarme quando este tem fechamento conjugado dos vidros, algo que não dá para fazer quando a fileira de trás é de manivela. Também permite que se trave o acionamento dos vidros, algo especialmente importante quando se tem crianças no banco de trás.
        Ainda dentro da crítica pelo fato de a Renault não ter disponibilizado vidros elétricos traseiros para o Kwid, a questão aqui envolve o fato de o fabricante ter chegado depois a uma disputa que já estava sendo travada por up! e Mobi, ambos desprovidos de vidros elétricos traseiros sabe-se lá por que motivo. No caso do up!, a VW ficou com a desculpa esfarrapada de que não existia no mercado motor elétrico que coubesse na porta traseira do modelo. Os farrapos da desculpa surgiram poucos meses depois do lançamento do modelo, quando o próprio mercado começou a disponibilizar kits de vidros elétricos traseiros para o modelo, o que significa que pegaram peças de prateleira desse mesmo mercado de fornecedores e essas peças cabiam sem maiores problemas na porta do up!. Aliás, quem olhar para a porta traseira do up! verá que ela é maior que a curta porta traseira de um Santana, que sempre teve vidros elétricos disponíveis seja de série ou opcional:

        http://www.autossegredos.com.br/wp-content/uploads/2014/04/teste_vw_up_29.jpg

        http://www.autominded.net/brochure/vw/VOLKSWAGEN%20SANTANA%201984%20002003.jpg

        Sobre o Mobi, até por sua ancestralidade remontando ao Uno 327, também fica inexplicável não ter vidros elétricos atrás:

        http://www.autominded.net/brochure/vw/VOLKSWAGEN%20SANTANA%201984%20002003.jpg

        https://1.bp.blogspot.com/-RIBRoIkfZws/Vw8HhIohYWI/AAAAAAACWRM/HEDSAbqOR4Ek3ilLuQ5AOsgRaalZmk7FQCLcB/s1600/FIAT_MOBI_LIKEON_ESTUDIO_013.jpg

        https://i1.wp.com/primeiramarcha.com.br/wp-content/uploads/2016/04/Fiat-Mobi-Way-15.jpg

        http://www.autossegredos.com.br/wp-content/uploads/2014/11/uno_sporting_038.jpg

        E mais estranho ainda fica quando sabemos que o pessoal da Fiat tem alto grau de conhecimento acumulado sobre o mercado brasileiro e ouve queixas de ausência de vidros elétricos atrás desde o tempo do Prêmio CSL. Em relação à Renault, a coisa fica pior se considerarmos que tiveram tempo de sobra desde o primeiro up! lançado para saber o que o pessoal deseja não só em um subcompacto como em um carro em geral, vide o tanto de alterações que foram feitas no Logan de primeira geração para que ele se tornasse um veículo mais ao agrado do brasileiro. Se não aprenderam com esse tanto de experiência alheia e própria, fica parecendo que em São José dos Pinhais tem um monte de tabacudo que a cada projeto novo precisa reaprender a criar a roda.

    • CorsarioViajante

      COmo sempre excelente! Parabéns!

    • Thiago

      É característico de carro francês comando fos vidros no painel, mesno nos de luxo
      Não creio então defeito

    • Fernando Martins

      Outro ponto negativo: Rodas com apenas 3 parafusos (ou porcas)….

      • Ilbirs

        Os três parafusos na prática não alteram a vida de quem tiver o carro e quiser deixá-lo do jeito que está, mas prejudicam bastante quem estiver pensando em montar uma roda do mercado de acessórios. O outro prejuízo possível pode estar se esses três parafusos significam que cubo de roda e freios estão naqueles 40% de peças importadas da Índia que esse carro possui, sempre lembrando dos riscos de baixa qualidade (aqui considerando que a indústria automobilística indiana produz em média carros piores que os do Brasil, sendo lícito ter essa desconfiança prévia), dificuldade na reposição (afinal é necessário que saia um navio do porto de Chennai, onde fica a fábrica indiana da Renault) e Paranaguá (porto mais próximo à fábrica de São José dos Pinhais, onde o veículo é construído e onde se encontra a maior parte da infraestrutura da marca do losango no Brasil), além da própria ilógica da coisa em si, pois seria mais um daqueles casos em que as peças de Logan e Sandero (furação 4X100) poderiam muito bem ser utilizadas e com a vantagem do superdimensionamento, além da tal facilidade de acessorizar o carro.

    • RenanK

      E ESP…

    • Marcio Souza

      Essa melhorias vc pode ter certeza que virão nos anos/modelos seguintes. Assim como a ausência do Car Play/Android Auto. E tbm uma motorização turbo.

  • Ailton Junior

    Se o Kwid fizer sucesso é obvio que a Fiat vai contra atacar. Já a Madame VW não vai dar bola e continuar com suas politicas de preços absurdas

    • NORDSK

      Não vai dar bola porque ela repisicionou o Up acima do Gol, então porque ela iria se preocupar com KWID.

      • Artur

        Lógico. Agora o Up! é carro de nicho! Kkkkkkk

        • Djalma Andretta

          Queira você ou não é um carro diferenciado.

          • Artur

            Claro que é diferenciado! Cobra mais e oferece menos que os outros! Kkkkkk

          • Wellington Myph13

            Mobi Drive + Pacotes = 45900,00
            Uno Drive + Pacotes = 48.240,00
            Move up! = 48.290,00

            Mobi custa 3k a menos mas não tem espaço nem porta-malas do up!, ele não é concorrente do up!…
            Uno custa o mesmo mas não tem estrutura de 5 estrelas, Isofix, rodas de liga-leve nem sensor de estacionamento, mas devolve em ESP+TCS+HLA.
            Uno e up! são iguais em termos de espaço interno e porta-malas, mas o up! entrega mais versatilidade por ser menor.
            Vai do gosto do cliente. Não vejo onde ele oferece menos que os outros…

            Ele ficou caro porque agora só tem completo, e já sabemos que essa estratégia de 8 ou 80 não funciona.
            Uno mesmo começa em 42.980,00, e já tem o kit dignidade pra quem não quer firulas.
            Outro bola fora foi a versão Take-up! não ter adotado nem o painel antigo com conta-giros e computador de bordo pelo menos… E custar 43.240,00 completa sem o painel novo, nem maçanetas pintadas na cor do carro é cruel.
            up! agora só vale a pena se o cliente leva em consideração os detalhes extras por um carro completo, e considere a Move-up!…

          • Luciano Lopes

            Sim , parece um freezer horizontal . Bem diferente mesmo .

      • Caio Cartaxo

        Eu nao entendo como o up vidro manivela ta acima de um gol 4 vidros eletricos kkk

        • Wellington Myph13

          Desde quando o vidro elétrico traseiro salva vidas e faz o carro ser mais eficiente? Que comparação mais besta.
          Up tem apelo em segurança, eficiência e tamanho externo. Internamente se você entrar em um Gol e no up você vai ver que nem tem tanta diferença de tamanho traseiro. A largura é menor, claro.
          Obviamente o estilo do up não pegou, então é fácil todo mundo, principalmente os haters, caírem matando que o carro é mico, não presta, tem lata na porta, não tem saída de ar central direcionável e nem vidro elétrico traseiro, então não presta. Porcaria de carro!

        • Pedro154

          Achei totalmente sem sentido o que a VW fez ao posicionar o Up! em cima do Gol. O certo, ou pelo menos o mais lógico, era ter deixado o Up! para concorrer com o Mobi e o Kwid. No caso, acho que o 1.0 MPI apenas já serviria bem. No degrau acima, deveriam ter posto uma nova geração do Gol, feita na plataforma do Up!, mas com tamanho maior, mais equipamentos e motores 1.0 TSI e 1.6 16v MSI. Acima do Gol, deveria vir o Polo e depois o Golf.

          • Wellington Myph13

            A VW lançou o up! baseado no Uno. Tem até mais espaço interno e porta-malas que ele. O tamanho externo diminuto não pegou, o povo simplesmente nem considera ir conhecer ele porque acha pequeno. As mudanças feitas nele, a estrutura reforçada e tudo mais não conseguem baixar em preço perto de Mobi e Kwid.
            Não estou defendendo a VW, mas apenas entenda que o up! é outra estrutura totalmente mais moderna e segura que os dois, e só se a VW bancasse pra vender. Como ela já percebeu que não pegou como eles queriam, o Foco agora é exportação e deixar o carro como de nicho, pra quem se interessa mesmo por segurança e eficiência.
            Pra quem quer só mais um carro pra se locomover, pega o Gol em oferta completo por 38990,00 que ainda vai sair rindo de quem comprou um Mobi…

        • ADAM ROCKERFELT

          Chama-se custo de projeto, aposto que foi obrigada a fazer isso, o GOL custa menos para ser fabricado.

          Foi um erro estratégico talvez, sei lá, ou ganância mesmo.

        • Djalma Andretta

          Eu prefiro a segurança do UP e motor 1.0 turbo agora tem gente que prefere vidro elétrico atrás, fazer o que.

        • G.Alonso

          Eu entendo, principalmente pq o Gol é um projeto velho e que tem que ter vantagens para o consumidor comprar.

          • Luciano Lopes

            E q tem uma dirigibilidade muito , mas muito superior ao UP . Quem entende como eu , que já teve os 2 , sabe porque a VW não poe o TSI no Gol .

  • Sinceramente, depois de divulgada a tabela tenho lá minhas dúvidas do sucesso entrondoso do modelo. O brasileiro reclama de preço, mas não é muito fã de ostentar para o vizinho o carro mais barato não chinês…
    Gol custa 42 mil, mas na prática sai por 38k, Ford Ka por 39 mil…
    Nesse parametro, sinceramente não arriscaria 35 mil no Kwid. Quando falavam em 35 mil com MediaNAV eu fiquei muito surpreso, pq aí sim seria muita vantagem que daria até para arriscar no modelo.
    Digo arriscar, por ter ido mal no crash indiano e agora seremos cobaias das alterações, não é certeza de segurança, não sei quando saberemos o quão seguro ficou. Sem contar que todo produto novo, passa ao menos 1 ano para ajustes.

    • G.Alonso

      Kwid está com preços promocionais de pré lançamento e isso está na própria propaganda da Renault, ou seja, ainda vai subir de preços. Se subir mais já não valerá a pena mesmo.

  • Bernardo Gaetani

    Se tivesse vindo com o SCE de 82cv do Sandero chamaria a atenção… agora com essa versão capada de 70cv vai micar!!!

    • Pedro Mello

      Não sei se vai micar, mas foi decepcionante saber que vem com motor de cortador de grama.

    • Hugo Leonardo Dos Santos

      Carro só mica se for caro, Kwid completo por 35 mil vai vender mais que Mobi, Gol e Up com certeza pq brasileiro quer é saber de preço e condição de financiamento e não em nota de crash test, só não vai vender mais que o trio Onix, HB20 e Ka por serem maiores

    • Verdades sobre o mercado

      Isso é fácil de corrigir, é so a Renault lançar as versões Zen e Intense com opção do motor mais forte acrescentando R$ 1.000,00 ou R$ 2.000,00 ao preço do carro. Creio que isso será feito no futuro.

      • Luciano Lopes

        Tb pensei nisso …Opcional …

    • Zigfrietz Tazogh

      Você estar ciente que este carro tem apenas 790 kg de peso em ordem de marcha ?

  • NORDSK

    Não dá para comparar esse carro com o Up, que não concorre diretamente. E outra, quem tem que provar que o carro dela presta é a Renault. Eu pessoalmente acho que essa de colocar 2 Air Bags laterais é um tremendo de um 171, ou seja disfarçar deficiência da estrutura do carro para melhorar nota no Latim NCAP.

    • Artur

      Como não dá pra comparar com o Up!? Os dois não são subcompactos?
      O Up! é que está supervalorizado. Carrinho simples que não oferece nada de mais em relação à concorrência e é caríssimo.

      • Djalma Andretta

        Só oferece a possibilidade de você optar se quer ter mais chances de sair vivo numa batida. Up 5 x Kwid 0. Arruma outro argumento fanboy.

        • Artur

          Kkkkkkkkkkkk sabe de nada inocente! Up! “5 estrelas” tira no máximo, estourando, 3 estrelas pelo protocolo atual do Latin NCAP.
          E ele não oferece ESP sequer como opcional, mas é mais caro que muitos carros que dispõem desse importante item de segurança.
          Acho que o fanboiolão cego aqui é você amigo!

          • G.Alonso

            Aí você imagina, se o up! moderno e seguro já não tira 5 estrelas, imagina esse miserável Kwid? Vai ser 0 pela quarta vez.

          • Artur

            Depende das modificações que a Renault implementou no carrinho. Talvez sejamos surpreendidos positivamente.
            Vide o Captur, que utiliza plataforma de Duster e foi muito bem no Latin NCAP.

          • Luciano Lopes

            Porque 0 ? Como sabe ?

          • G.Alonso

            Carro barato e seguro? No Brasil? Pode até ter 1 estrela.

          • Artur

            Não dá para decretar o fracasso do carrinho antes dele ser testado pelo Latin NCAP. A Renault garante que implementou melhorias na estrutura. O Captur, por exemplo, foi muito bem no teste e possui a mesma plataforma (defasada) do Duster.
            Os airbags laterais ainda devem ajudar no teste de impacto lateral. Up! não oferece esse item nem como opcional…

          • G.Alonso

            A Renault implantou melhorias no veículo vendido no mercado indiano e nada adiantou. Está certo que ela fez melhorias no carro como um todo, mas, ela anunciou que o carro ia ser mais pesado e não mais reforçado. Ela disse que só os bancos seriam 14 kg mais pesados… Será que a estrutura foi pelo menos isso?

        • Luciano Lopes

          Vc tem os números da mega sena ? Como sabe ?

      • Wellington Myph13

        up! tem tamanho interno e mala de Uno. Ele ganhou 6cm perante ao europeu pra chegar nas medidas internas do Uno, seu concorrente direto.
        Dai a Fiat fez o Mobi no tamanho externo up! mas com medidas internas ridículas, mas pegou, o consumidor agora acha que o concorrente do up! é Mobi. Fiat tirou fácil o up! da jogada. Clientes não vão nem visitar a VW se pensar em pegar um up! porque acham pequeno por fora, pensam “deve ter o espaço que tem o Mobi e é mais caro”…
        Então a VW saiu fora dessa realidade e fez dele um carro de imagem. Segurança e Eficiência com o 1.0 TSI. Só compra quem gosta do estilo.

    • Luciano Lopes

      Se não tivesse ia descer o pau …É elogiável sim , os AB laterais!

  • Thiago André

    Esse painel de instrumentos poderia ser como Onix, Uno, Gol, ter uma tela digital grande com velocímetro e outras funções.

    • Luciano Lopes

      Não gosto de tela digital ..prefiro analógico

  • Thiago André

    Ainda sim prefiro pegar Civic ou Eco seminovo

    • Rbs

      O problema é a forma de pagamento.

  • Alexandre Furtado

    Pow Renault pq não tirou mais um parafuso da roda…tinha que capá o motor, racou o varidor de fase,,,economia porca

  • Pedro Mello

    A Volks mexer nos preços do up , pode esquecer. Talvez, dependendo das vendas, a Fiat possa ofertar mais no Mobi, ou ter uma política de descontos mais agressiva. A conferir.
    PS: quanto mais se sabe sobre o Kwid, menos vantajoso ele parece.

    • Wellington Myph13

      Gol Trend 1.0 já fica na casa de 38990-39990 em ofertas -permanentes- que a VW logo tira a Take up do catálogo. E não duvido tirar o MPI dele também, ficando só com TSI.
      Gol Track com CMM sai por 45k, 2k a menos que o Onix 1.0 LT
      Gol 1.6 Trendline custa 49k com CMM, 2k a menos que o 1.4…
      Claro que isso são preços negociados…
      A VW não tem um carro pra brigar com Kwid e Mobi na casa dos 35k completo… Seria interessante uma Take up completa nos 35990 pelo menos, mas acho bem impossivel.

  • Nikolas

    Vai vender MUITO, para desespero, choradeira e gritaria dos haters da Renault e das marcas francesas em geral. Vai estuprar sem piedade o lixo do Mobi e o lixo do up.

    • Djalma Andretta

      Se o Up é lixo isso aí é o que?

    • G.Alonso

      Pra chamar o Mobi e principalmente o up! de lixo, o Kwid tem que ser muito melhor, coisa que sabemos que ele nunca será.

  • Willian Silva

    Dá nojo de certos brasileiros, ficam defendendo marcas, como Fiat, etc… vcs acham que a fiat ta preocupada com o brasileiro?! A Fiat e a VW vão é pressionar de algum jeito a Renault pra subir os preços isso sim… eu fico feliz sim quando vejo alguma empresa nesse segmento de mercado tentando fazer concorrência, pq o que temos é um cartel descarado… agora parem de defender marcas…. o importante é o consumidor ter bons produtos…com preços justos..

    • ADAM ROCKERFELT

      Ué, então pare de defender a Renault que é tão suja quanto todas as outras, está no mesmo cartel da ANFAVEA e suas compras de MPs para tentar aniquilar a concorrência.

      Lembra da KIA ? Que estava em franca acensão em 2011 vendeu 77 mil carros e hoje já fechou 75 concessionárias, o mesmo vale para a JAC, aquilo foi concorrência, mas a ANFAVEA colocou sua máfia suja para fechar o mercado brasileiro mais uma vez.

      • Willian Silva

        Eu não to defendendo ninguém,,,, olha o que eu escrevi… eu quero é livre comércio…

        • ADAM ROCKERFELT

          Você está lançando uma teoria da conspiração, achando que a FIAT e VW vão se unir contra a RENAULT.

          Todos estão criticando o produto KWID, duvidando na verdade, a DACIA resolve trazer esta latinha indiana e estamos todos céticos, principalmente em relação a segurança estrutural.

          Gostaria de ver um impacto entre KWID e UP só para verificarmos quem investiu em qualidade estrutural e quem está reduzindo custos em detrimento da segurança.

          • Wellington Myph13

            Kwid na verdade é Renault. Sandero, Logan e Duster são considerados DACIA porque já existiam no lineup da Dacia, e só mudaram o simbolo.
            Podem ter usado uma plataforma vindo dos Dacia (nem faço ideia pra falar a verdade), mas ele nasceu Renault.

          • Cesar

            Tanto a plataforma do Sandero e Logan quanto a do Kwid são de origem Renault-Nissan. Inclusive o Kwid usa a plataforma mais nova do grupo a plataforma modular CMF.

          • Luciano Lopes

            E os Dacia são o q ? Chassi , motor , câmbio projetados na ???????
            Tá bom , é Dacia ! Sandero é ruim ?
            Ônix , Gol etc tb são de baixo custo .
            Q birra com os Dacia / Renault

    • Luciano Lopes

      Renault é uma estatal francesa , um gigante … Ninguém vai pressionar não , senão já o teriam feito . Vale para a zilionaria chinesa Chery.

  • ocampi

    Ainda não entendi por quê os chineses não lançam um carro compacto completo por uns 25.000. Digo com porta malas 290 L e espaço interno no nível de um Uno.

    • Raimundo A.

      Ter um produto assim e com este preço não basta. A JAC investiu muito em propaganda e tinha intenção de fazer um produto mais as necessidades daqui. Não vingou e o investimento seria muito alto. Optou por explorar os Suvs e estes estão forçando a matriz a atender algumas exigências locais como o AT. Apesar disso, vende muito menos que as marcas mais presentes no mercado e a Chery vai de forma similar.
      O consumidor não quer ter dor de cabeça com fabricante e o produto precisa ser confiável ou a marca transparecer isso. As chinesas precisam mostrar isso. Depois, penso, viriam produtos pensados para nós.
      A Hyundai, coreana, aprendeu rápido. Melhorou muito em produtos importados e mais caros. Conquistou admiradores. De um produto existente em outro mercado, criou o HB20 para nós.
      Nosso mercado é tendencioso, prova disso são os franceses rebolando para vender bem e tem credibilidade muito maior que chineses e estão aqui há tempo.

    • Wellington Myph13

      Chery tem o QQ por 25990,00 e não vende. Nem que anunciasse a 19999,99 acho que não passava de 1k de vendas por mês.

  • Kiyoshi Yamashiro

    É bom ter um carro que possa sacudir o mercado, só que se vender bem com certeza vai ter aumento nos preços

  • Zigfrietz Tazogh

    [Já no quesito motorização, o Kwid perde em termos de potência para os motores 1.0 EVO que tem 75 cv e 1.0 Firefly com 77 cv que equipam o Fiat Mobi. O hatch francês também perde para o up! cuja potência é de 82 cv. No quesito torque o Kwid também perde para seus concorrentes.]

    Mas tem um porém.
    Up! pesa a partir de 910 kg, e Mobi pesa a partir de 935 kg, enquanto o Kwid pesa a partir de 790 kg.

  • Marcus Vinicius

    Vai ser um concorrente também para o próprio nissan march como ele vêm muito bem equipado !

  • Comentarista

    Grande problema é concessionária. Se aqui na minha cidade tivesse uma já teria feito a pre compra. Ideal para cidade, pequeno, bonito, econômico e “barato”.

  • luiz antonio vieira souza

    Se conseguir (na verdade se quiser) manter esse preço de 35 mil por muito tempo, dará trabalho para o Onix Joy e enterrará Mobi e Up menos básicos.
    Mas o problema é esse “”SE””. A Ford tbm começou assim com o Ka por 35 mil e em 2 anos já estava por 39

  • Verdades sobre o mercado

    Marlos, o que está acontecendo com o NA ?! Ontem afirmou que o Polo poderia se tornar líder com preço competitivo. Tem que ter uma dose EXTRA-MEGA-CAVALAR de otimismo para imaginar que o Polo pudesse vir com versões compatíveis com o Argo, e este dificilmente brigará pela liderança, ou seja, até as pedras da rua sabem que o Polo não tem a menor intenção de brigar pela liderança. Hoje vem com a comparação esdrúxulas do Kwid Zen com Move up. Obviamente que a comparação correta seria com o Take up com pacote de ar/de/ve/te ! Também faltou citar que apesar do motor do Kwid ser menos potente e ter menos torque que Mobi e up, o Kwid tem cerca de 150 quilos a menos que seus concorrentes, ou seja, esta diferença de peso certamente contribuirá para compensar o motor mais fraco e ter um desempenho equivalente aos dois veteranos em uso urbano.

  • Hugo Leonardo Dos Santos

    Esse Kwid completo por 35 mil vai vender mais que Mobi, Gol e Up com certeza pq brasileiro quer é saber de preço e condição de financiamento e não em nota de crash test, e a vantagem sobre os 3 é ter porta malas maior e/ou espaço interno pouca coisa maior, só não vai vender mais que o trio Onix, HB20 e Ka por serem maiores que o Kwid.

    • Milton-GT

      Só que no seu raciocínio existe um furo. O Chery QQ é o carro mais barato do mercado e não vende. Isso quer dizer que o preço não é tudo.

      • Hugo Leonardo Dos Santos

        aí não é preço, é preconceito com carros chineses meu caro, Kwid não é chinês, assim como seu antecessor Clio não era e vendeu muito bem.

        • Milton-GT

          Se existe preconceito com carros chineses, também existem contra carros franceses, pelo menos leio isso sempre na Internet. E o QQ é da Chery a melhor marca chinesa existente no Brasil. Com respeito ao Clio, em sua época ele era melhor do que muitos concorrentes e tinha o principal, ótimo custo-beneficio. Não é o preço que vende, é o custo-beneficio e nesse aspecto o Mobi, o Uno, o Gol e até o Sandero podem acabar com a festa do Kwid, da mesma forma que Toro, Saveiro e Strada acabaram com a festa da Oroch.

          • Hugo Leonardo Dos Santos

            veremos

      • Luciano Lopes

        O Kwid só não será um sucesso se a Renault não conseguir atender a demanda . O pacote detonou os concorrentes ( CxB) Na visão do consumidor comum:Tem espaço , economia , é altinho, moderno , novo ( status ) . Econômico, 5 anos d garantia …

        • Milton-GT

          Não arrisco a opinar sobre vendas, porque é difícil entender as prioridades do brasileiro. O Onix que tem um motor antiquado e 0 de segurança é mais vendido! e dizem que é por causa do multimídia. Então o Kwid explodir no mercado, mas não sei, tenho a intuição de que ele vai ficar perto do Mobi nas vendas, pouco acima talvez mas não chegará nas primeiras posições. Lembre-se que o CxB depende da visão de cada comprador. Não fosse assim o Renault Sandero, principalmente agora, com os modernos motores SCE, estaria pelo menos no Pódio em vendas.

          • Luciano Lopes

            Uma das causas da GM ser líder é estoque a pronta entrega. Da cor e do jeito q vc quer . Como as CSS precisam vender , fazem o melhor negócio nos usados. Comprei um carro recente , e se vc entrar na GM , se quiser , sai com o carro no mesmo dia .Mas ninguém vê o quanto um Ônix LT 1.0 , por 48 mil , é caro demais !! E os vendedores GM tratam o Ônix como superior , uma espécie de New Fiesta ! Pode conferir !

          • Milton-GT

            É isso mesmo, você tem razão, posso acrescentar que a Chevrolet tem planos de financiamento muito interessantes. Mas o motivo principal para eu comprar um carro GM é que Onix e Família não possuem motores 1.6 e ela vende o 1.4 no preço dos 1.6 da concorrência, dai prefiro sempre o motor maior. Por causa disso que eu tenho um Punto, ele tem o motor 1.8 da GM com cabeçote e comando de válvulas da Fiat. Ele tem mais potência e mais torque do que o 1.8 atual da GM mesmo com a reforma que fizeram nele.

      • Ernesto

        Quer exemplificar usando um carro chinês? Rsrsrsrs

        • Milton-GT

          Qual o problema do carro ser chinês? O Chery é um carro muito bom. Conheci um Diretor da Chery no Salão de Automóvel e gostei muito do sedã Arrizo 5 1.5 Turbo que ele me mostrou.

          • Ernesto

            Tenho um amigo que é vendedor de uma concessionária Chery. Ele me disse que o maior problema, há até alguns meses atrás, era que a revisão dos carros da Chery eram bem caros. Isso mudou agora, mas pode ter certeza que, para uma marca chinesa pouco conhecida, isso é péssima propaganda.
            Outro problema é a falta de peças de uma marca que vende pouquíssimo. Não é qualquer lugar que você vê concessionária Chery mesmo em São Paulo, imagine pelo Brasil afora.
            Quanto aos carros atuais, eu também estive no Salão e achei os carros bonitos, mas a qualidade de materiais ainda deixa a desejar.

  • Nelson Meyer

    Parece q o up e o mobi tem modelos com câmbio automático.

    • Rafael

      Automatizados para ser mais preciso, no caso do Up! pouco recomendado pelos especialistas.
      Mas faltou isso para o Kwid, uma versão automática.

      • Nelson Meyer

        Parece q os outros modelos da Renault tem câmbio automatizado e não automatico

  • GILVAN WANDERLEY

    Amigos não existe milagres com números, esperem o lançamento e vão confirmar o oposto. Não tenha dúvida que essa concorrencia do Kwid vai naturalmente forçar Fiat e Volks criar configurações dos seus carros: Mobi e Up visando um combate em cada nicho de preço. Vejam que existem itens ai nesse carro que só vão apareçer na versão mais cara que comparado ao Mobi é possível encontrar ja com desconto a versão Drive do Mobi 3 cilindros que é um motor em relaçao a esse da renault mais forte e mais economico, ja que a renault preferiu utilizar o motor novo de 3 cilindros capado de comando de admissão variável, portanto ja encontramos Mobi Drive de 37990,00. Então vamos com calma e observando melhor as opçoes, ninguem ofereçe nada de graça pra ninguem.

  • Eduardo

    Mobi lixo finalmente vai cair nas vendas. Já o UP!, apesar de bom produto (o melhor dos três) ainda tem preço injustificável.

    • dor53

      ele é mais caro pq é o melhor dos tres

  • pablo76

    Eu vi kwid va rural en argentina. Kwid tein poca largura. Es muito pequeño

  • Francisco

    Só de ler a frase “…Fiat repense preços e itens de série do Mobi, assim como a Volkswagen terá que fazer com o up!…” já é pra dar parabéns pela ousadia da Renault. O carro é simples, básico, mas no visual ganha dos dois concorrentes. Se mantiver esse preço será bastante interessante. Aos haters, sugiro esperar os testes e fazer um TD antes de criticar o carro, motor etc. O carro é mais leve, por isso o motor deve render bem, e já foi anunciado que é o mais econômico da categoria, o que é muito bom! O resto é esperar pra ver quando for lançado.

  • Rafael

    O Up! deve estar vendendo como água, de tantos que ficam defendendo o carro rsrs, falando sério eu vejo qualidades nele, mas não justifica o preço praticado, a meu ver.

  • Schlatter70

    A única vantagem que eu vi nesse carro é que ele é um concorrente a mais que vai forçar obrigatoriamente aos demais melhorarem sem carros ou baixarem seus preços. Por tudo que foi exposto, se eu precisasse de um city-car (Que iria andar com 1 ou 2 pessoas no máximo), entre os atuais concorrentes o Mobi Drive, chorando os descontos, seria uma melhor opção.
    Como disse o Ilbris muitíssimo bem logo mais a baixo, a Renault teve todas as chances de chegar arrasando e fazer um carro matador, mesmo que custasse 2 ou 3K a mais e fez merda.

    • Hugo Leonardo Dos Santos

      hoje a fiat ja baixou o preço do mobi like pra R$ 35.990, promoção claro

  • Bruno@BRN.CS

    Não tinha como colocar uma antena maior não?

  • Fernando Martins

    Será que só eu percebi (ou não) que as rodas têm somente 3 parafusos “à la Corcel/Del Rey”?
    E se um deles espanar ou se perder durante uma troca de pneus? Vai ser tenso andar com apenas 2 segurando a roda mesmo sabendo que o diâmetro em que estão distribuídos é maior o que faz prender mais um determinado espaço ao cubo… Não curti!
    https://uploads.disquscdn.com/images/4a570b5b093859b0914ed66bea6855e8aa922bb3d947e7091c4cbc92b9687179.png

  • Fernando Bento Chaves Santana

    Será que teremos uma versão sedã deste carrinho? Com 4m seria um sucessor espiritual do Calssic.

  • Cristiano Moreira

    Comparando, pelo menos em fotos, esse interior do Kwid com aquele do Captur, eu não vejo “tanta” diferença assim. conceito eh o mesmo, varia muito pouco…só que o Captur custa quase 3x mais. achei lindo quando vi o captur por fora, mas quando vi as fotos de dentro…brochante.

  • leandro

    Que mimimi sobre a potencia do motor, fabrica simplificou pra vende bararo e . quem querer 1.0 potente compra up ou hb20 e pague bem caro por isso. Carro racional barato por anos as 4 grandes venderem seus 1.0 mancos por preços absurdos. Viva a concorrencia.

  • ocampi

    Aceita vale alimentação ?