O Honda HR-V Touring 2017 terá preço sugerido de R$ 105.900. A nova versão topo de linha do SUV japonês começa a chegar as revendas da marca neste mês.

Visual

No visual externo, a versão Touring se diferencia das demais por conta dos novos faróis em LED, com luzes diurnas de rodagem (DLR).  As lanternas traseiras contam com guias de LED e contam como novo desenho interno.

Interior

No interior, a versão topo de linha conta com acabamentos cromados nas portas e novos equipamentos como sensores de chuva e de estacionamento traseiro, retrovisor interno fotocromático e airbags laterais do tipo cortina. O ar-condicionado é digital com comandos touch screen.

Equipamentos

A versão Touring vem equipada com sistema multimídia com monitor multi touchscreen de 7” e navegador integrado ao painel com software de última geração, contendo informações de trânsito das principais capitais do país.

O hardware possibilita ainda conexão Wi-Fi (via hotspot) com o uso de browser para acesso à internet e conexão Bluetooth para chamadas telefônicas e reprodução de áudio.

Motor/Câmbio

Assim como as demais versões, a Touring vem equipada com o motor 1.8 que rende potência de 140 cv a 6.500 rpm e torque de 17,44 kgfm a 4.800 rpm com etanol no tanque. Com gasolina, a potência é de 139 cv a 6.300 rpm e 17,44 kgfm a 5.000 rpm.

O câmbio é o CVT com trocas manuais por paddle shift (aletas no volante).

Nova cor

A versão Touring marca a chegada da nova cor Branco Estelar Perolizado que está disponível para todas as demais versões a partir deste mês.

Fotos | Marlos Ney Vidal/Autos Segredos e Honda/Divulgação (painel)

  • foratemerPMDBladrão

    e o CHR?

    • Raimundo A.

      A vinda do CRH não é tão simples. Ele traz a nova plataforma que já é testada no Corolla de nova geração flagrado em testes. Não sei se seria também para o Etios. Sua produção local adiantaria a preparação para a nova geração do sedan, mas isso tem um custo cuja Toyota por não ver interesse imediato por sua forma de agir.

      A Hyundai, diferentemente, começou a fazer o Creta que usa plataforma diferente dos HB. É uma plataforma comum a veículo médios que permitiria no futuro nacionalizar algum desse segmento. Cada montadora tem a sua forma de agir.

      Penso que para a vinda dele seria necessário investimento para ampliação da unidade local se for feito aqui elevando mais o valor inicial investido. O produto em si pode ter um preço salgado pelo design mais complexo dele e para compensar, alterações na oferta de equipamentos e mecânica seriam necessárias.

      Não é porque o de SUVs está bombando que a Toyota vai lançar um novo produto e não variação de algo existente como é o caso do WR-V (nova roupagem externa do Fit).

    • Gustavo73

      CHR usa uma base nova hoje só compartilhada com o Prius. A futura geração do Corolla, que deve chegar em uns 3 anos vai usar ela também. Antes chegou-se a cogitar a produção do Prius por aqui o que facilitaria a introdução do CHR. Mas isso parece que não vai sair do papel. Logo acho que só quando lançarem o novo Corolla.

      • Rafael Lima

        O CHR americano é feito nos EUA ou México? Quais carro a Toyota importa do México que não valeria a pena usar as cotas para o CHR?

        • Gustavo73

          O CHR é feito na mesma base do Prius então diria que é feito nos EUA.

  • Leandro Pimenta

    Nada de sensor de estacionamento dianteiro. Nada de teto solar. Nada de tração awd. Nem mesmo mudaram as rodas…

    • Magnosama

      A questão “sensor de estacionamento” na Honda, é um absurdo. Em qualquer modelo.

    • Raimundo A.

      Caro, tem veículo que tem câmera de ré e não tem sensor traseiro. Minha interpretação é que se eu consigo ver pela câmera, o sensor só faria sentido de houver ponto cego no campo de visão dela ou recurso mais sofisticado como estacionar sozinho/encontrar vagas.

      Nessa mesma linha, se a câmera dá condições ver melhor a traseira do veículo porque se for depender do modelo da carroceria, inclinação/formato do para-brisa traseiro, boa perspectiva no uso dos espelhos laterais que precisariam também ter amplo campo de visão, ver a frente não tem as implicações de ver para trás, então sensor frontal é mais ainda dispensável.

      O condutor não sabe que se ficar próximo demais de outros objetos (veículos, postes, etc) poderá colidir/raspar? É preciso um sensor frontal? Outra, veículos que tem sensor na frente nem sempre detectam alguns tipos de obstáculos sendo até mais útil uma câmera frontal como há modelos que oferecem.

      Teto solar? Beleza, bom seria ter a oferta para atender as diferentes necessidades das pessoas, mas dando como exemplo o Renegade que tem dois tipos de teto solar, é muito raro vê-lo com o equipamento. O novo Compass que está bombando, idem. Infelizmente, certos equipamentos tem demanda tão baixa que não compensa a oferta.

      Tração AWD entra novamente na questão da procura. Quantos Duster e EcoSport 4WD vemos com facilidade na rua? Há a oferta, mas é mínima a procura e por estranho que pareça, vejo mais o Duster, que é mais simples no acabamento sendo robusto para fora de estrada, que o Eco cujo apelo é urbano tal qual o Honda.

      O Renegade tem o 4WD por questão da marca e permitiu viabilizar a mecânica a diesel aqui. Tal motor não temos nos demais SUVs compactos porque depende de critérios para ser homologado. Será que para os concorrentes haveria interesse em pagar a mais por motor a diesel como há no Jeep? Cerca de 25% das vendas do Renegade são diesel e pelo preço inicial nada baratinho.

      Ainda, ter 4WD não implica em grande vantagem a depender do uso. Veja o vídeo do link comparando SUVs médios numa situação até simples.
      https://www.youtube.com/watch?v=wLkvqsQEV2Q

      • Roberto Souza

        Independente da necessidade de uso, o que ele disse e eu concordo é que pelo preço cobrado era pra o carro entregar esses itens. Se não entrega, deveria custar mais barato.

      • Gabriel Barreto

        Cara, vc falou tudo !! Sou consultor de vendas de veículos novos e sempre que vejo esses comentários de gente que não tem grana pra comprar nem um Gol g6 penso a mesma coisa, precisamos de mais consumidores como você, que entenda a real necessidade de qualidade, confiabilidade e custo-benefício e não itens de perfumaria. Abs. Gabriel Barreto.

    • Daniel Pessoa

      O comprador vai todo garboso dizer que pagou 106 mil no HR-V dele, orgulhando-se da falta de todos os itens que você citou, e ainda vai dizer que “Honda é Honda”.

      Toyota/Honda foram colocadas num altar pelo consumidor comum, e elas sabendo disso metem a faca sem dó.

      • Roberto Souza

        É pior. O cara fala: pra que o carro ter esses itens? Eu não preciso.

  • Henrique

    Considerando que estavam pedindo R$ 104.900 pelo EXL, até que não ficou tão ruim…

  • Consultor Jequiti

    Os faróis em LED e os airbags extras compensam a diferença de preço para a versão EXL.

    Mas creio que a mais vendida mesmo é a EX de R$ 93 mil…

  • Ilbirs
  • Ilbirs
  • Fábio A.

    Caro e sem novidades…

  • wagner

    Deixa eu pensar HR-V ou Compass, hahahahaha. É o mesmo que ficar em dúvida entre o Etios Sedan Platinum e Corolla.
    hahaha